Marcelo Henrique Pereira

>    Do Metro ao Cento: uma Biografia para o Centenário: Herculano Pires

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marcelo Henrique Pereira
>    Do Metro ao Cento: uma Biografia para o Centenário: Herculano Pires



JOSÉ HERCULANO PIRES, A ALMA DO ESPIRITISMO

Entramos, hoje, 25 de setembro de 2013, no ANO DE HERCULANO PIRES, divisando que, daqui a exatamente um ano, estaremos celebrando os 100 anos de nascimento (Avaré – SP, 25.09.1914) do maior pensador espírita de todos os tempos, abaixo apenas do Professor Rivail, Allan Kardec.

Herculano não é um nome, é um ícone. A partir de suas destacadas virtudes (coragem, humildade, senso de humor, serenidade, tolerância, generosidade) construiu em torno de si a marca da genuinidade kardeciana, o respeito absoluto ao método estabelecido pelo Codificador para a recepção e seleção das mensagens no interlóquio com os Espíritos e com os médiuns que, muito diversamente do que se pode pensar, não eram meros “aparelhos” à disposição do Plano Invisível.

Herculano não nasceu espírita, muito embora o curso anterior de suas vidas sucessivas lhe tivesse permitido acessar alguns conhecimentos e realizar algumas incursões que o aproximariam decisivamente da linguagem e das experiências metafísicas. Vale salientar que, conforme a ele foi revelado, em uma de suas vidas anteriores, mais especificamente a imediatamente anterior, como Alexandre Herculano, jornalista, romancista, poeta do Romantismo e historiador português (1810-1877), contemporâneo de Kardec, dado que a família Pires confirmou.

Tomamos, como exemplo desta preexperiência, dois dos temas preferidos da poesia do lusitano autor, Deus e a morte, nestes versos (em “
O Anjo da Guarda”):

“Porque morres?! Pergunta à Providência
Porque te fez nascer.
Qual era o teu direito a ver o mundo;
Teu jus à existência?
Olha no Outono o ulmeiro
Que o vendaval agita,
E cujas ténues folhas
Aos centos precipita.
[...]
Que é a glória na Terra? Um eco frouxo,
Que somem mil ruídos.
E a voz da Terra o que é, na voz imensa
Dos orbes reunidos?
[...]
Alma triste, que mesquinha
Te debruças sobre o Inferno,
Ouve o anjo, pobrezinha;
Vem ao gozo sempiterno.
Resigna-te e espera, e os dias de prova
Serão para o crente quais breves instantes.
Tomar-te-ei nos braços no trance da morte,
Fendendo o infinito coas asas radiantes.
Depois, das alturas teu térreo vestido
Sorrindo veremos na Terra guardar
E ao hino de Hosana nos coros celestes
A voz de um remido iremos juntar.”

Desde cedo despertou nesta nova vida, como Herculano Pires, sua veia de escritor e vocação literária quando, aos nove anos de idade, fez o seu primeiro soneto, era um decassílabo sobre o Largo São João, da cidade onde nasceu. Adiante, aos dezesseis, publicou o primeiro livro de contos de sua autoria (“Sonhos azuis”) e, aos dezoito, o segundo, de poemas e sonetos (“Coração”). Os sonhos azulariam seu coração poético e filosófico até a derradeira despedida desta existência.

Católico até os quinze anos de idade, passou pela Teosofia e, como ele mesmo relatou em entrevista a Jorge Rizzini, não queria saber do Espiritismo, ao qual considerava “um amontoado de superstições”, em face de sua formação. Veio a conhecer o Espiritismo aos 22 anos (1936), justamente quando se inclinava a seguir o materialismo. Um de seus diletos amigos, Dadício de Oliveira Baulet o desafiou a ler uma obra espírita. Era um exemplar de “O Livro dos Espíritos” e como o professor não declinava de qualquer desafio, passou a ler a obra, e o conteúdo lhe tocou profundamente a razão. Teria dito que tudo o que ele avidamente procurava estava ali, naquele livro. Isto se materializa, inclusive, pela referência dada por Herculano, na introdução de sua própria tradução da obra primeva, muitos anos depois, lançado pela LAKE, onde se lê: “Nunca houve, aliás, um diálogo como este. Jamais um homem se debruçou, com toda segurança do homem moderno, nas bordas do abismo do incognoscível, para interroga-lo, ouvir as suas vozes misteriosas, contradizê-lo, discutir com ele e afinal arrancar-lhe os mais íntimos segredos. E nunca, também, o abismo se mostrou tão dócil, e até mesmo desejoso de se revelar ao homem em todos os seus aspectos”.

