Paulo da Silva Neto Sobrinho

>    Moisés – primeiro inquisidor

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Paulo da Silva Neto Sobrinho
>    Moisés – primeiro inquisidor



12/2006

 

Moisés – primeiro inquisidor

Sempre quando ouvimos falar em inquisição, lembramo-nos da criada pelo Concílio de Verona, em 1183, pela qual se iniciaram os vergonhosos atos praticados pelos católicos contra os que não comungavam a sua crença, e que se tornou prática comum contra os hereges. Aliás, ainda têm o disparate de dizer “Santa Inquisição”, embora, com os requintados métodos de tortura usados pelos “homens de Deus”, certamente, causaria inveja até ao próprio “satanás”. Mas, muito antes disso, um homem tido como profeta de Javé já havia instituído o “ou crê ou morre”, como forma de impor suas idéias a um povo. Obviamente, como todos que agem assim, sempre dizem que, com tais práticas, estão agindo em nome da divindade.

Quem possui um espírito investigativo, livre de preconceitos e dogmas, perceberá que, baseando-se em registros históricos, o primeiro inquisidor foi Moisés, embora isso possa parecer estranho; mas é a mais pura verdade, mesmo que ele não tenha usado os “recursos” da inquisição, iniciada no século XII e que se estendeu até ao século XVIII.

A primeira vez que Moisés usou métodos ortodoxos contra seu povo para lhe impor suas “verdades” foi quando, após demorar quarenta dias e quarenta noites no Monte Sinai, o povo hebreu resolveu construir um bezerro de ouro (Ex 32,1-6). Para quem dizia acreditar num Deus único, houve uma mudança de idéia muito rapidamente. Mas o que se percebe desse episódio é que houve um retorno às práticas religiosas utilizadas no Egito, quando adoravam o deus Ápis, que era representado por um touro. O que fez Moisés diante dessa atitude? Manda triturar e moer tal bezerro de ouro, cujo pó coloca na água, obrigando o povo a beber dela (Ex 32,20). Depois disso, dizendo-se porta-voz de Javé (Ex 32,27), manda matar três mil homens (Ex 32,28), esquecendo-se de que, debaixo dos seus braços, ainda trazia as tábuas com o Decálogo, no qual havia o “não matarás”.

Interessante é que, quando da instituição de suas leis, “os Dez Mandamentos”, Deus não estabeleceu nenhuma pena de morte para quem não os praticassem; apenas abençoava ou amaldiçoava os que, respectivamente, os seguissem ou não (Lv 26,3-13; 14-45; Dt 11,26-28). As maldições eram castigos relacionados às coisas ruins que aconteceriam em relação aos atos de sua vida cotidiana. Não sendo tão rigoroso quanto dizem, recomendou práticas religiosas - sacrifícios de animais imolados em holocausto -, para os que viessem a descumpri-los, especificando aquelas que deveriam ser feitas pelo sacerdote, pela comunidade, pelo chefe, pelo homem comum, demonstrando os níveis de responsabilidade de cada um desses infratores (Lv 4,1; 3-4; 13-15; 22-24; 27-29).

Ora, o que é para nós um fato indiscutível é que Deus não muda de opinião (Ml 3,6); assim, qualquer atitude neste sentido, só poderá vir dos homens que atribuíram a Ele coisas que, na verdade, são suas. Portanto, se Ele havia instituído o “não matarás”, jamais poderá mudar de atitude. Diante disso, então, poderemos ver que Moisés foi o primeiro inquisidor, ao impor a ferro e fogo suas verdades, usando um método convincente de persuasão: a pena de morte. Em sua legislação passou a vigorar tal pena máxima, para os seguintes atos: para quem ferisse uma pessoa e lhe causasse a morte (Ex 21,12; Lv 24,17), para quem ferisse o seu pai ou a sua mãe (Ex 21,15) ou quem os amaldiçoassem (Ex 21,17, Lv 20,9), para o seqüestrador (Ex 21,16), para os que trabalhassem no sábado (Ex 31,15; 35,2), para os adúlteros (Lv 20,10), para quem blasfemasse contra o nome de Javé (Lv 24,16) e para quem oferecesse sacrifícios a outros deuses (Ex 22,19 combinado com Lv 27,29).

Mesmo diante dessas evidentes atitudes pessoais por parte de Moisés, ainda há indivíduos que atribuem tudo isso como se fosse de Deus. O que será que acontece? Será que abdicaram de sua capacidade de raciocinar? Não percebem que, por conta dessa maneira de pensar, acabam por amesquinhar a Deus? Até quando iremos ver pessoas assim?... Só mesmo apelando para Jesus que certamente diria: “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem” (Lc 23,34).

Fonte: http://www.apologiaespirita.org


topo

 

 

Visitem o site do autor - Paulo da Silva Neto Sobrinho
http://www.paulosnetos.net

 

Leiam outros artigos do autor

Paulo da Silva Neto Sobrinho

>  Afinal de contas, Deus perdoa?
>  Ajustes aos dogmas
>  A aparição de Jesus depois da morte
>  A Arca de Noé
>  A aura e os chacras no Espiritismo
>  Bodas de Caná, o casamento de Jesus?
>  As cartas de Paulo sobre os homossexuais
>  A Ciência desmente o Espiritismo?
>  A comunicação entre os dois planos
>  Comunicação com os mortos
>  O Consolador veio no Pentecostes?
>  Contra os Desafios sobre provas da vida após morte
>  O Controle Universal do Ensino dos Espíritos - CUEE, ainda vale?
>  A Conversa de Jesus com Nicodemos
>  O corpo de Jesus ressuscitado
>  Corpo físico e Espírito: qual é o mais importante
>  Corpos incorruptos
>  Os 10 mandamentos
>  Deus proibiu evocar-se os mortos?
>  Diante da Morte
>  E aconteceu no Sinai
>  Ecos do Passado - O paganismo no cristianismo
>  EQM: Prova da Sobrevivência da alma
>  E quanto ao Espírito não Sabes donde Vem
>  Espíritas abraçando a fé cega
>  Espírito de Pessoa Viva ao se manifestar conseguiria mudar de aparência?
>  Espírito de Verdade, quem seria ele?
>  Espíritos e médiuns não são infalíveis
>  Espíritos em Prisão
>  Os espíritos se comunicam na Igreja Católica
>  Os Espíritos Superiores e o livre-arbítrio
>  Evocar os espíritos: Moisés ou Kardec?
>  Os excluídos
>  Evolucionismo e Criacionismo
>  Os fatos provam a reencarnação
>  Flávio Josefo cita Jesus?
>  Freud no divã
>  A Gravidez de Espíritos
>  Homossexualidade na Visão Espírita
>  Imortalidade da Alma e a Bíblia
>  Incorporação por Espíritos
>  Inferno ou Purgatório?
>  Influência dos Espíritos em nossas vidas
>  Inspiração dos textos bíblicos
>  A irresponsável discriminação contra os homossexuais
>  Jesus é o Espírito de Verdade
>  Jesus ficava calado?
>  Jesus não é o Espírito da Verdade
>  Jesus pode ser considerado Deus?
>  Jesus teve ou não Irmãos?
>  Jesus veio cumprir a lei?
>  João Batista é mesmo o Elias?
>  Josefo, os fariseus e a reencarnação
>  Kardec não antecipou Darwin
>  Kardec reencarnou-se como Chico?
>  Manifestação de Espírito no Congresso Nacional
>  Manifestação de Espírito de pessoa viva: é possível em estado de vigília?
>  Mar Vermelho na “Arqueologia” de Ron Wyatt
>  Mas os mortos não estão proibidos de evocar os vivos
>  O Mau-Olhado na Ótica Espírita
>  Mediunidade de Incorporação
>  Mediunidade no tempo de Jesus
>  Mediunidade - percepção da Psique humana : proposição de um novo conceito para a mediunidade
>  A Memória Genética não explica a reencarnação
>  Os milagres existem?
>  Moisés – primeiro inquisidor
>  Os mortos estariam dormindo?
>  A mulher na Bíblia
>  Nada é definitivo nas obras básicas
>  Neurocirurgião muda de opinião após vivenciar uma EQM
>  Os nomes dos títulos dos Evangelhos designam seus autores?
>  Para entender o Espiritismo - Resposta ao “parapsicatólico”
>  O Papel dos Médiuns na Comunicação
>  Pedro, tu és Papa?
>  Perdão, punição, redenção, crença ou reencarnação?
>  O perispírito não é fluido vital
>  Possessão: há a posse física do encarnado?
>  Preexistência do Espírito
>  A profecia sobre a volta de Elias se realizou?
>  As provas da sobrevivência do espírito
>  Quais são as Obras Básicas?
>  Qual a primeira obra espírita que deve ser lida?
>  Os quatro Evangelhos de Roustaing
>  Quem era o discípulo a quem Jesus amava?
>  A Questão do Bom ladrão
>  Racismo em Kardec?
>  A reclamação de um defunto
>  Reencarnação - Bibliografia
>  Reencarnação, a prova definitiva
>  Reencarnação e as pesquisas científicas
>  Reencarnação e a evolução humana
>  Reencarnação e o inconsciente coletivo
>  A Reencarnação é um dogma dos espíritas?
>  Reencarnação no Concílio de Constantinopla - (Orígenes x Império Bizantino)
>  Reencarnação no contexto histórico
>  Reencarnação no Evangelho, A
>  Reencarnação no Pentateuco
>  Reencarnação x ressurreição física e penas eternas
>  Religião Espírita: é o que, de fato, é o Espiritismo
>  Ressurreição da Carne?
>  Ressurreição, o significado bíblico
>  Ressurreição ou Reencarnação?
>  Reunião de doutrinação (esclarecimento) de espíritos foi recomendada na codificação?
>  Reuniões mediúnicas de desobsessão (doutrinação ou esclarecimento de Espíritos)
>  Satanás – ser ou não ser, eis a questão
>  Segredos da supermemória
>  Será que os profetas previram a vinda de Jesus?
>  Será que Saul conversou com Samuel-espírito?
>  Sinal combinado para confirmar contato com os mortos
>  Só a reencarnação para explicar
>  Somente Espíritos Superiores trazem-nos novas instruções?
>  Sudário: relíquia verdadeira ou falsificação medieval
>  Teodora e as 500 prostitutas
>  Terrorismo Religioso
>  Todos nós somos médiuns
>  Torre de Babel: o carro na frente dos bois
>  Tradutor, traidor
>  Trindade - o “mistério” criado por um leigo, anuído pelos teólogos
>  A vida do espírito é só no corpo físico?

Leiam também de Paulo da Silva Neto Sobrinho, em co-autoria

Silva Neto Sobrinho, Paulo da & Silva, Vladimir Vitoriano da

 >  Deuteronômio – lei divina ou mosaica?

 
Visitem o site de Paulo da Silva Neto Sobrinho


 >>>   http://www.paulosnetos.net