Zeny Rosendahl

>    Território e territorialidade: uma perspectiva geográfica para o estudo da religião: uma perspectiva geográfica para o estudo da religião

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Zeny Rosendahl
>   Território e territorialidade: uma perspectiva geográfica para o estudo da religião


*   clique aqui para acessar o texto completo em pdf

 

A religião constitui-se em objeto de interesse de diversas disciplinas acadêmicas, como a história, a sociologia, a antropologia e a geografia. Na primeira metade do século XX, a temática é investigada por Paul Fickeler (1999 [1947]), que realiza um excelente estudo sobre questões fundamentais na geografia da religião em Grundfragen der religions geographie; por Pierre Deffontaines, na obra Geográphie et religions, em 1948 e por Maxmilien Sorre, que evidencia os elementos religiosos nos textos geográficos em Rencontres de la géographie et de la sociologie (1957).

No final dos anos 60, os estudos geográficos da religião eram fortemente inspirados pela geografia cultural da Escola de Berkeley, sendo David Sopher o geógrafo de maior expressão. Em Geographie of religions (1967), Sopher analisa os fenômenos religiosos, abordando a interação espacial destes com uma dada cultura e seu ambiente terrestre complexo entre diferentes culturas.

Nas três últimas décadas, a religião vem atraindo significativa atenção da ciência geografia. Isto se retrata no interesse em estudar as peregrinações aos santuários. Destacam-se: H. Tanaka (1981), que analisa a peregrinação budista na ilha de Shikoku, no Japão; R. King (1972), que aborda a peregrinação islâmica e a organização espacial fortemente marcada pelo ritual na cidade de Meca, G. Rinschede (1985) e Wunenburger (1996) analisam a convergência dos fiéis e sua vivência no sagrado dentre outros. No desenvolvimento recente da perspectiva geográfica da religião, descobre-se a contribuição de Mircea Eliade (1959, 1962, 1991), na qual o conceito de sagrado e profano é elaborado. Segundo Eliade, ambos constituem a essência da religião.

A fé católica no contexto político-religioso é o ponto de partida para o entendimento do território brasileiro. Territorialidade, a Igreja Católica Apostólica Romana e sua dinâmica dão o foco central e continuidade aos estudos de geografia da religião que temos realizado nos últimos quinze anos (Rosendahl 1996, 1997, 1999, 2001, 2003).


Religião, território e territorialidade

A religião, na perspectiva da geografia cultural, possui como foco central os conceitos de sagrado e profano, conceitos tornados fundamentais com Eliade (1962) e considerados numa abordagem geográfica por Tuan (1979) e Rosendahl (1996, 1997, 1999 e 2001). Rosendahl focaliza-os a partir de um tipo particular de hierocracia, o poder do sagrado, que se manifesta espacialmente por uma organização territorial. Ao reconhecer a instituição religiosa como agente modelar do espaço torna-se necessário considerar a forma e a intensidade do poder desse agente. A criação de novos territórios, bem como a fragmentação ou a fusão de outros envolve inúmeras localizações regionais, nacionais e internacionais, à semelhança do papel também exercido pelas grandes corporações (Corrêa, 1997). O território e a territorialidade, conceitos chaves na geografia, serão considerados a partir das contribuições de Sack (1986) e Bonnemaison (2002 [1981]). Religião e território, de um lado, e religião e territorialidade, de outro, serão relacionados no item a seguir.


(a) Religião e território

Nos tempos atuais o território, impregnado de significados, símbolos e imagens, constitui-se em um dado segmento do espaço, via de regra delimitado, que resulta da apropriação e controle por parte de um determinado agente social, um grupo humano, uma empresa ou uma instituição. O território é, em realidade, um importante instrumento da existência e reprodução do agente social que o criou e o controla. O território apresenta, além do caráter político, um nítido caráter cultural, especialmente quando os agentes sociais são grupos étnicos, religiosos ou de outras identidades. O caráter político do território representa um aspecto de forte interesse em nossa pesquisa. Nas reflexões de Sack (1986), a Igreja Católica reconhece a política e controla diferentes tipos de território, englobando dois amplos tipos: o primeiro inclui os templos, os cemitérios, os pequenos oratórios à beira da estrada e os caminhos percorridos pelos peregrinos que são, entre outros, os meios visíveis pelos quais o território é reconhecido e vivenciado; o segundo inclui sua própria estrutura administrativa. A Igreja Católica Apostólica Romana vem mantendo uma unidade político-espacial. Estamos nos referindo aos territórios demarcados, onde o acesso é controlado e dentro dos quais a autoridade é exercida por um profissional religioso. O território religioso constitui-se, assim, dotado de estruturas específicas, incluindo um modo de distribuição espacial e de gestão de espaço. A hierocracia inscreve-se nos edifícios da Igreja, lugares sagrados, paróquias e dioceses. Reconhece-se três níveis hierárquicos de gestão do sagrado. O primeiro nível hierárquico administrativo situa-se na sede oficial, no Vaticano. O segundo e terceiro níveis hierárquicos político-administrativos da gestão religiosa são, respectivamente, a diocese e a paróquia. Ambas unidades territoriais fortemente ressaltadas em nossa pesquisa.

Lecocuierre e Steck postulam que “a única e verdadeira unidade territorial de base da Igreja Católica é a diocese” (1999: 53). A diocese é evocada como território religioso verdadeiramente presente e atuante no processo de regulação e religiosidade católica. A referência primordial é a comunidade de crentes, que constitui no espaço de aproximação entre o regional e o universal, isto é, entre as ações de controle pastoral regional e as ações na escala do mundo. Lembremos que o território favorece o exercício da fé e da identidade religiosa do devoto. Sendo assim, a paróquia é sempre evocada como território principal da vida das comunidades locais. Ela oferece um notável exemplo de “organização da vida social e íntima dos habitantes, pontuando o tempo cotidiano da comunidade” (Lecocuierre e Steck, 1999: 63). A paróquia deve ser reconhecida como o território onde se dá o controle do cotidiano, porque ela está na escala da convivência humana. Lugar de aproximação entre o local, o regional e o universal (Rosendahl e Corrêa, 2003).

As relações de poder que se estabelecem no território remontam às mais antigas civilizações, nas quais a dimensão espacial já era reconhecida como instrumento de manutenção, conquista e exercício do poder de extrema importância. O conceito de território proposto por Souza (2001) pode ser compreendido em sua flexibilidade, sua elasticidade formal e de conteúdo, expressas na relação que desenvolve com as noções de espaço e tempo. A organização interna dos territórios da Igreja é dinâmica, móvel no espaço. Os territórios religiosos se modificam há vários séculos, quer por criação de novas dioceses, quer por fragmentação das paróquias. “Acontecimentos importantes induzem a uma transformação; mesmo que seja visto como recuo ou avanço, o território é modificado aparecendo como o que melhor corresponde à afirmação do poder” (Rosendahl, 2001: 10). É justamente a não rigidez no tempo e no espaço a característica que garante a compreensão das territorialidades, sejam elas formais, informais, perenes ou fugazes.


(b) Religião e territorialidade

A territorialidade proposta por Sack (1986) é definida como uma estratégia de controle sempre vinculada ao contexto social na qual se insere. É uma estratégia de poder e manutenção independente do tamanho da área a ser dominada ou do caráter meramente quantitativo do agente dominador. A territorialidade deve ser reconhecida, portanto, como uma ação, uma estratégia de controle. Torna-se importante compreender o fenômeno religioso neste contexto, isto é, interpretar a “poderosa estratégia geográfica de controle de pessoas e coisas sobre territórios que a religião se estrutura enquanto instituição, criando territórios seus” (Rosendahl, 1996: 56). O território religioso qualifica-se como hierárquico e burocrático.

Territorialidade religiosa, por sua vez, significa o conjunto de práticas desenvolvido por instituições ou grupos no sentido de controlar um dado território, onde o efeito do poder do sagrado reflete uma identidade de fé e um sentimento de propriedade mútuo. A territorialidade é fortalecida pelas experiências religiosas coletivas ou individuais que o grupo mantém no lugar sagrado e nos itinerários que constituem seu território. De fato, é pelo território que se encarna a relação simbólica que existe entre cultura e espaço. O território torna-se, então, um geossímbolo (Bonnemaison, 2002 [1981]). Na análise deste geógrafo a territorialidade está fortemente impregnada de um caráter cultural. É por intermédio de seus geossímbolos que a religião de um grupo imprime marcas que identificam e delimitam um dado território religioso.

A territorialidade da Igreja Católica é complexa. A sua história no Brasil revela a permanência de antigas divisões administrativas herdadas de uma tradição oriunda da Idade Média e ainda adotadas pela Igreja Católica (Sack, 1986). Tais territórios foram modificados ao longo dos séculos. A visibilidade da transformação territorial hoje não é perceptível se não estudarmos mapas e textos relacionando os retrocedimentos, os deslocamentos das fronteiras, as criações ou o desaparecimento de territórios (Élineau, 1991). No Brasil a territorialidade da Igreja Católica caracteriza-se por territórios amplos, vazios ou superficialmente administrados por profissionais religiosos. Descrever e interpretar as territorialidades diversas resultantes de estratégias utilizadas pela Igreja Católica no Brasil em seu processo de domínio será objeto de interesse a seguir.

Zeny Rosendahl é professora do Departamento de Geografia da UERJ.


*   clique aqui para acessar o texto completo em pdf



Fonte:
http://www.comciencia.br/reportagens/2005/05/12.shtml

Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina – 20 a 26 de março de 2005 – Universidade de São Paulo



topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual