Espiritualidade e Sociedade



Gismair Martins Teixeira; Maria do Socorro Pereira Lima

>   O quadricentenário da morte de William Shakespeare e uma pergunta de Denizard Rivail

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Gismair Martins Teixeira; Maria do Socorro Pereira Lima
>   O quadricentenário da morte de William Shakespeare e uma pergunta de Denizard Rivail

 

>  texto disponível em pdf - clique aqui para acessar

 

(texto inicial)

 

1. Introdução

Em seu tratado acerca do imaginário, intitulado As estruturas antropológicas do imaginário, o pesquisador francês Gilbert Durand (2012, p.18) conceitua que o imaginário representaria “o conjunto das relações de imagens que constituem o capital pensado do
homo-sapiens”. Assim, o imaginário abrangeria praticamente todas as instâncias culturais da humanidade. Ainda conforme Durand (2012, p.25), a religião e a poesia, bem como por inferência a literatura em geral, guardam íntima correspondência entre si no âmbito do imaginário.

Surgido bibliograficamente a partir de 18 de abril de 1857, com a publicação de O livro dos espíritos, por Hippolyte Léon Denizard Rivail, sob o pseudônimo de Allan Kardec, o espiritismo possui um riquíssimo imaginário que desde o seu surgimento vem expandindo-se de forma exponencial em sua representatividade. Com pouco mais de século e meio de existência, a doutrina sistematizada por Kardec desenvolveu toda uma literatura, de diversos gêneros, representativa e compósita de seu conjunto de imagens.

No amplo espectro da literatura universal, e numa perspectiva cartográfica, nomes diversos e fundamentais compuseram peças literárias em que o imaginário espírita comparece em suas efabulações. Isto, após o surgimento do espiritismo na segunda metade
do século XIX. Todavia, o imaginário espírita poderia ter aparecido antes e de forma bastante delineada em algum grande autor pré-espiritista?

Este trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso que enfrenta essa questão com base no instigante diálogo entre duas perspectivas imaginárias distintas: a do imaginário dramatúrgico-literário e a do imaginário espírita. Como representante do primeiro grupo, tomaremos a peça Hamlet, de William Shakespeare, cujo quarto centenário de morte transcorre no ano de 2016; como representatividade do segundo grupo, será recortada uma interrogação de Allan Kardec, constante de O livro dos espíritos (1995), obra
composta de pouco mais de mil perguntas dirigidas aos espíritos sobre os mais variados temas.

O dialogismo entre a citada peça shakespeariana e o paradigma espírita constituirá, assim, a problemática de que passaremos a tratar neste estudo, cujo objetivo é o de apresentar uma contribuição aos imaginários da religiosidade e da literatura, explorando no âmbito da metodologia da pesquisa qualitativa (SEVERINO, 2016, p.125) um campo ainda bastante amplo de possibilidades investigativas, representado pelo diálogo espírita-literário.


>  continue a ler - texto disponível em pdf - clique aqui para acessar

 

Gismair Martins Teixeira
Doutor em Letras e Linguística pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. Professor do
Centro de Estudo e Pesquisa Ciranda da Arte da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte de Goiás.
http://cirandadaarte.com.br/portal/


Maria do Socorro Pereira Lima
Mestranda em Performances Culturais pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de
Goiás; graduada em Licenciatura em Artes Visuais pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de
Goiás; graduada em Comunicação Social, Habilitação em Relações Públicas pela Faculdade de Informação e
Comunicação da Universidade Federal de Goiás.

 

Fonte: 2° Simpósio Internacional de História das Religiões / XV Simpósio Nacional de História das Religiões - ABHR 2016
- http://www.simposio.abhr.org.br/resources/anais/6/1471443969_ARQUIVO_OquadricentenariodamortedeWilliamShakespeareeumaperguntadeDenizardRivail.pdf

 

Leia também de Gismair Martins Teixeira:


>  Chico Xavier, Divaldo Franco e Goiânia
>  Os 106 anos do nascimento de Chico Xavier
>  O Espiritismo e a Mulher de Preto
>  O espiritismo e o bicentenário de Dickens
>  O Etos Psicoterapêutico espírita no romance A Mulher que escreveu a Bíblia, de Moacyr Scliar
>  As faces literárias de um goiano de coração: A trajetória cultural de Emídio Brasileiro
>  Freud, o mosaico de citações e “O Livro dos Espíritos
>  Hipátia, a cinebiografia e a materialização de uma alma
>  O Intertexto Mediúnico de uma Dissertação de Mestrado e a Discursividade Espírita
>  Joana de Ângelis, o imaginário espírita e os versos de Goethe    
>  Kardec e a gênese do imaginário espírita
>  Léon Denis e a reencarnação das fontes bíblicas
>  O paraíso sob um novo olhar
>  O Relógio Belisário, de José J. Veiga e o Imaginário Espírita
>  Um gênio no laboratório de Kardec - John Milton
>  Uma alegoria evangélica sobre a missão de Kardec

 

Gismair Martins Teixeira; Maria do Socorro Pereira Lima:

>  O quadricentenário da morte de William Shakespeare e uma pergunta de Denizard Rivail

 

 



topo

 

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual