Ademir L. Xavier Jr.

>  Crenças Céticas XXII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (1)

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Ademir L. Xavier Jr.
> Crenças Céticas XXII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (1)





A partir desse post, faremos um curto 'manual' sobre falácias não formais do ponto de vista da lógica, usando exemplos abundantes da comunidade cética. Uma falácia lógica é, essencialmente, um erro de raciocínio ou de argumentação (1). Falácias podem ser divididas em dois tipos: (i) as falácias não formais (que nos interessa aqui) e as falácias formais. Sabe-se que não é possível chegar a verdade alguma tão só usando argumentação lógica. Construções de raciocínio complexas (teorias científicas) são necessárias para se chegar à verdade a respeito de fatos frequentemente bem simples. Do ponto de vista lógico, é possível, inclusive, chegar a conclusões plenamente verdadeiras partindo de premissas falsas. O que interessa aos lógicos é a validade dos argumentos do ponto de vista das regras da lógica, a confirmação de verdade é apenas uma característica a mais.

Por inspeção em documentos online é possível ver que há muitos textos e artigos de céticos (ver, principalmente, os chamados "pseudocéticos") contra falácias cometidas por crentes. Porém, os mesmos erros lógicos são cometidos por céticos que, em geral, gostam de ressaltar os erros de argumentação de crentes na falsa presunção de que estão mais próximos da verdade, de que são mais 'científicos' do que os que lhe são contrários, em fim, de que têm a ciência e a lógica a seu favor.

Nosso objetivo aqui é expor alguns tipos de falácias não formais para aqueles que tiverem interesse em aprender um pouco sobre esse capítulo da lógica usando exemplos da argumentação cética contra fenômenos psíquicos, médiuns, evidências de vida a pós a morte, reencarnação etc. Quantos tipos de falácia serão tratadas? Infelizmente, inexiste uma lista suficientemente abrangente de tipos possíveis, porque não há limite para o equívoco humano. Porém, algumas das mais famosas e recorrentes são obrigatórias em nosso estudo.

Qualquer pessoa pode cometer erros de argumentação, como parte do processo de ação e interação humanas. O que não pode acontecer é pessoas ficarem acostumadas com esses erros e, muito menos, fazer uso deles de uma forma sistemática e proposital. Esperamos que estes posts possam ajudar a chamar a atenção para alguns desses equívocos.


Sobre argumentos

De uma forma simples, um argumento lógico envolve um certo número de declarações (chamadas premissas) e uma última afirmação (chamada conclusão) que deve, necessariamente decorrer das premissas. Consideremos o conjunto de frases a seguir:

Exemplo 1

I - A ciência é feita por cientistas;
II - Alguns cientistas são materialistas; :.
III - A ciência é materialista.


A declaração I e II constituem premissas. A última sentença III pretende ser uma consequência lógica (dai o símbolo :.) das primeiras. No caso específico, as duas premissas são verdadeiras, enquanto que a conclusão é falsa. Isso é possível porque este argumento está errado do ponto de vista lógico (basta atentar para a presença do qualificativo 'alguns' em II que gera uma generalização incorreta). Mas, mesmo que o argumento estivesse correto, sua conclusão seria equivocada.


- clique para ampliar -


Não é difícil ver como opera o processo de geração de falhas de argumentação ou mesmo como podem aparecer conclusões equivocadas. O problema é que, mesmo se o argumento é válido (isto é, está correto do ponto de vista lógico), a conclusão que lhe segue pode não ser verdadeira (Fig. 1). Não é difícil ver a razão para isso, dado que se faça uso de premissas que sejam muito gerais ou que não descrevam completamente objetos a que se referem.

Exemplo 2

I - Cientistas são as pessoas mais indicadas para julgar cientificamente os fatos;
II - Eu não sou um cientistas; :.
III - Eu não sou a pessoa mais indicada para julgar cientificamente um fato;

Não há erro neste argumento. Certamente, poucos contestariam as premissas. Entretanto, ele está escrito em termos tão gerais que seu caráter de verdade é uma ilusão. O que se entende por um 'fato' que deva ser cientificamente julgado (em relação a que, qual teoria, qual visão de mundo etc)? E, uma vez realizado o julgamento, quem disse que, pelo fato dele ser ele científico será necessariamente mais verdadeiro do que qualquer outro julgamento que se fizer dele?

Na construção de erros de argumentação, tanto falhas no processo de inferência lógica como extrapolação no significado de termos estão envolvidos. Mas, há erros de argumentação tão claros que eles deixam de ter qualquer relação com a lógica. Quando isso acontece, eles se tornam falácias.


