Marcelo Henrique Pereira

>      Vôo 1907: Acaso

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marcelo Henrique Pereira
>      Vôo 1907: Acaso


Ainda perplexos com a notícia do maior acidente aéreo ocorrido no Brasil, com 154 mortos, focamos nossa atenção em um dos "sobreviventes", Wellington Pípolos, consultor de empresas, que desistiu do vôo 1907, da Gol, pelo excesso de escalas, remarcando a passagem para o dia seguinte. Em entrevista, Wellington mencionou ser esta a segunda vez que ele desiste de um vôo que se envolve em acidente (em 2004, ele deveria estar num avião da Rico, que caiu em Manaus e vitimou 33 pessoas). Situações como esta, nos fazem pensar: existe acaso? Por que alguém que deveria estar num evento fatídico, de repente, desiste ou é "impedido" de estar naquele local e momento? Na crônica popular, há casos de pessoas que foram "aconselhadas" por uma voz interior, dizendo: - Não vá! Outras, sem qualquer razão aparente, mudam de idéia, sem mesmo justificar para si ou para os circunstantes. E há, ainda, aqueles que sofrem atrasos involuntários (furou um pneu, esqueceu um documento e teve de voltar, etc.). O imaginário e a crendice popular apontam para "mensagens de anjos", "proteção de santos", "milagres", ou coisas do gênero.

Para o Espiritismo, no entanto, a situação não é acidental, nem, tampouco, obra do acaso, já que o único "acaso" aceito pela Doutrina Espírita, é o inteligente. Não há, na filosofia espírita, espaço para "sorte" ou "azar", "ventura" ou "maldição", e cada ser vive o que está contido na Lei de Causa e Efeito, uma diretriz inteligente que, longe de ser absoluta e pré-determinada (inafastável) para todas as circunstâncias, nos coloca no ponto de partida e de chegada de todas as situações que conosco ocorrem, nesta e em outras encarnações. Mesmo considerando o chamado "planejamento encarnatório", feito ainda no plano espiritual e com, em regra, nossa anuência, o direito (inalienável) ao livre-arbítrio possibilita a alteração do plano, em virtude de nossas escolhas presentes. Pode-mos dizer, assim, que há "tendências", "caminhos", "diretrizes", mas, no plano concreto, somos nós quem tomamos as decisões, sempre. Também, a presença de mentores espirituais (anjos de guarda ou protetores) para cada um de nós, em missão de orientação particular, em relação a cada espírito, e o que chamamos de "intuição", "sexto sentido", ou, "voz interior", é, na verdade, a sugestão (não-indução) de alguém que "nos quer bem" e que "deseja o nosso sucesso", para que possamos tomar as "melhores" decisões, caso a caso. O protetor, contudo, não interfere em nossas escolhas e, quando resolvemos fazer "o que bem entendemos", ele se afasta, momentaneamente, retornando após, para continuar a sua tarefa.

Nosso amigo Pípolos provavelmente deve ter sido "aconselhado" a não embarcar, inclusive com o argumento do "excesso de escalas", evitando seu envolvimento no evento fatídico. Não havia, em seu "plano", a "previsão" do desencarne violento, mas, se ele tivesse decidido embarcar, seu planejamento seria refeito, e uma possível morte iria compor novas contingências espirituais, com seu aprendizado. Se, do contrário, por um "milagre" (provocativamente, assim falando), ele sobre-vivesse, estaria demonstrado, a priori, o que diz o dito popular ("não era a sua hora"), expressão curiosa mas significativa, porque, expressa que a vida - e os realinhamentos, em virtude de nossas ações ou omissões, escolhas e decisões - não obedece a nenhum acaso. Tudo se encadeia, na trama de ações e reações de nossas existências, colocando-nos, sempre, na posição de "atores principais" do cenário de nossas vidas.

(*)

Marcelo Henrique Pereira, Mestre em Ciência Jurídica.
Secretário para a Promoção da Juventude e Delegado da Confederação Espírita Pan-Americana (CEPA)
Presidente da Associação de Divulgadores do Espiritismo de Santa Catarina (ADE-SC)



topo

 

Leiam outros textos de Marcelo Henrique Pereira

>   30 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
>   35 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita

>   60 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem
>   152 anos de "O Livro dos Espíritos"
>   Ação Espírita contra a prostituição infantil
>   Amor genuíno - Doar órgãos é conceder nova chance de vida com qualidade ao semelhante
>   Apreciações Espíritas Sobre o Carnaval
>   Ataques contra o espiritismo: o remédio jurídico
>   Carnevale
>   Cataratas do Iguaçu: o sinal visível da devastação da Natureza e da poluição humana sobre a Terra
>   Catástrofes e Desencarnes em Massa
>   Cidadania e Meio-Ambiente : a questão do lixo
>   Comunicação e alteridade
>   Crianças e Mediunidade : comentários sobre a matéria de capa da revista IstoÉ, de janeiro de 2007
>   Dezenove anos de integração comunicativa
>   Dia Internacional da Imprensa Espírita
>   Do Metro ao Cento: uma Biografia para o Centenário: Herculano Pires
>   A Doutrina Espírita e a Santidade de Frei Galvão
>   Duas ou Mais Verdades
>   E se Kardec estivesse à frente do movimento espírita?
>   Elegia ao Livro Primeiro - Em homenagem a 18 de abril – Resgatando o “Espírito do Espiritismo”
>   Espiritismo, o grande desconhecido (dos Espíritas)
>   Espiritismo não é Curandeirismo!
>   Evangelizar ou Comunicar o Espiritismo?
>   A fábula de Jian Um
>   Francisco de Roma e do Brasil, entre os muitos Franciscos
>   Globalização e Massificação: Os prós e os contras
>   Herculano Pires: 30 anos de saudade!
>   Kardec, Viga-Mestre do Espiritismo (O homem, a vida, o meio, a missão)
>   Laboratório Mediúnico, a proposta
>   Máquinas de Crer?
>   Mente e Espírito
>   O Método de Kardec para dialogar (Conversar) com os Espíritos
>   Morte de crianças e jovens em acidentes: a orientação espírita
>   A música espiritual dos Beatles
>   A necessidade de estudo
>   Ombudsman da Imprensa Espírita
>   Oportunizando talentos
>   Ora, que melhora!
>   Participação dos Espíritas na Sociedade
>   Projeto genoma: confrontando as descobertas científicas com as informações espíritas
>   Próximos e distantes
>   Quem escreveu o livro?
>   Quem tem medo da morte?
>   O rebaixamento do Limbo e o destino das crianças após a morte
>   Tragédias aéreas: O medo que nos “acostumemos” com isso!
>   Transformando a fé em certeza
>   A SEDE do Espírito?
>   Um Guia de Ética Espírita
>   A união entre os espíritas
>   Unidos contra o “Apartheid” Espírita
>   Vida com dignidade
>   Violência contra o idoso
>   Vôo 1907: Acaso

 


topo