Daí até 1946 passou a ler tudo o que podia sobre espiritismo travando contato direto com expoentes espíritas da época e com médiuns fabulosos, como Ciro Milton de Abreu, de efeitos físicos e Urbano de Assis Xavier, notável pela transfiguração, voz direta, cura e incorporação.

Estava formado o homem espírita.

Os que com ele conviveram reforçam os traços da personalidade herculanista, o seu jeito de homem do interior, seu bom humor e seu gosto por contar “causos” e fazer piada das pequenas coisas do cotidiano e dos amigos mais próximos. É por isso que na escrita foi muito mais contundente do que na fala.

Amilcar Del Chiaro Filho, a esse respeito, salienta a coerência e beleza do estilo herculanista, que sabia ser poético, mas sabia também ser incandescente, quase impiedoso para com aqueles que se diziam espíritas e aviltavam o Espiritismo, fossem grandes ou pequenos, ou se lastreassem em instituições orientadoras do movimento.

Como escritor, filósofo de formação e exercício tendo se graduado bacharel e licenciado em filosofia pela Universidade de São Paulo (1958), com a tese existencial “O Ser e a Serenidade”, transitou pela área acadêmica sendo mestre de filosofia na Faculdade de Filosofia de Araraquara e membro da Sociedade Brasileira de Filosofia.

Pedro Camilo registra que o Professor alegava sofrer de “grafomania”, já que escrevia “dia e noite”. Cairbar Schutel, o saudoso Bandeirante do Espírita foi quem teria “descoberto” a veia de escritor de Herculano, facilitando a publicação de um seu artigo no Jornal Espírita “O Clarim”, que existe até hoje, mas não chegou a ver o nome de Herculano estampado no jornal de Matão, por ter desencarnado antes da data.

Produziu dezenas de ensaios, centenas de artigos e alguns romances. Deixou mais de 80 obras (vide relação completa ao final). Defensor incondicional da CULTURA ESPÍRITA, fundou e manteve, até seu desencarne, a Editora Paidéia (em referência à maneira grega de busca da verdade) que foi responsável pela publicação e reedição de muitos dos seus livros. E como escrevia? À noite ou logo cedo, de pijama, à frente de sua conhecida companheira, a máquina de escrever e, nos últimos tempos, como destacou a jornalista Lúcia Kfouri, uma cabeleira branca a emoldurar uma mente de grande cultura e o olhar sempre direcionado ao infinito...

Sua veia jornalística o levou a ocupar a presidência do Sindicato dos Jornalistas Espíritas do Estado de São Paulo, bem como assumir a direção da União Brasileira de Escritores e a vice-presidência do Sindicato dos Escritores de São Paulo.

Em 1948, na capital paulista se vinculou profissionalmente aos “Diários Associados” de Assis Chateaubriand, Herculano Pires funda a 23 de janeiro o “Clube dos Jornalistas do Estado de São Paulo”. Como baluarte da imprensa espírita promoveu e coordenou eventos memoráveis que marcaram a história da imprensa espírita brasileira, como o II Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas (Combrajee).

Preocupado com a difusão social dos ensinos espiritistas, para alcançar a grande massa, sem qualquer vinculação com sua carreira jornalística, política e pedagógica, adotou o pseudônimo de Irmão Saulo (em referência a Saulo de Tarso) para produzir crônicas espíritas em jornal laico e comercial (“Diários Associados”), por quase vinte anos seguidos.

Sua obra prima literária, menção obrigatória em qualquer biografia sobre este iluminado Espírito, é “O Espírito e o Tempo”, o qual foi considerado em pesquisa específica, ao lado de “O Problema do Ser, do Destino e da Dor”, de León Denis, os dois melhores livros espíritas não mediúnicos publicados no século passado. Nela o Professor Herculano estrutura a história mediúnica da humanidade e incursiona sobre uma verdadeira introdução antropológica ao Espiritismo, já que, utilizando o “método cultural” dos antropólogos ingleses – quando dos estudos sobre a origem e a história das religiões. A História da Humanidade é a própria sucessão das manifestações do mundo invisível, desde épocas imemoriais, na saudosa lembrança do pensador espírita argentino Humberto Mariotti, notável orador e amigo pessoal de Herculano sendo que os dois possuíam, um pelo outro, grande afinidade intelectual.

Veja-se, a propósito, como Mariotti carinhosamente referencia o professor: “[...] porque tu, Herculano, nasceste marcado para impulsionar a grandeza da Codificação Kardequiana”.

Em seu tempo e tradicionalmente, o conteúdo espírita era dirigido aos adultos, levando-se em conta que a grande parcela de frequentadores das instituições eram desta idade, Herculano inaugurou a ideia de investir na educação e, também, na formação dos responsáveis pela transmissão dos conhecimentos. Cunhou, assim, a expressão Pedagogia Espírita, visivelmente calcada em dois princípios, o da imortalidade e o da evolução do espírito. Ao estabelecer o conceito “o educando é um espírito encarnado” Herculano dá um evidente salto paradigmático para as reflexões e para o fazer pedagógico.

Neste particular, editou por alguns anos uma revista voltada para esse segmento (“Educação Espírita”). Vale dizer que foi somente em 1979 (ano, inclusive, do desencarne de Herculano) que a Federação Espírita Brasileira oficializou um programa voltado aos educandos, com o nome de “Campanha Permanente de Evangelização Espírita Infanto-Juvenil”. A diferença clara entre as propostas está na maior amplitude da proposta do professor direcionada ao Ser Integral, em relação à ideia federativa mais centrada no caráter moral e no chamado “aspecto religioso” do Espiritismo.

Em complemento, ainda no cenário educacional, esteve sempre postado em defesa do ensino público de qualidade e, corajosamente, incitou os espíritas a ocuparem espaços sociais qualificados e pontuais apregoando, pela vez primeira, a criação de escolas e universidades espíritas com cursos regulares, dentro de um projeto de Faculdade de Espiritismo, de política pedagógica diferenciada sugerindo elementos para a estrutura organizacional e o currículo.

Herculano, aliás, sempre pautou a difusão espírita por meio da tríade ciência, filosofia e moral (ou religião filosófica, como destacou o próprio Codificador). Seguidamente o afirmara, como resgata a citada Lúcia Kfouri: “E me lembro bem, Professor, quando me afirmou que a Doutrina Espírita estava se voltando muito para a parte religiosa, quando, na verdade, o Espiritismo deveria ser entendido nas suas três intenções (filosófica, científica e religiosa), como o nascimento de uma nova civilização”.

Não era ativista de grandes movimentos sociais e preferia circular entre ambientes institucionais das associações, clubes e dos eventos temáticos (congressos, semanas e tantos outros), com facilidade de aproximação de todos. Era muito admirado enquanto pessoa e, por sua simplicidade e seus exemplos morais, era muito admirado e acabava fazendo grande propaganda do Espiritismo sem, contudo, efetuar prosélitos conversionistas. Era simples e essa simplicidade refulgia em qualquer ambiente onde estivesse, não somente nos centros espíritas.

Sua filha, Heloísa, expoente viva do pensamento herculanista desde seu desencarne até os dias hodiernos, explica que o pai conseguiu vencer, graças a Doutrina, as barreiras do mundo material. Para ela foi possível a Herculano “Desligar-se dos problemas efêmeros, dos vínculos primários da matéria, transcender sua humanidade, voando nas asas do pensamento até a essência da natureza”.

