Marcelo Henrique Pereira

>     Tragédias aéreas: O medo que nos “acostumemos” com isso!

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marcelo Henrique Pereira
>    Tragédias aéreas: O medo que nos “acostumemos” com isso!


Há algum tempo escrevi sobre o (então) maior acidente aéreo ocorrido no Brasil, com 154 mortos, no vôo 1907, da Gol Linhas Aéreas, que envolve a temática dos desencarnes coletivos. Pois bem, agora, novamente, a opinião pública brasileira (e internacional) vê-se às voltas com mais um infeliz episódio: novo acidente aéreo, desta vez com uma aeronave da TAM, que, segundo as últimas informações, carregava 186 pessoas, entre passageiros e tripulantes. Como se não bastasse, a colisão se deu com um prédio comercial da empresa e estima-se o número de 300 vítimas fatais.

Para o Espiritismo, tais situações não são “acidentais”, nem, tampouco, “obras do acaso”, já que o único "acaso" aceito pela Doutrina Espírita, é o inteligente. Não há, na filosofia espírita, espaço para "sorte" ou "azar", "ventura" ou "maldição", e cada ser vive o que está contido na Lei de Causa e Efeito, uma diretriz inteligente que, longe de ser absoluta e pré-determinada (inafastável) para todas as circunstâncias, nos coloca no ponto de partida e de chegada de todas as situações que conosco ocorrem, nesta e em outras encarnações. Mesmo considerando o chamado "planejamento encarnatório", feito ainda no plano espiritual e com, em regra, nossa anuência, o direito (inalienável) ao livre-arbítrio possibilita a alteração do plano, em virtude de nossas escolhas presentes. Podemos dizer, assim, que há "tendências", "caminhos", "diretrizes", mas, no plano concreto, somos nós quem tomamos as decisões, sempre. Também, a presença de mentores espirituais (anjos de guarda ou protetores) para cada um de nós, em missão de orientação particular, em relação a cada espírito, e o que chamamos de "intuição", "sexto sentido", ou, "voz interior", é, na verdade, a sugestão (não-indução) de alguém que "nos quer bem" e que "deseja o nosso sucesso", para que possamos tomar as "melhores" decisões, caso a caso. O protetor, contudo, não interfere em nossas escolhas e, quando resolvemos fazer "o que bem entendemos", ele se afasta, momentaneamente, retornando após, para continuar a sua tarefa.

Catástrofes – naturais ou acidentais, como esta – vitimam centenas ou milhares de pessoas e as imagens televisivas, virtuais ou impressas nos mostram as tintas do drama de inúmeros semelhantes, enquanto a população recolhe e chora seus mortos.

Pela cátedra da filosofia espírita, entendemos a destruição como uma necessidade para a regeneração moral dos Espíritos (1), importando no aniquilamento da vida material, a interrupção da atual experiência. Isto porque há as desencarnações naturais, as provocadas e as violentas. As naturais decorrem do esgotamento dos órgãos e representam o encerramento “programado” das existências corporais, segundo a lei de causa e efeito e o planejamento encarnatório do ser. As provocadas resultam da ação humana no espectro da criminalidade e da agressividade (assassínio, atentados, guerras). Por último, as violentas encampam a ocorrência de catástrofes naturais (enchentes, terremotos, maremotos, ciclones, erupções, desmoronamentos, acidentes aéreos, automobilísticos, ferro ou aquaviários, entre outros).

Em muitas das situações, o nexo causal entre a catástrofe e a ação humana acha-se presente. Movido por interesses mesquinhos e sem a adequada compreensão do conjunto (leia-se a contemporânea preocupação com os ecossistemas, a preservação do meio ambiente), os homens alteram a composição geológica, com escavações, desmatamentos, aterros e outros mais, e sua imprevidência acaba gerando as ocorrências das mencionadas catástrofes “naturais” (2). Também podemos mencionar aqui a situação daqueles que, migrando de suas cidades para os grandes centros, habitam os morros, nas periferias das metrópoles, e, sem a mínima infra-estrutura, ficam à mercê das primeiras enxurradas, que levam seus barracos, que fazem desmoronar enormes pedras, vitimando, não-raro, diversas pessoas. Há, aí, um misto entre o evento natural e a ação humana, como causa direta do evento fatal (3).

Nos casos em que subsistem várias vítimas, seja em pequena, média ou grave dimensão, entende-se que as faltas coletivamente cometidas pelas pessoas (que retornam à vida material) são expiadas solidariamente, em razão dos vínculos espirituais entre elas existentes (4). Todavia, necessário se torna qualificar a condição daqueles que, por comportamentos na atual existência, possam sublimar as provas, alterando para melhor o planejamento vital, garantindo a ampliação de sua permanência no orbe, redefinindo aspectos relativos à reparação de faltas e à construção e realização de novas oportunidades. Eis um caminho para explicar, por exemplo, a existência de sobreviventes (5). Num cenário altamente doloroso como aquele decorrente das diversas catástrofes já vistas neste Plano, como, então, explicar a existência de alguns milagrosos sobreviventes, ante os escombros, senão a condição de que tais espíritos, ou não eram originariamente “devedores” para encaixar-se no fatal resgate, ou conseguiram, com esforço e mérito pessoais, inverter o ônus encarnatório, credenciando-se à revisão de seu plano de vida, proporcionando uma outra e posterior causa de retorno ao plano espiritual, em outro momento mais oportuno (6).

A compreensão espírita, calcada no sério estudo e na relação direta entre os fundamentos filosóficos espíritas e o cotidiano do ser, na análise de tudo o que lhe rodeia, permitem, assim, a desconsideração do termo “fatalidade” como sendo algo relativo à desgraça, ao destino imutável dos seres, pois o Espírito, conservando o livre-arbítrio quanto ao bem e ao mal, é sempre senhor de ceder ou de resistir. Então, a palavra destino também ganha um redesenho, para representar, tão-somente, o mapa de probabilidades e ocorrências da existência corporal, resultantes, em regra, das escolhas e adequações realizadas anteriormente à nova vida, somadas às atitudes e aos condicionantes do contexto atual, onde, com base no seu discernimento e liberdade, continuará o rol de decisões que levarão o ser aos caminhos diretamente proporcionais àquelas, colocando-o, sempre, na condição de primeiro e principal responsável por tudo o que lhe ocorra.

É verdadeiramente por isto que cognominamos o Espiritismo como a “Doutrina da Responsabilidade”, porque se nos permite a análise criteriosa de nossa relação direta com fatos e acontecimentos da vida (material e espiritual).

Com a freqüência de tais “tragédias”, um medo me ocorre: o de que nos “acostumemos” com isso, tratando-as com “naturalidade”, ou, até, com certo desdém, pela repetitividade. Do contrário, espero que os cidadãos conscientes saibam protestar, bem como as autoridades competentes atuarem corretiva e, depois, preventivamente, diminuindo ao patamar mínimo o risco de novas ocorrências, erradicando, se possível, as causas que possam levar a tais eventos infelizes. Que a apatia e o comodismo não sejam, assim, motivo para “deixarmos de lado” a responsabilização (perante a justiça humana) daqueles que deram causa, direta ou indiretamente ao ocorrido, já que sabemos pelas denúncias da imprensa e pela atuação dos órgãos fiscalizadores, que o país deixou de realizar importantes e necessários investimentos na nossa “malha” aérea e, também, muitas empresas sonegam impostos ou deixam de tomar medidas de segurança em função dos altos custos e para aumentar sua lucratividade.

Por fim, ante tais eventos, que possamos, mesmo de longe, efetivar por meio de vibrações e preces, o apoio às equipes de espíritos socorristas, que encaminham as “vítimas” do desencarne em massa, ao necessário e conseqüente despertar no Novo Mundo, considerando, ainda, que o período de recuperação espiritual daqueles que foram vitimados, em regra, é demorado e doloroso. E que eles, despertos e recuperados das mazelas físico-espirituais, possam compreender, novamente, que o curso da evolução espiritual continua. Para eles, que voltaram, e para todos nós, que ainda aqui estagiamos.


Notas:

(1) Vide, a propósito, o contido no quesito 737 de O Livro dos Espíritos, especialmente o seguinte trecho: “[...] a destruição é uma necessidade para a regeneração moral dos Espíritos”.
(2) É o que se depreende da leitura do item 741 de O Livro dos Espíritos.
(3) Deste modo, muito mais acertado é cognominar os homens não como vítimas, mas como co-autores ou partícipes das muitas ocorrências planetárias do gênero tratado neste ensaio.
(4) Assim, “[...] as faltas coletivamente cometidas são expiadas solidariamente” (Obras póstumas, item “Questões e Problemas”). Isto pode explicar, por exemplo, que os vínculos espirituais, muitas vezes, datam de épocas (encarnações) anteriores, enquadrando a circunstância de seu retorno à vida espiritual como previsão do Ministério Divino, na forma de resgate (veja-se, a propósito, a questão 258 de O Livro dos Espíritos).
(5) Dizemos “um caminho”, justamente para fugir da cômoda e indevida tentativa de “explicar” tudo o que nos ocorre segundo um “determinismo espírita”, isto é, vinculando cada ato ou fato da vida atual com “débitos” de vidas pregressas. Sugere-se, a propósito, a leitura do último capítulo da obra Espiritismo dialético, de Manuel S. Porteiro, intitulado “O determinismo histórico e a lei de causalidade espírita”, do qual pinçamos o seguinte trecho elucidativo: “A lei de causalidade espírita não é unilateral, mas bilateral, isto é, que um dano recebido pode ser corrigido por quem o faz, com um bem equivalente, sem a necessidade de sofrer o mesmo mal causado. [...] O mal não é, pois, a conseqüência necessária de outro mal, e o espírita não tem o dever de respeitá-lo nem de a ele submeter-se.” (Marcações do original.)
(6) Quando a lição evangélica fala do “escândalo necessário”, devemos perquirir acerca da condição daqueles que “aproveitam” as situações existentes, como oportunidade, seja de aprendizado, seja de resgate. Não há, entretanto, nenhuma lógica, como visto há pouco, em condicionar cada “dificuldade” a “pagamentos” de erros pretéritos.

(*) Marcelo Henrique Pereira, Mestre em Ciência Jurídica, Presidente da Associação de Divulgadores do Espiritismo de Santa Catarina e Delegado da Confederação Espírita Pan-Americana para a Grande Florianópolis (SC)

 



topo

 

Leiam outros textos de Marcelo Henrique Pereira

>   30 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
>   35 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita

>   60 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem
>   152 anos de "O Livro dos Espíritos"
>   Ação Espírita contra a prostituição infantil
>   Amor genuíno - Doar órgãos é conceder nova chance de vida com qualidade ao semelhante
>   Apreciações Espíritas Sobre o Carnaval
>   Ataques contra o espiritismo: o remédio jurídico
>   Carnevale
>   Cataratas do Iguaçu: o sinal visível da devastação da Natureza e da poluição humana sobre a Terra
>   Catástrofes e Desencarnes em Massa
>   Cidadania e Meio-Ambiente : a questão do lixo
>   Comunicação e alteridade
>   Crianças e Mediunidade : comentários sobre a matéria de capa da revista IstoÉ, de janeiro de 2007
>   Dezenove anos de integração comunicativa
>   Dia Internacional da Imprensa Espírita
>   Do Metro ao Cento: uma Biografia para o Centenário: Herculano Pires
>   A Doutrina Espírita e a Santidade de Frei Galvão
>   Duas ou Mais Verdades
>   E se Kardec estivesse à frente do movimento espírita?
>   Elegia ao Livro Primeiro - Em homenagem a 18 de abril – Resgatando o “Espírito do Espiritismo”
>   Espiritismo, o grande desconhecido (dos Espíritas)
>   Espiritismo não é Curandeirismo!
>   Evangelizar ou Comunicar o Espiritismo?
>   A fábula de Jian Um
>   Francisco de Roma e do Brasil, entre os muitos Franciscos
>   Globalização e Massificação: Os prós e os contras
>   Herculano Pires: 30 anos de saudade!
>   Kardec, Viga-Mestre do Espiritismo (O homem, a vida, o meio, a missão)
>   Laboratório Mediúnico, a proposta
>   Máquinas de Crer?
>   Mente e Espírito
>   O Método de Kardec para dialogar (Conversar) com os Espíritos
>   Morte de crianças e jovens em acidentes: a orientação espírita
>   A música espiritual dos Beatles
>   A necessidade de estudo
>   Ombudsman da Imprensa Espírita
>   Oportunizando talentos
>   Ora, que melhora!
>   Participação dos Espíritas na Sociedade
>   Pesquisa Científica ou Intransigência Religiosa?
>   Projeto genoma: confrontando as descobertas científicas com as informações espíritas
>   Próximos e distantes
>   Que seja Segundo o Espiritismo
>   Quem escreveu o livro?
>   Quem tem medo da morte?
>   O rebaixamento do Limbo e o destino das crianças após a morte
>   Tragédias aéreas: O medo que nos “acostumemos” com isso!
>   Transformando a fé em certeza
>   A SEDE do Espírito?
>   Um Guia de Ética Espírita
>   A união entre os espíritas
>   Unidos contra o “Apartheid” Espírita
>   Vida com dignidade
>   Violência contra o idoso
>   Vôo 1907: Acaso

 


topo