Marcelo Henrique Pereira

>     Duas ou Mais Verdades

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marcelo Henrique Pereira
>     Duas ou Mais Verdades



Há sempre a possibilidade da existência de mais de uma verdade: a que enxergamos, a que o outro enxerga e a realidade.

Referida circunstância – que pode se repetir à exaustão no cotidiano da vida – reflete a individualidade e a liberdade de opinião e de crença (que, neste caso, não tem a ver com religiosidade, mas reflete aquilo em que acreditamos). Quanto mais nos dispomos ao diálogo, mais enfrentaremos a dualidade de posicionamentos e, neste sentido, muito mais perto estaremos de possíveis conflitos. Quando os conflitos são administráveis e permanecem no campo das idéias, é uma excelente oportunidade para a revisão de conceitos, a comparação entre nossos mitos de verdade e os dos outros e, neste sentido, o progresso no entendimento de fatos e acontecimentos da vida é a decorrência natural e possível. Do contrário, quando nos enveredamos pelo simples desejo de convencer e subjugar os outros, pela pressão em aceitar nossas idéias, podemos estar diante de situações mais graves, onde os riscos (à própria continuidade da convivência ou à segurança, à integridade física e, até, à vida) podem tornar-se relevantes.

Grande parte das lides que ganham corpo em nossos Tribunais decorre da impossibilidade de conciliação entre pessoas, instituições ou entre umas e outras. O culto exacerbado à individualidade e a ausência do efetivo respeito ao contexto do outro, suas ideologias e posicionamentos podem ser apontados como causas do aumento dos conflitos.

A história da Humanidade tem sido permeada pela presença de pensadores que, não obstante possuírem um conhecimento diferenciado e ocuparem um degrau acima em termos de sabedoria e visão de conjunto, acenavam com a humildade na postura e com a lição da tolerância para com os outros, exortando à conciliação baseada no diálogo e na cessão de pontos de vista e, até, de direitos. A diretriz, útil e necessária para muitas situações, seria, na cátedra destas luminares consciências, ceder para, quem sabe, ganhar mais à frente.

Com relativa demora, a Justiça contemporânea tem se inspirado em tais parâmetros para conceber sistemas e alternativas jurídico-processuais para, sempre que possível, evitar o desgaste que o embate direto e a extensão e continuidade temporal causam às partes, e ao próprio conjunto julgador. Neste sentido, a atuação precisa e decisiva do juiz na presidência do processo pode desencadear bons resultados, tanto no aspecto de acordos em si, quanto na substantiva diminuição das demandas, cada vez mais numerosas, estrangulando o sistema.

Contudo, não podemos e não devemos esperar apenas dos poderes constituídos o esforço construtivo desta nova mentalidade. “Na rua, na chuva, na fazenda”, como diz o poeta, isto é, no cotidiano das relações interpessoais, possamos nos investir da coragem e da iniciativa para resolver as divergências naturais, presentes no bojo da vida. Neste novo cenário, que há de se instaurar, pouco a pouco, advogados e demais operadores jurídicos deverão concentrar seus esforços e sua atuação não mais na resolução de conflitos egressos de fatos pretéritos, mas na orientação prévia para o bom convívio e o respeito ao Direito. Afinal, vale o adágio: “prevenir é (sempre) melhor que remediar”.

http://www.terraespiritual.locaweb.com.br

Fonte: Site FEAL em 03/03/2006 - www.feal.com.br



topo

 

Leiam outros textos de Marcelo Henrique Pereira

>   30 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
>   35 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita

>   60 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem
>   152 anos de "O Livro dos Espíritos"
>   Ação Espírita contra a prostituição infantil
>   Amor genuíno - Doar órgãos é conceder nova chance de vida com qualidade ao semelhante
>   Apreciações Espíritas Sobre o Carnaval
>   Ataques contra o espiritismo: o remédio jurídico
>   Carnevale
>   Cataratas do Iguaçu: o sinal visível da devastação da Natureza e da poluição humana sobre a Terra
>   Catástrofes e Desencarnes em Massa
>   Cidadania e Meio-Ambiente : a questão do lixo
>   Comunicação e alteridade
>   Crianças e Mediunidade : comentários sobre a matéria de capa da revista IstoÉ, de janeiro de 2007
>   Dezenove anos de integração comunicativa
>   Dia Internacional da Imprensa Espírita
>   Do Metro ao Cento: uma Biografia para o Centenário: Herculano Pires
>   A Doutrina Espírita e a Santidade de Frei Galvão
>   Duas ou Mais Verdades
>   E se Kardec estivesse à frente do movimento espírita?
>   Elegia ao Livro Primeiro - Em homenagem a 18 de abril – Resgatando o “Espírito do Espiritismo”
>   Espiritismo, o grande desconhecido (dos Espíritas)
>   Espiritismo não é Curandeirismo!
>   Evangelizar ou Comunicar o Espiritismo?
>   A fábula de Jian Um
>   Francisco de Roma e do Brasil, entre os muitos Franciscos
>   Globalização e Massificação: Os prós e os contras
>   Herculano Pires: 30 anos de saudade!
>   Kardec, Viga-Mestre do Espiritismo (O homem, a vida, o meio, a missão)
>   Laboratório Mediúnico, a proposta
>   Máquinas de Crer?
>   Mente e Espírito
>   O Método de Kardec para dialogar (Conversar) com os Espíritos
>   Morte de crianças e jovens em acidentes: a orientação espírita
>   A música espiritual dos Beatles
>   A necessidade de estudo
>   Ombudsman da Imprensa Espírita
>   Oportunizando talentos
>   Ora, que melhora!
>   Participação dos Espíritas na Sociedade
>   Pesquisa Científica ou Intransigência Religiosa?
>   Projeto genoma: confrontando as descobertas científicas com as informações espíritas
>   Próximos e distantes
>   Que seja Segundo o Espiritismo
>   Quem escreveu o livro?
>   Quem tem medo da morte?
>   O rebaixamento do Limbo e o destino das crianças após a morte
>   Tragédias aéreas: O medo que nos “acostumemos” com isso!
>   Transformando a fé em certeza
>   A SEDE do Espírito?
>   Um Guia de Ética Espírita
>   A união entre os espíritas
>   Unidos contra o “Apartheid” Espírita
>   Vida com dignidade
>   Violência contra o idoso
>   Vôo 1907: Acaso

 


topo