Espiritualidade e Sociedade



Cintia Alves da Silva

>     As cartas de Chico Xavier: uma análise semiótica

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Cintia Alves da Silva
>     As cartas de Chico Xavier: uma análise semiótica

 

- tese disponível em pdf - clique aqui para acessar -



Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras – Unesp/Araraquara
– como requisito para obtenção do título de Mestre em Linguística e Língua Portuguesa.

Linha de pesquisa: Estrutura, organização e funcionamento discursivos e textuais

Orientador: Prof. Dr. Jean Cristtus Portela

RESUMO

Este estudo tem como objetivo compreender os processos de construção do éthos, concebido enquanto “imagem” ou “identidade” do enunciador, nas cartas familiares escritas por Chico Xavier e atribuídas a “autores espirituais”, sob a perspectiva da Semiótica greimasiana. Por meio da análise das cartas psicografadas, pretende-se demonstrar como a sua configuração semiótica (enunciva e enunciativa) permite caracterizá-las como um tipo de texto em particular, diferenciando-o dos textos epistolares “típicos”.

O córpus analisado é composto de dez cartas psicografadas publicadas entre os anos de 1973 e 1980 e atribuídas a três autores: Augusto César Netto, Jair Presente e Laurinho Basile.

Entre os conceitos que orientam as análises estão os de práticas semióticas, contrato fiduciário, presença e as relações entre éthos e estilo. O percurso analítico deste estudo inicia-se pela definição da carta como objeto semiótico. Para isso, foram adotadas as contribuições de Jacques Fontanille, na aplicação de uma hierarquia de níveis de pertinência semiótica. Essa hierarquia permitiu a delimitação do percurso da carta psicográfica, desde a sua prática geradora até a sua inscrição em outros objetos-suporte.

As noções de práxis enunciativa, práticas semióticas e gênero auxiliaram a caracterização do gênero epistolar psicográfico, enquanto objeto produzido no interior da prática psicográfica epistolar. A sua articulação com a prática de edição, em um nível estratégico, revelou-nos de que maneira a intervenção do editor resulta na ressignificação do texto, inserindo-o, assim, no âmbito editorial.

Após a análise do córpus, foi possível constatar que o texto epistolar psicográfico é caracterizado por um éthos dual e ambíguo, coerente com os valores que permeiam a prática da psicografia epistolar.


Sinopse

O objetivo central deste livro foi tentar compreender, com auxílio de métodos semióticos, o processo de construção das autorias espirituais nas cartas "familiares" ou "consoladoras" escritas - ou psicografadas - pelo médium Chico Xavier. A autora procura detectar sinais de coerência nessas autorias ao longo do tempo, e em que medida elas apresentam marcas de autonomia ou individualidade que permitam distingui-las umas das outras.

Os textos analisados são compostos de dez cartas psicografadas publicadas entre 1973 e 1980 e atribuídas a três autores: Augusto César Netto, Jair Presente e Laurinho Basile. Como pano de fundo, a autora põe em xeque uma ideia bastante comum entre os espíritas adeptos de Xavier, a de que a escrita do médium seria tão fiel ao estilo dos espíritos por ele psicografados que se poderia até reconhecer as expressões e formatos verbais que eles supostamente utilizavam em vida.

O trabalho também buscou caracterizar as cartas psicográficas como um tipo particular de texto, que se diferencia dos textos epistolares tradicionais. Para a autora, além de se configurarem como gênero editorial específico, as cartas psicografadas são escritas de modo tão peculiar que ultrapassam o contexto do Espiritismo, avançando por vezes para os terrenos da literatura e do memorialismo.

 

 

- tese disponível em pdf - clique aqui para acessar -




topo