Luiz Signates

>    Um conceito comunicativo de Espiritismo

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Luiz Signates
>    Um conceito comunicativo de Espiritismo



"O Espiritismo não é obra nem de um único Espírito, nem de um só homem, é obra dos Espíritos em geral."
Allan Kardec (Revista Espírita, 1865, p. 296)




Até que ponto o Espiritismo "é dos espíritos"?
Em outras palavras, que grau de autonomia tiveram e têm os espíritos desencarnados para determinar o conteúdo dos ensinamentos insertos no Espiritismo, desde a codificação? A resposta a esta pergunta costuma ser simplista: o Espiritismo seria, pura e simplesmente, a mensagem dos espíritos superiores, trazida aos homens. A confiança nesse postulado é tanta, que se tornou historicamente importante para os espíritas da atualidade a "defesa da preservação da pureza doutrinária", que diz respeito à manutenção em grau puro das idéias fornecidas pelos espíritos.

Num contexto como esse, torna-se fundamental um estudo mais detido da intersubjetividade da revelação espírita, à luz de alguma teoria do significado.

Houve vários posicionamentos ao longo da história, na busca de se compreender como as palavras fazem sentido. Os essencialistas, por exemplo, acreditavam que as palavras possuem um significado fundamental, intrínseco à sua natureza, independente de quem as fala ou ouve. Próximo destes, há os objetivistas ou os representacionistas, para quem as palavras são como que reflexos, ou representações da realidade. Dentro das óticas acima, seria possível, até certo ponto, afirmar que os espíritos colocaram sentidos exatos nas palavras e, assim, a doutrina espírita teria sido composta com fidelidade às ideações dos espíritos que a ditaram, e, por tal razão, contém a verdade, pura e límpida.

Contudo, os estudiosos contemporâneos da linguagem não acreditam mais nisso. Para eles, parecem mais corretas as posturas pragmatista e sócio-interacionista, segundo as quais a língua é um fato social, cuja existência funda-se nas necessidades da comunicação. Isso significa basicamente que, ao falar alguma coisa, aquele que fala não é simplesmente alguém que está utilizando um código e expressando realidades. O "falante", para se comunicar, leva em alta consideração o contexto no qual fala, primeiro, porque precisa utilizar uma língua que não foi inventada por ele e sim construída socialmente na história; segundo, porque antecipa as condições psicológicas da(s) pessoa(s) com quem se comunica; e, terceiro, porque ele próprio, a pessoa que fala, sofre condicionamentos sociais que determinam, em grande parte, as suas preocupações e idéias. Ou seja: nem aquele que fala tira do nada a forma e o conteúdo do que vai falar, nem o interlocutor é passivo no processo da fala.

Assim, o sentido das palavras emerge por intersubjetividade, o que quer dizer que o significado de um texto qualquer é constituído por cada um dos sujeitos que participam do processo de comunicação, ou seja: todo aquele que lê, de algum modo, é "autor". Isso porque, o próprio ato de ler deixa de ser considerado uma simples "decodificação" do que está escrito e passa a ser atribuição de significado ao que é lido. Além do escritor ter de escrever dentro da cultura do lugar e da época em que vive (para ser entendido), a compreensão pelos outros a respeito daquilo que ele escreveu será diferente conforme a cultura do lugar e da época do leitor e da leitura.

Um estudo superficial da história da codificação revela com muita clareza que a comunicação foi uma das principais condições de possibilidade para o surgimento do Espiritismo no mundo. Allan Kardec estabeleceu com os espíritos um nível muito alto de interação, no qual a preponderância da fala dos desencarnados jamais tisnou a responsabilidade do codificador, na aceitação ou na recusa de postulados e idéias. Isso determinou significativamente que os encarnados – especialmente Kardec – condicionassem as idéias expressas pelos desencarnados. Tanto isso é verdade que o conjunto dos pontos doutrinários que fundamentam o Espiritismo e a própria postura de Allan Kardec diante do conhecimento são extremamente coerentes com o positivismo, o racionalismo francês e o Iluminismo, mundividências daquela época na Europa.

Os espíritos desencarnados não são deidades: são seres humanos também (ou, para ser mais fiel ao paradigma original do Espiritismo, eles são tão espíritos quanto nós). Suas realidades e preocupações coincidem, em grande parte, com as que vigem na cultura humana. Talvez haja espíritos que tenham uma apreensão direta do real, embora essa seja, para nós, uma suposição bastante contestável, suspeita até. Mesmo que tal condição seja real, a conversão do mundo vivido deles (a apreensão direta do real elimina a diferença entre ser e saber) teria de se dar em termos de comunicação, isto é, mesmo que haja espíritos que acessem a realidade sem mediações simbólicas, a simbolização para a comunicação com os homens seria uma redução fatalmente necessária.

Para se comunicarem, eles têm que adaptar linguagem e conteúdo aos destinatários, do contrário a possibilidade de rejeição por nós da mensagem deles torna-se muito elevada. Assim, o discurso do Espiritismo apenas é possível dentro dos limites humanos, o que tornam os espíritos "reféns" dos encarnados, para uma relação de saber.

O Espiritismo resulta, pois, de uma mediação social entre a sociedade desencarnada e a sociedade encarnada, embora se baseie na preponderância cognitiva da primeira. Seus postulados surgem e se firmam numa relação epistemológica dentro da qual o entendimento dos espíritos desencarnados se estabelecem como corpo filosófico dentro das condições e limites culturais dos encarnados. Tal é uma visão "comunicativa" do Espiritismo, que nos torna tão responsáveis quanto os espíritos pelos postulados espíritas, obrigando-nos destarte a fazer boa filosofia e boa ciência, a fim de ajuizarmos acertadamente a respeito das idéias deles, criando, inclusive, em nosso transfundo cultural, as bases para que eles nos venham nos sugerir aperfeiçoamentos, alterações e aprofundamentos. Sem uma constante atualização de nossa mentalidade ou se nos mantivermos estagnados em algum tipo de dogmatismo, os sábios do mundo espiritual não terão como manter conosco diálogos tão proveitosos quanto os que instauraram com Allan Kardec.

 

Luiz Signates


Fonte: http://www.artnet.com.br/~cvdee/siganat2.htm
http://www.espirito.org.br/portal/artigos/ednilsom-comunicacao/conceito-comunicativo.html


 


topo

 

Leia também de Luiz Signates:

->  Alteridade e Pluralismo: Uma Análise das Condições da Democracia numa Sociedade Espírita do Conhecimento
->  Cisma Religioso e Disputa Simbólica: tensão comunicacional no espiritismo brasileiro e panamericano
->  Comunicação Social Espírita
->  O Conceito de Solidariedade
->  Espiritismo à moda brasileira - entrevista
->  Espiritismo e Racionalidade: o intelectual espírita e o lugar da ciência no espiritismo brasileiro
->  Espiritismo, Ética e Conhecimento
->  Fraternidade como paradigma da identidade espírita
->  Nós não é o plural de eu - Espiritismo, alteridade e diálogo
->  Reinventando Kardec...
->  Um conceito comunicativo de Espiritismo

 


topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual