Espirituialidades e Sociedade


Notícias:

>  O filme “Paulo, Apóstolo de Cristo”



Compartilhar
 

 

 

11/05/2018

 

 

O filme “Paulo, Apóstolo de Cristo”

 

Antonio Cesar Perri de Carvalho, ex-presidente da FEB e da USE-SP, discorre sobre o filme "Paulo, Apóstolo de Cristo"


______________________________________________

 

O filme americano com o nome original “Paul, Apostle of Christ”, encontra-se em exibição em vários cinemas brasileiros. É dirigido por Andrew Hyatt, tendo como produtora a Sony Pictures.

Duas figuras centrais no filme são o apóstolo Paulo, vivido por James Faulkner, e, o evangelista Lucas, protagonizado pelo ator Jim Caviezel, que atuou no filme “A Paixão de Cristo”.

O enredo se desenvolve principalmente no período em que Paulo de Tarso viveu seu segundo aprisionamento em Roma, detido na prisão Mamertine.

Enquanto vivia seus últimos tempos à espera da execução já definida pelo imperador Nero, Paulo de Tarso recebeu a visita de Lucas, seu discípulo, autor de um Evangelho e médico. Lucas teve um papel destacado no filme, como uma ponte entre os seguidores de Jesus em Roma, liderados pelo casal Áquila e Priscila (ou Prisca) e o apóstolo prisioneiro.

O enredo do filme, como uma “licença cinematográfica”, mostra encenações relacionadas com o prefeito da prisão que, apesar do rigor no cumprimento da legislação romana, acabou reconhecendo o valor de Paulo e de Lucas, sendo sua filha curada por este último.

Nas constantes visitas de Lucas, este convenceu Paulo a relatar os primeiros tempos do cristianismo e sobre sua própria trajetória. Muitas encenações do filme surgiram em função das memórias de Paulo ao discorrer sobre suas experiências. Surgia o registro de Lucas, conhecido como Atos dos Apóstolos. Os seguidores de Jesus se dispuseram a realizar várias cópias manuscritas que foram enviadas para diversos agrupamentos cristãos.

Pouco antes de ser executado Paulo é incitado a escrever uma carta, que ficou conhecida como 2ª. Epístola a Timóteo.

Inclusive, trechos dessa última foram lidos nas encenações momentos finais da existência de Paulo, culminando com o versículo: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” (1).

Interessante que a seara espírita tenha a informação que se encontra em fase final de edição o filme “Paulo de Tarso”, um docudrama dirigido por André Marouço e produzido pela TV Mundo Maior. Neste, ficará clara a visão espírita sobre os momentos iniciais do cristianismo.(2)

Paulo de Tarso foi o maior divulgador dos ensinos de Jesus e responsável pela consolidação dos agrupamentos pioneiros que reuniam os seguidores do Mestre. Valorizamos seus registros com destaque para as recomendações morais contidas nas suas Epístolas, sem se valorizar polêmicas do contexto da época ou pontos de discussão que posteriormente se constituíram em fundamentos para algumas correntes de pensamento religioso e até para justificativas de futuros dogmas.(3)

O momento enseja a leitura do livro “Paulo e Estêvão”, do espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier.(4)

 

Referências:

1) 2 Timóteo 4, 7.

2) http://tvmundomaior.com.br/videos/filme-espirita-paulo-de-tarso-palestra-de-divulgacao/

3) Carvalho, Antonio Cesar Perri. Epístolas de Paulo à luz do espiritismo. Matão: O Clarim, 2016.

4) Xavier, Francisco Cândido. Pelo espírito Emmanuel. Paulo e Estêvão. Brasília: FEB.

 

 

Fonte: http://www.noticiasespiritas.com.br/2018/MAIO/11-05-2018.htm

 

 

 

>>>   clique aqui para acessar a página principal de Notícias

>>>   clique aqui para voltar a página inicial do site

>>>   clique para ir direto para a primeira página de Artigos, Teses e Publicações