Tipos de falácia quanto a sua natureza.

Dentro do grupo de falácias não formais, pode-se ainda distinguir dois grupos (1):

1. Falácias de relevância: as premissas são logicamente irrelevantes para as conclusões;
2. Falácias de ambiguidade (ou de clareza): a construção do argumento envolve palavras que têm mais de um significado.

Em geral, falácias não formais pretendem convencer não por apelo à razão, mas à emoção. Frequentemente, ocorre um vínculo emotivo entre quem profere a falácia e sua audiência. Em qualquer que seja o caso, o leitor deve guardar bem o fato de que o instrumento que se faz uso numa falácia é emocional e não racional. Vamos inicialmente ver alguns exemplos, principalmente do primeiro tipo.


Falácias de relevância: argumentum ad baculum


Literalmente significa apelo à força. É o mesmo tipo de estratégia usada quando se pretende que uma ação seja executada, com a diferença de que a 'ação' é substituída pela aceitação de uma conclusão. Tivemos recentemente um comentário adicionado ao vídeo de Érico Bomfim tocando uma peça de Chopin recebida por Rosemary Brown (2):

"Pois é, depois que eles morrem regridem musicalmente, claro que você vai reter meu comentário, e se fizer isso, vou copiar seu vídeo numa conta qualquer e postar comentários".


Outro que podemos citar também na mesma linha (de novo, o uso da força jamais funcionará como premissa válida) foi o comentário de Dauro Mendes (3):

Se você apagar esses comentários eu escolherei os temas mais populares dos seu blog e publicarei neles, todos os dias, esses textos acima, todos eles!!! Mantenha publicado as minhas respostas aos seus equívocos, aprenda a ser correto!!!

Esses não não são bem argumentos, pois seus autores queriam que seus comentários não fossem retidos ou apagados. É mais uma ameaça - um apelo à emoção - na esperança de que o que sustentam tenha validade de alguma forma.

Em geral, quando não se tem argumentos convincentes do ponto de vista lógico ou se tem pressa em convencer, o argumento ad baculum é usado. Mas, mais pela primeira razão do que pela segunda, já que é trabalhoso e pouco eficiente, as vezes, tentar convencer seu opositor tão só pelo uso de argumentos. Isso é, por exemplo, o que a maioria dos pais fazem com as crianças, o que constitui um problema de educação. Idealmente, crianças deveriam aprender a arte argumentativa, mas, muita vezes, a paciência se esgota antes que qualquer outro recurso seja usado e pais acabam usando a força.

Dizem que a maior argumentação à força já feita na história da Ciência foi contra Galileu Galilei. O tribunal da Inquisição o fez negar suas teses do movimento da Terra sob ameaça de morte. Com outros, como no caso de Giordano Bruno, chegaram as vias de fato.

Continua no próximo post

Referências

(1) - Irving M. Copi (1978). Introdução à lógica. Editora Mestre Jou.
(2) - Ver comentário por "Berliozini" do vídeo http://www.youtube.com/watch?v=LU23pOwb2uY.
(3) No post 'Vácuo Quantico na obra de Chico Xavier'.

Fonte:
http://eradoespirito.blogspot.com.br/2013/11/crencas-ceticas-xxii-pequeno-manual-de.html



topo

 

Visitem o blog do autor:  Era do Espírito
- http://eradoespirito.blogspot.com.br


Leiam também de Ademir Xavier:

>   Algumas Considerações Oportunas Sobre a Relação Espiritismo-Ciência

>   Anomalias possíveis na psicologia de pacientes transplantados
>   Cartas Psicografadas - Pragmática e intenção em psicografias de Chico Xavier
>   O Cérebro e a Mente (uma conexão espiritual)
>   A colaboração Schubert-Rosemary Brown
>   Como se deve entender a relação entre o Espiritismo e a Ciência - Fundamentos
>   Considerações sobre a ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos espíritos
>   Considerações sobre as ideias de verdade e controvérsias em torno dos ensinos dos Espíritos
     - versão revisada

