Espiritualidade e Sociedade



André Luís N. Soares

>        Algumas considerações sobre o Livre arbítrio

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

André Luís N. Soares
>        Algumas considerações sobre o Livre arbítrio


Comumente define-se livre arbítrio como a faculdade de podermos livremente escolher nossas decisões. Acredito existir um grande problema com este conceito, ao menos para quem defende a existência de alguma liberdade de escolha inerente à pessoa, pois, de fato, sofremos constantemente a influência de vários fatores causais, logo, escolhas livres só poderiam existir, sob um olhar lógico, quando, independente da direção que aqueles fatores nos compelem, fossemos antes decidir no mesmo sentido que eles.

Em via de regra, concebendo o livre-arbítrio nos termos acima, vê-se que ele é hostilizado pela falsa impressão dada à doutrina do determinismo, entendida, por vezes, em implicar que nossas ações são inteiramente dependentes – quando são apenas influenciadas ou predispostas – da composição biológica e de fatores ambientais evolucionariamente vantajosos, a exemplo de padrões culturais que poderiam modular os genes.

Exemplificando o determinismo

O Geneticismo


O Geneticismo é a escola de pensamento que entende que todas as características humanas são geneticamente determinadas. O termo freqüentemente tem sido usado para descrever a posição daqueles que colocam excessiva importância sobre o papel dos fatores genéticos nos processos psicológicos (D S Falconer, An Introduction to Quantitative Genetics - New York, 1960).

Peguemos a ocorrência da esquizofrenia. “No caso de um dos pais sofrer de esquizofrenia, a prevalência da doença nos descendentes diretos é de 12%. (...) Na situação em que ambos os pais se encontram atingidos pela doença, esse valor sobe para 40%" (Kaplan, Harnold; Sadock, Benjamin, Compêndio de Psiquiatria, Porto Alegre, Editora Artes Médicas, 1990). Poderíamos então dizer, antecipadamente, que um filho de pais esquizofrênicos terá 40% de chances de ser apático, sem iniciativa e anti-social, eis que essas são características da personalidade do acometido por tal enfermidade mental

Responder afirmativamente é levar o geneticismo a um nível de “fatalismo bio-psicológico”, fulminando nossa liberdade de decidir quem queremos ser, quando na verdade, a correlação entre genótipos e comportamentos pulsionais justifica apenas uma predisposição individual, sendo certo que os comportamentos inatos podem ser cultural ou autoreflexivamente mitigados, anulados e, quando patológicos, tratados por opção, inclusive, pela psicoterapia; logo, o Geneticismo não pode ser causa suficiente para determinar as matizes da personalidade humana.

Determinismo físico-ambiental

Um outro determinismo fisicalista foi o revelado por Alvaro Pascual-Leone, professor de neurologia na Harvard Medical School. Através de um experimento que consistia em estimular, por campos magnéticos, os hemisférios cerebrais, o pesquisador descobriu que as escolhas casuais feitas pelos sujeitos, para mexer uma das mãos, eram diretamente afetadas. Foi observado que destros, quando submetidos a campos magnéticos no hemisfério cerebral direito (responsável pelo movimento do lado esquerdo do corpo) passariam a escolher mexer a mão esquerda o dobro das vezes em comparação a ausência da influência magnética.

Determinismo social

Pode-se ainda citar o determinismo social proveniente da culturação, criação, educação e meio social a que está submetido o indivíduo. Todos esses fatores são influentes na arquitetura psicológica da pessoa, mas não absolutamente decisivos para prever o atuar de alguém, asssim nem sempre alguém emerso em um ambiente favorável ao crime cometerá delitos, nem um membro de família evangélica será obrigatoriamente teísta, e assim por diante.

Redesenhando os conceitos

Compatibilistas entre livre-arbítrio e determinismo alegam acertadamente que os fatores físicos ditos deterministas não são absolutos, mas apenas influentes nas decisões tomadas por alguém. O grau de influência (ou força compulsiva) varia de acordo com a natureza de cada fator e com a quantidade de informação conhecida pelo indivíduo. Assim, acometidos de transtorno obsessivo-compulsivo ou de síndrome de Tourette parecem estar mais compelidos a certos comportamentos repetitivos e involuntários do que sujeitos sãos. Entretanto, o conhecimento próprio da doença pode ser o primeiro passo para refrear os atos compulsivos ou os tiques, isto é, autodeterminar-se de maneira diversa. É quando a informação pode abrir possibilidades contrárias ao comportamento esperado pela influência física. E mais. Um sujeito que conhece o experimento de Pascual-Leone, ao ser submetido à mesma experiência, pode teimosamente levantar 100% das vezes a mão direita, não obstante seja o hemisfério direito do cérebro aquele que recebe a influência de um campo magnético.

O ponto que pretendo chegar é que, em termos práticos, livre-arbítrio não é a liberdade de todos os fatores causais. Muito pelo contrário. É estar submetido cada vez mais a uma gama de relações causativas, eis que do choque de fatores determinísticos novas possibilidades são emersas, logo, novas opções a escolher. Por suposto, não discuto que muito do que escolhemos e somos provém da influência do corpo sobre a mente, quando, freqüentemente, não temos quase nenhum poder de decisão. Todavia, isso não implica que o determinismo seja irrestrito, transformando-nos em seres autômatos, com comportamentos indistinguíveis de ações maquinais. Então, realmente penso que nossa capacidade de autodeterminação permanece vigente, embora limitada pelas influências causais sobre nosso “Eu” e de nossa adaptação a elas; e em virtude de nossa ignorância a respeito dos fatores influentes. Por conseguinte, sou forçado a concordar que “quanto mais aprendemos, mais ampla experiência obtemos, mais lógico nos tornamos, mais conhecemos a nós mesmos e a história, mais a nossa ciência avança, portanto, maior a extensão da verdadeira liberdade humana” (Carter, Chris. Parapsychology and the Skeptics: A Scientific Argument for the Existence of ESP, 2007).

Livre-arbítrio e Mecânica Quântica

A interpretação de John von Neumann exige que a consciência seja a única responsável pelo colapso de função de onda, pois, segundo o célebre matemático, todo o mundo físico está estabelecido dentro das leis da mecânica quântica (MQ), logo, é necessário algo não-físico, não submetido às regras da MQ para que a superposição de estados de um sistema quântico evolua a um estado fundamental (uma realidade perceptível). A consciência do observador parece ser a única entidade que podemos presumir. Esta posição respalda fortemente o dualismo, quanto ao problema mente-cérebro; portanto, se algo como a consciência pode subsistir independente de meios físicos, todos os exemplos de determinismos fisicalistas podem estar prejudicados quando cessada a interação mente-cérebro. Entretanto, embora a abordagem de von Neumann coloque a consciência em primeiro plano dentro da ontologia, o autor não alega que a intenção do observador possa orientar o colapso para um estado específico, assim, embora a consciência seja necessária para a convergência da superposição de estados, isso não significa que não haja aleatoriedade, e por sua vez, indeterminismo. O problema com este detalhe é que somos constrangidos a entender que não há espaço para o livre arbítrio, vez que do ato de observar poderemos fazer colapsar estados (realidades) fortuitos, não desejados ou escolhidos por nós. Como resposta a isso, pode-se dizer confiantemente que existem robustas evidências da Parapsicologia que a consciência, além de ter poder causal, é também capaz de definir o resultado final de um sistema físico (quântico) aleatório, como nos experimentos de psicocinese em RNGs, por conseguinte, a intenção passa a ser um atributo perceptível da consciência, e assim hábil a evidenciar escolhas e decisões por nós próprios.

Decisões de baixo nível

O falecido cientista e pioneiro na pesquisa sobre a consciência humana, Benjamin Libet, apresentou um experimento controverso que indicava que atividade elétrica no cérebro (potencial de prontidão) precedia a decisão consciente para a execução de um movimento espontâneo, suportando o entendimento que processos neurais inconscientes antecedem e potencialmente causam atos voluntários que são retrospectivamente sentidos serem conscientemente estimulados pelo sujeito.

Na experiência, um sujeito observava um ponto em movimento circular num osciloscópio. Foi-lhe pedido para gravar a posição do ponto no momento que tivesse ciência do desejo de pressionar um botão. Ao apertá-lo, uma segunda posição do ponto era registrada, assim era possível calcular o tempo mediado entre a ciência do desejo e a ação efetivada que foi, em média, de 1/5 de segundo. De outro lado, em todo o experimento os sujeitos eram monitorados por aparelhos EEGs os quais registraram atividade elétrica envolvida no movimento dos dedos cerca de 1/2 segundo antes deles serem movimentados, logo, perto de 1/3 de segundo antes do sujeito conscientemente decidir apertar o botão.

Assim, alguns materialistas reivindicam que o livre-arbítrio não passa de uma ilusão. Aduzem que temos apenas uma sensação retrospectiva de tomada de decisão, quando, na realidade, toda a ação fora antes iniciada inconscientemente. Meio que na contramão, Libet traz a noção de livre veto como forma de salvaguardar alguma chance de autodeterminação. O pesquisador sustenta que o veto é uma atividade de controle e que não existe nenhum imperativo lógico que requeira uma atividade neural específica que preceda e determine a função consciente de controle (Do We Have Free Will?. Journal Consciousness Studies, 6, nº 8-9, p. 47-57, 1999). Desta forma, embora o início da ação ocorra inconscientemente, podemos vetar a perpetuação do ato, ou até mesmo sua manifestação dentro do estreito 1/5 de segundo que medeia entre a conscientização do movimento e o agir. Ou melhor, menos de 1/5 de segundo, eis que os 50 milisegundos finais estão ocupados pela ativação do neurônio motor espinhal através do córtex motor primário.

Até aqui se poderia pensar (a) que o livre-arbítrio é logicamente inviável, pois todo o conceito de volição está adstrito a escolhas conscientes, (b) e que remanesce à consciência apenas a decisão de vetar.

Não obstante, existem relevantes objeções. A primeira é que para tomarmos uma decisão devemos sopesar diferentes argumentos, baseando-nos em nosso conhecimento e experiências anteriores os quais são relacionados com memórias episódicas. O experimento de Libet, requerendo apenas o movimento de dedos, envolve somente memória de procedimento, portanto, ato que não necessita de nenhuma decisão moralizada [ver Wikipedia]. A segunda é que a espera para pressionar um botão, no momento escolhido, é um processo bem aleatório e indeterminado, uma decisão de baixo-nível de complexidade, ao contrário de importantes decisões em que devemos colher informações e refletir, antecipadamente, sobre as variadas possibilidades e implicações das opções envolvidas [Carter, idem]. Realmente tais contra-argumentações são sedutoras e, independente do argumento sobre a liberdade de vetar, penso que os experimentos deste falecido pesquisador não afetam a gama de decisões superiores que requerem informação, experiência pessoal e raciocínio antecipatório.

Estados Alterados de Consciência, Percepção Extra-Sensorial e Livre Arbítrio

Durante estados alterados de consciência (EAC) passamos por experiências que parecem ocorrer à revelia de nossas intenções. Nos sonhos, por exemplo, temos pouquíssima influência sobre a direção que o drama se desenlaça. O mesmo se pode dizer para experiências com psicodélicos, estados hipnóticos, sonambúlicos e as visões que vêm em nosso imaginário durante sessões ganzfeld. Em EACs nossa consciência de vigília fica turvada, experimentamos vivências criadas pela nossa mente e, talvez (como penso ser), compartilhamos ocasionalmente tais experiências com outras mentes, a rigor pelo que se convencionou chamar de telepatia.

Conseqüentemente, enquanto vigentes os estados alterados, nossa consciência (ou Eu-supraliminar, num vocabulário “Myersiano”) parece bastante inábil a exercer qualquer escolha. Poderíamos dizer que há uma redução tanto da capacidade de autodeterminação quanto de vetar impulsos automáticos. Seja como for, dada a evidência experimental e anedótica para percepção extra-sensorial (PES), nem sempre tais automatismos são criações subjetivas do inconsciente. Existem evidências muito suasórias que durante EACs acessamos informações verídicas por canais não-periféricos, logo, haveria um automatismo sensorial capaz de produzir, nas palavras de Myers, quase-percepções, sob as formas mais comuns de visões e sons alucinatórios oriundos das camadas mais interiores da personalidade, dirigidos por um Eu-subliminar, como se ele mandasse um recado à camada mais exterior, à nossa consciência de vigília. Tais alucinações seriam sensoriais, porque elas representariam acontecimentos verídicos, a exemplo dos casos de clarividência e aparições. Por outro lado, quanto à origem, a fonte delas exige um vocabulário mais fiel à sua alta capacidade criativa, organizacional e teleológica, assim, reputo o termo “Eu-subliminar” mais coerente a que simplesmente “inconsciente”, uma vez que o último já carrega uma certa imagem de repositório passivo de experiências, enquanto o primeiro parece expressar o dinamismo requerido pela idéia exposta.

Quanto ao tema PES, tem ele relevância direta sobre o problema do livre-arbítrio, uma vez que estabelece mais uma forma de determinismo dentro da ontologia. Tanto é assim, que uma das resistências psicológicas a habilidades psíquicas é a possibilidade de existir algo como impressão telepática, quer dizer, a hipótese de alguém ser capaz de influenciar mentalmente as decisões alheias lança um terrorismo psíquico digno de ser temido por toda a sociedade ocidental a qual culturalmente valoriza o controle. Em menor grau, mas igualmente terrificador, estão algumas formas de automatismo capazes de lançar as premissas de um “único Eu no comando” para longe, a espelho dos diversos casos de distúrbios dissociativos de identidade e de possessão. Mesmo a hipnose já foi tema constante do chocante Expressionismo, tanto é assim que o filme alemão (1920), “O Gabinete do Dr. Caligari”, retrata um diabólico doutor que hipnotizava um rapaz (César) e o mandava executar diversos assassinatos.


Conclusão


A par das linhas acima, tenho a resumir que:

1. “livre” arbítrio não deve significar escolhas imunes a quaisquer fatores causais, mas antes a possibilidade de contra-atuar perante influências inatas ou externas, ou escolher, no concurso de causas determinísticas, para qual delas seguir.

2. antes de tudo, o ato de decidir pressupõe a experiência e a informação necessárias para clarificar, antecipadamente, as conseqüências de cada opção.

3. por se exigir experiências pessoais, o livre arbítrio está vinculado a memórias episódicas, logo, os experimentos de Libet não devem ser imaginados afetar decisões de alto-nível.

4. a possibilidade do dualismo abre chance de decisões realmente livres de influências físicas, quando cessada a interação mente-cérebro (desde que a teoria da transmissão da consciência prevaleça sobre a da produção).

5. Todo conceito de livre arbítrio está preso a decisões efetuadas pela consciência de vigília, portanto, durante EACs, menor será nossa capacidade de refletir, pois nossa consciência turva-se, como se nosso Eu-supraliminar sofresse uma refração crescente à medida que se aprofundasse nas camadas mais inferiores da personalidade.

6. a desejada existência de um inexorável controle do “Eu de vigília” é vergastada por casos de possessão e distúrbios dissociativos de identidade, automatismos motor (inclusive a psicocinese em casos poltergeists) e sensorial, e pela chance da percepção extra-sensorial, algumas vezes, ter origem no emissor.

Fonte: http://parapsi.blogspot.com/2009/01/algumas-consideraes-sobre-o-livre.html


topo

 

Vejam do mesmo autor:

André Luís N. Soares

->  Alguns casos de reencarnação pesquisados pela Dra. Pasricha
->  Algumas considerações sobre o Livre arbítrio
->  Consequências da descrença na reencarnação e na vida após a morte
->  Continuamos Vivos: Mente Além ou Aquém do Cérebro?
->  Estamos Vivos: uma re-análise de 16 casos psicográficos
->  Experiências Extracorpóreas em EQMs: Resgatando o Conceito Clássico
->  Florence: uma Análise dos Incidentes Volckman e George Sitwell
->  Leonora Piper (1857-1950)
->  A “Navalha de Occam” e o Paradigma Espírita
->  A "Navalha de Occam" e a Simplicidade da Teoria da Sobrevivência
->  As personalidades controles ou guias espirituais dos médiuns espiritualistas