Osvaldo Shimoda

>    A cura da obsessão espiritual

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Osvaldo Shimoda
>    A cura da obsessão espiritual


A cura da obsessão é uma autocura.
Ninguém pode livrar você da obsessão se você não quiser livrar-se dela”.
- Herculano Pires

 


A obsessão se caracteriza pela ação de espíritos desencarnados inferiores na vida de muitas pessoas. É inimaginável a ação deletéria, nociva que esses espíritos não esclarecidos das trevas exercem na vida dos encarnados, pois se aproveitam de sua invisibilidade (a maioria das pessoas não os vê, com exceção dos médiuns clarividentes) para prejudicar sua vítima. Em artigos anteriores, expliquei que 95% dos pacientes que vêm ao meu consultório estão obsedados, isto é, a causa de seus problemas é proveniente de um fator externo, interferência de um espírito obsessor. Somente 5% não tem nenhuma influenciação espiritual e a causa de seus problemas é proveniente de um fator interno: psicológico, emocional, de experiências traumáticas dessa vida (infância, nascimento, útero materno) ou de um passado mais longínquo (vidas passadas).

Apesar desse percentual elevado de pacientes apresentar uma interferência espiritual como causa de seus problemas, a obsessão espiritual, como uma enfermidade da alma, ainda é ignorada pela ciência médica e psicológica. Em vista disso, muitos pacientes com perturbações mentais, ou mesmo doenças orgânicas, cuja causa não é encontrada pela medicina oficial, podem estar sofrendo de uma obsessão espíritica, sendo assediados, portanto, por Espíritos inferiores.

Desta forma, sintomas clínicos tais como visões, calafrios (acompanhados ou não de febres), tristezas e angústias sem motivo aparente, podem ter como causa uma interferência de um espírito obsessor.

Muitos transtornos psíquicos, rotulados pela psicologia e psiquiatria de TOC (transtorno obsessivo compulsivo - as chamadas manias), transtorno afetivo bipolar que se caracteriza pela instabilidade de humor (oscilação de humor que muda da depressão à euforia ou vice-versa), síndrome do pânico (taquicardia, sudorese, asfixia, tontura, sensação de morte) depressão, esquizofrenia (visões, raciocínio distorcido, confusão mental, catatonia), personalidades múltiplas, em verdade, tais doenças são efeitos da obsessão espirítica.

Entretanto, há que se fazer uma diferenciação entre um distúrbio espiritual (ou mediúnico) e um distúrbio psiquiátrico propriamente dito. No último caso, é óbvio que a terapia medicamentosa (antidepressivos e ansioliticos) é imprescindível no tratamento.

Mas, se o problema do paciente tem uma origem espiritual, os remédios não irão surtir efeito, serão inócuos. Explica o porquê de muitos pacientes com “problemas psicológicos” se arrastarem por anos a fio sem se curar. Se por um lado, a obsessão espiritual como uma enfermidade da alma é ignorada pela ciência materialista - que tem uma visão puramente organicista, biológica do ser humano -, não o vendo como um ser espiritual, por outro, a Igreja, por séculos, sempre considerou (e ainda considera) o fenômeno da obsessão espiritual como obra do “demônio” e não de espíritos, contribuindo para mistificar ou mesmo atemorizar os menos esclarecidos. Quantos não foram no passado queimados na fogueira injustamente pelo tribunal da inquisição da Igreja Católica por atos de “bruxaria” e “possessão demoníaca”?

Em verdade, muitas dessas pessoas eram médiuns, pessoas sensíveis que tinham clariaudiência, clarividência, premonições e, por conta dessa sensibilidade mais apurada, sofriam tanto influenciações positivas (espíritos de luz) como negativas (espíritos das trevas). Desta forma, até nos dias atuais a prática do exorcismo, criada pela Igreja para expulsar “os demônios”, está em vigor. Há tempos, o filme “O Exorcista” foi sucesso de bilheteria por explorar o sobrenatural. Não obstante, em nada esclareceu a respeito do mundo espiritual. Pelo contrário, só veio a reforçar o temor desse assunto no imaginário popular. Quero esclarecer, a bem da verdade, que obsessores não são demônios, até porque demônios não existem. O que existe são seres humanos como nós - desencarnados - dotados de razão e sentimentos, que sofrem e precisam de ajuda tanto quanto o obsedado (o ser humano encarnado).

Certa ocasião, um paciente veio ao meu consultório por escutar um zumbido ininterrupto. Fizera todos os exames necessários (teste audiométrico, ressonância magnética), passara por vários médicos especialistas, mas não encontrara nenhuma anormalidade.

Ao regredir, sua esposa, que estava assistindo à sessão de regressão (era médium de incorporação), incorporou vários (no total de seis) espíritos obsessores – desafetos do marido em vidas passadas.

Todos, juntos, se uniram para prejudicá-lo. Um deles me disse:

“Doutor, o senhor não conhece, não sabe quem é esse homem que está deitado nesse divã. Se o conhecesse melhor, nem iria ajudá-lo mais. Ele tirou a minha vida, a minha esposa e o meu dinheiro numa vida passada. Por isso, eu o odeio! (gritou chorando). Nunca vou deixá-lo em paz!”.

Perguntei-lhe se era ele que estava produzindo aquele zumbido no ouvido do paciente?

- O que o senhor acha? – Respondeu-me gargalhando.

Posteriormente, o mentor espiritual (ser de luz diretamente responsável pela evolução espiritual do paciente) lhe esclareceu que esse espírito obsessor era quem estava lhe prejudicando, introduzindo em seu corpo espiritual (perispírito) um “objeto”, um artefato fluídico, imaterial, portanto, não visível aos olhos dos encarnados, que nenhum aparelho terreno é capaz de detectar. Era esse artefato que estava provocando no paciente esse zumbido ininterrupto.

No livro “A luz do consolador”, a autora Yvonne Pereira diz:

“Os obsessores são, sim, grandes sofredores. Padeceram, quando encarnados, injúrias, humilhações. Muitos foram vitimas de crimes, mas são também passíveis de nos respeitar e estimar se soubermos compreendê-los e conquistá-los através do amor”.

Portanto, é um grande equívoco, na prática do exorcismo e seus rituais, ameaçar essas entidades espirituais, rotuladas de “demônios”, querendo expulsá-las na vida do obsediado. Em verdade, a causa da obsessão está em erros cometidos pelo paciente em relação ao seu obsessor numa vida passada. Desta forma, a cura da obsessão só é possível através do perdão, da reconciliação entre obsessor e obsedado. É fundamental também a oração por parte do paciente (obsedado) para que possa haver o rompimento dos laços do passado que os une. Leia o caso de uma paciente que veio ao meu consultório pelo fato de sua vida estar emperrada, truncada - sempre acontecia algo para frustrar seus projetos de vida.

 

Caso Clínico:
Vida Bloqueada
Mulher de 30 anos, divorciada.


Veio ao meu consultório querendo entender o porquê de sua vida estar emperrada, truncada. Sentia-se bastante frustrada e infeliz porque os seus projetos de vida não se concretizavam; sempre acontecia alguma coisa para não dar certo. Portanto, sentia que algo estava atrapalhando, bloqueando a sua vida, principalmente em seu aspecto financeiro. Apesar de ganhar bem, não entendia porque costumava ter prejuízos (perdeu três imóveis para saldar dívidas). No aspecto afetivo, se separou do marido e se envolveu posteriormente com um homem; após constantes agressões físicas de ambas as partes, acabou se separando dele também.

Sofreu um acidente grave ao dirigir o seu carro. Um caminhão a fechou e, com isso, acabou colidindo de frente com um poste, quase perdendo a visão. Teve também várias quedas - sem um motivo aparente -, sempre ferindo a cabeça.

Após o relaxamento, a paciente me disse:

“Sinto algo entrando pela palma das minhas mãos e pela sola dos meus pés. É como se um fluído, algo gasoso, entrasse pelas extremidades de meu corpo (na verdade, esse ‘algo gasoso, fluídico’ a que a paciente estava se referindo eram entidades espirituais obsessoras que queriam incorporar nela).

Não vejo nada, mas sinto que são criaturas irritadas que não vão permitir que eu veja nada na regressão de hoje (é frequente nas sessões de regressão, entidades obsessoras das trevas - para se vingarem do paciente que numa vida passada os prejudicou -, sabotarem o tratamento, não deixando o paciente se concentrar para regredir).

Eles estão me falando que esse tratamento não vai dar certo, que não vou conseguir regredir. Falam para eu me levantar do divã e ir embora”...

- Pergunte-lhes o que eles querem de você – peço à paciente.

“Veio na minha mente a frase: ‘Vamos acabar com você!’ (é comum o paciente em pensamento se comunicar com entidades de luz; ou das trevas – os obsessores).

- Pergunte a essas entidades espirituais o que você fez para eles no passado – peço à paciente.

“Eles dizem que eu numa vida passada os prejudiquei roubando suas terras, casas; houve até mortes. Por isso eles querem se vingar de mim. Na verdade, eles dizem que eu tinha uma ganância desmedida, e que eu tirei a terra de muitas pessoas, não só deles.
Falam que não vão me perdoar porque todos não tiveram onde morar e acabaram morrendo na miséria”.

- Em quantos eles são? – Pergunto novamente à paciente.

“São várias famílias: homens, mulheres e crianças. Estão todos reunidos, com muito ódio de mim. Estão falando que eu nunca vou conseguir nada na minha vida, nem esse tratamento (Terapia Regressiva Evolutiva) irá dar certo.(pausa).
Esclareço-lhes de não me lembrar que os prejudiquei no passado (ao reencarnar, o ser humano esquece temporariamente suas vidas passadas, pois o nosso planeta é constituído de um campo vibracional de forte magnetismo que nos impede de recordar as vidas passadas)”.

- Pergunte-lhes há quanto tempo eles estão nas trevas, na escuridão?

“Há muito tempo. Falam que já tentaram tirar a minha vida várias vezes na existência atual (aqui explica o porquê de a paciente ter sofrido aquele acidente de carro e várias quedas). Acho que eu era homem nessa vida passada... (embora a mente racional do ego do paciente não recorde, sua alma, seu espírito sabe, tem lembranças de seu passado intuitivamente). Parece que eu andava a cavalo, era um homem ruim, forte, tinha muitas terras e sempre queria mais. É uma época bem antiga, antes do período medieval (pausa). Eu peço desculpas, peço que eles me perdoem pelo mal que lhes fiz. Por favor, me perdoem! (paciente chora copiosamente)”.

- Peça para que eles olhem para o seu corpo deitado aqui no divã e pergunte-lhes se você é o mesmo homem que lhes prejudicou naquela vida passada? (pausa).

“Dr. Osvaldo, eles me olharam e estão desconcertados, pois não perceberam esse tempo todo que eu não sou mais aquele homem, mas uma mulher”.

- Fale para eles que você já morreu e reencarnou várias vezes depois daquela vida passada em que era homem. Diga-lhes que estão perdendo o tempo e que o caminho natural do ser humano é evoluir e não ficar estacionado. Pergunte-lhes se querem receber ajuda para sair desse lugar escuro, frio, triste e conhecer um lugar de luz (plano espiritual de luz) onde serão cuidados, amparados e esclarecidos em relação às suas vidas? Se aceitarem, os espíritos de luz irão tirá-los desse lugar. (pausa)

“Vejo agora em volta deles que está ficando tudo claro... São os espíritos de luz. Eles aceitaram ajuda, estão indo embora”.

- Veja para onde eles estão indo - peço à paciente.

“Estão todos juntos, enfileirados, se afastando, sendo amparados pelos espíritos de luz, subindo em direção a uma luz maior. Os últimos estão passando, olhando ainda o meu corpo, atônitos (pausa). Todos foram embora.
Vejo agora um olho azul feminino...
É a minha mentora espiritual. Ela transmite muito amor, paz, serenidade.
Sinto que estou num lugar bem iluminado. É um local que pertence aos seres iluminados. Embora não os veja, nem a mim mesma (paciente está nesse lugar em espírito), sinto a presença deles. Vem uma sensação muito agradável, um bem estar. Dá vontade de dançar, sinto uma alegria muito grande. Esse lugar emana uma vibração, uma energia maravilhosa, que nunca senti na vida atual”.

- Perceba o que sua mentora tem a lhe dizer...

“Ela me diz para eu seguir em frente, que estou no caminho certo”. Sinto uma emoção indescritível, pois sei que não estou sozinha e que nunca estive, é muito bom! (paciente chora emocionada)”.

- Você gostaria de fazer alguma pergunta à sua mentora?

“Eu só queria agradecer a todos esses seres de luz por esse momento tão sublime, pois me mostraram que eu nunca estive sozinha, desamparada”.

- Pergunte então à sua mentora se ela teria algo a lhe dizer em relação à sua vida estar bloqueada.

“Ela me diz que, pelo fato de todas aquelas entidades espirituais terem se libertado das trevas, daqui para frente a minha vida irá dar certo. Mas pede para eu não me afastar deles, da proteção deles. Diz que eu não posso ver a vida só pelo lado material, e que eu preciso também cuidar do lado espiritual, não me descuidar desse lado (pausa). Está tudo muito tranqüilo, em paz...
Nesse lugar em que estou, sinto que são muitos os seres de luz, estão todos vibrando, emanando energia para mim.
A minha mentora está finalizando, pede para eu voltar tranqüila para casa”
(A paciente - de Porto Alegre - estava hospedada num hotel em São Paulo. Há um mês estava em tratamento, passando comigo pela Terapia Regressiva Evolutiva em meu consultório).


Osvaldo Shimoda é colaborador do Site, terapeuta, trabalha com técnicas de hipnose e terapia de Vidas Passadas.




topo

 

 

Leia também do mesmo autor:

Osvaldo Shimoda

>  Praga pega?