>   O conspiracionismo chega ao movimento espírita: a escalada de grupos dogmáticos
>   Crenças Céticas I - Introdução
>   Crenças Céticas II - Fundamentos do Ceticismo
>   Crenças Céticas III - Ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas IV Onde está fundamentada a autoridade da Ciência?
>   Crenças Céticas V - O caso Galileu e a fraude do movimento da Terra
>   Crenças Céticas VI - Noções populares de Ciência
>   Crenças Céticas VII - A vida além da vida e a necessidade de uma nova Ciência
>   Crenças Céticas VIII - Alfred Wegener e a fraude dos continentes flutuantes
>   Crenças Céticas IX - Como refutar qualquer coisa que você não gostar
>   Crenças Céticas X - Positivismo lógico e indutivismo: as duas bases do ceticismo dogmático
>   Crenças Céticas XI - A avestruz cética e o peru indutivista
>   Crenças Céticas XII - Tomando carona no ceticismo: Críticas ao 'Espiritismo' em Ateus.net
>   Crenças Céticas XIII: 'O Porvir e o Nada'
>   Crenças Céticas XIV - "Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias."
>   Crenças Céticas XV - Máquinas que pensam ?
>   Crenças Céticas XVI - O ceticismo dogmático como charlatanismo intelectual
>   Crenças Céticas XVII - Teoria das evidências fotográficas e de outros tipos
>   Crenças Céticas XVIII - O que o ceticismo dogmático produz de útil?
>   Crenças Céticas XIX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XX - Como refutar qualquer coisa
>   Crenças Céticas XXI: Será que o homem pousou na Lua?
>   Crenças Céticas XXII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (1)
>   Crenças Céticas XXIII - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (2)
>   Crenças Céticas XXIV - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (3)
>   Crenças Céticas XXV - Comentários à argumentação cética de um grande estudo em NDE
>   Crenças Céticas XXVI - Pequeno manual de falácias não formais com exemplos do ceticismo (4)  
>   Crenças Céticas XXVII - A Navalha de Ockham (e comentários sobre super-psi)
>   Crenças Céticas XIX: casos modernos e seus paralelos
>   Descrição da morte (por A. Jackson Davis)
>   Descrição de um acidente aéreo por um espírito
>   A Doutrina Espírita e as chamadas Ciências Ordinárias
>   As duas opções (por Michael Prescott)
>   O fenômeno das vozes eletrônicas
>   Fenomenologia das Visões do Leito de Morte: em direção a um consenso sobre a sobrevivência da alma
>   Fogo Selvagem, Alma Domada
>   Gêmeos que se lembram de vidas anteriores
>   A informação na Estruturação Inteligente do Universo
>   Os vivos e os mortos na sociedade medieval
>   Mais sobre super-psi
>   A mediunidade de Eugênia von der Leyen
>   A mediunidade de Fernando Ben
>   Mediumship and art: Psychic Painting
>   Mediumship and art: Florêncio Anton psychic paintings
>   Mudança de personalidades em transplantados cardíacos
>   A natureza do argumento espírita
>   On possible changes in the air state during TK: a theoretical framework for future investigations
>   Paisagem de Marte (sobre a visita a Marte em "Cartas de uma Morta")
>   Paradigmas e Ciência Espírita
>   O prisma de James: uma metáfora para entender a fonte verdadeira da consciência humana
>   O problema da interpretação das mensagens espíritas: as paisagens de Marte por M. J. de Deus na psicografia de F. C. Xavier
>   Problemas metodológicos na pesquisa da reencarnação: o caso Ruprecht Schulz
>   O Que a Genética e a Astrologia tem em Comum?
>   A questão da encarnação em diferentes mundos: um novo tipo de matéria?
>   Reflexões sobre o contexto de experiências de quase-morte: artigo de Michael Nahm (2011)
>   A resposta ao Paradoxo de Fermi
>   Ritos e Doutrina Espírita
>   S. José de Cupertino e a mediunidade de efeitos físicos
>   Sobre a existência dos Espíritos: diferença entre percepção e observação
>   Sobre a faculdade de cura (mediunidade curadora)
>   Sobre a faculdade de cura - II - Modelo simplificado para a relação espírito-corpo
>   Sobre a mente inconsciente e sua perspectiva espírita
>   Sobre a política na gerência e a gerência na política
>   Sobre teorias fenomenológicas e construtivas
>   SRT - Tese do Dr. Palmer sobre desobsessão baseado no trabalho de Frederic William Henry Myers
>   Uma interpretação espírita para o inconsciente
>   Uma tradução comentada de "Como a Parapsicologia poderia se tornar uma ciência" de P. Churchland
>   Vendo o invisível
>   William Bengston e a pesquisa de curas por imposição das mãos (passes de cura)

Ademir Xavier & Alexandre Fontes da Fonseca - Carlos Iglesia - moderador
>   Um diálogo fraterno sobre Ciência & Espiritismo


topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual