Espiritualidade e Sociedade



Benedito Inácio Silveira

>    A intolerância

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Benedito Inácio Silveira
>    A intolerância

 

Provavelmente este termo, sempre desprezado, teima em persistir na mentalidade humana. Mas, para os que tentarem negar, basta um olhar hoje no Oriente Médio para perceber que a intolerância está em franco processo de proliferação de um determinado ponto, para o resto do mundo.

Deste modo, aparece o etnocentrismo disfarçado, e isso diz respeito à aplicação da força para provar a necessidade do poder “soberano”.

Assim, como uma reação em cadeia, esse fato gera o sintoma de revolta entre as pessoas, no qual umas pela busca da supremacia, outras pelo não entendimento do processo e umas pela omissão, ou seja, como a dicotomia inseparável dos humanos, como diria Nietzsche, demasiadamente humanos.

Nos estudos realizados por Michel Foucault em 1976 no Collège de France, no qual procura chegar na origem do que se conhecia como racismo na Alemanha nazista, levando-o a concluir sobre o biopoder, ou seja, que tudo gira entorno da dissimulação para demonstrar a necessidade de um líder capaz de manter a ameaça distante.

Portanto deve-se entender aqui, em contexto dissimulado, a prática eugênica que continua sendo a forma mais eficaz de destacar líderes capazes de manter as forças do mal sob controle.

A eugenia é praticada desde a Antiguidade e estabelece três posições que podem ser claramente notadas.

Uma daquelas pessoas que se revoltam pelas atrocidades, outras que não a percebem e daquelas que, mesmo percebendo, não se posicionam e preferem a neutralidade.

Dentro destas três condições humanas, segundo Hannah Arendt, é a última que demonstra o maior contexto de crueldade.

É claro que esses dois pensadores vivenciaram as atrocidades nazistas dentro do contexto do “esforço de guerra” e assim puderam analisar os fatos e o gatilho que detonou o estado de ódio naquele momento.

O que se quer deixar claro que a ação dos líderes israelenses se dá por uma ação política e não de eminente perigo, mas será que os danos sofridos por este povo, justificam toda a demonstração de seu poderio militar e, com isso, ceifar centenas de vidas?

Claro que a posição aqui é de total repúdio a esta prática e certamente, não será relevante. Porém, é necessário se posicionar, mesmo sabendo que será ignorado, ou ainda, taxado de ignorante nos assuntos do Oriente Médio, entretanto, nada justifica o uso da força, afinal, para que serve a racionalidade humana? Para fabricar armas de destruição em massa mais eficazes?

Mas por que alguém distante de tudo o que acontece lá quer se posicionar? Ou melhor, o que isso tem a ver com seu derredor?

Primeiro que, como humanista, não se pensa em um único homem, num único grupo, mas em toda humanidade. Segundo é que, desta coisa facilmente percebida no mundo inteiro, outras tantas coisas acontecem sem o mesmo enfoque.

Recentemente Henrique Afonso (AC) e Luiz Bassuma (BA) tiveram que apresentar, em novembro último, suas defesas à Comissão de Ética do partido dos trabalhadores, pelo processo a que respondem por serem contra a legalização da interrupção da gravidez indesejada.

Isso revela que está faltando determinada informação enquanto outras são amplamente veiculadas nas mídias.

Outros assuntos, relativos a Bioética, estão por merecer maior difusão, entretanto se percebe a clara recusa em se querer divulgar esse tema multidisciplinar que surgiu nos anos de 1970 dado aos grandes “avanços” nas áreas da biologia, mais especificamente, na engenharia genética.

E então, quer dialogar?

 

Fonte: http://educacionista.ning.com/profile/BeneditoInacioSilveira

 


topo