Foi adjetivado, certa feita, ora como “síndico do Espiritismo” ora como “zelador”, justamente por sua postura ardorosa em defesa, seja dos princípios e da obra espiritistas (o zelo doutrinário como ideal), seja de companheiros espíritas, como o médium Francisco Cândido Xavier, ante injustificados e covardes ataques contra sua moral e suas características pessoais (como o fato de usar perucas e boinas, para se proteger da calvície avançada) quanto em episódios de envolvimento do médium mineiro e de sua obra com pessoas inescrupulosas, tanto quanto no funesto episódio de afronta à tentativa editorial patrocinada por uma federativa (Federação Espírita do Estado de São Paulo – FEESP), de adulteração do conteúdo das obras básicas, bem como a existência de erros doutrinários em obras divulgadas pela Federação Espírita Brasileira (FEB), sem falar das epidemias de fraudes mediúnicas por toda a parte. Travou grandes polêmicas em torno da obra do espírito Ramatís (a quem Herculano atribuía o conceito de pseudossábio).

Neste particular, merece transcrever seu compromisso com a metodologia kardequiana e a cautela diante da produção de “novas revelações” (no livro “A Pedra e o Joio”, no capítulo Na hora do toque, em As normas de Kardec.): “O bom-senso, como ensinou Kardec, é o fio de prumo que nos garante a construção de um conhecimento mais amplo, mais rico e, ao mesmo tempo, mais preciso. Usar do bom-senso é o primeiro preceito da normativa de Kardec; examinar com rigor a linguagem dos Espíritos comunicantes; submetê-los a testes de bom-senso e conhecimento, verificar a relação de realidade dos conceitos por eles enunciados (relação do seu pensamento com os fatos, as coisas e os seres), enquadrar os seus ensinos e revelações no contexto cultural da época, verificando o alcance abusivo ou não das afirmações mais audaciosas – eis os elementos que temos de observar no trato da mediunidade, se não quisermos cair em situações difíceis, a que fatalmente nos levariam Espíritos imaginosos ou pseudossábios; e ao lado disso, submeter tudo quanto possível à comprovação experimental, à pesquisa”.

Era nesses momentos que aquele homem calmo e de fala pausada e serena, sempre atencioso com todos, virava um leão como a proteger sua prole, com a fibra, a coragem, o destemor, a escrita terrível, não poupando qualquer um que pudesse ameaçar uma só linha da obra rivailiana.

Foi assim, justamente, que, no episódio da adulteração, conforme registra seu dilego amigo (e biógrafo) Jorge Rizzini (no livro “J. Herculano Pires, o Apóstolo de Kardec”): “A razão dessas exigências é a seguinte: as obras doutrinárias, particularmente as de Kardec, são documentos da Doutrina. São básicas. A mudança de uma palavra pode modificar o sentido original e dar-lhe a possibilidade de nova interpretação. Estamos lutando para repor Kardec em sua legitimidade, a mais absoluta”. Escreveu, inclusive, em conjunto com Francisco Cândido Xavier, um livro profundo e específico (“Na hora do testemunho”) para historiar e deixar registrada a tentativa de adulteração das obras kardequianas, onde aduz: “Ser fiel à verdade, saber respeitá-la e fazer-se humilde perante ela são as três pedras de tropeço do homem na terra. Podemos conhecer a Verdade e proclamá-la, procurar vive-la e comunica-la aos outros, mas ter a coragem de sustenta-la nos momentos de crise é quase um privilégio no mundo de vaidades e mentiras terrenas”.

Crítico permanente e sensato do nosso movimento, ao escrever “O Centro Espírita”, censurou a tendência dos espíritas em situarem as instituições espíritas, APENAS e separativamente como TEMPLO ou LABORATÓRIO, singularizando as opções pela “religião espírita” ou pela “ciência espírita”, com exclusividade injustificável. Herculano situou ponderadamente o Centro Espírita como o ponto de convergência (remontando à expressão de Victor Hugo, point dóptique).

Mas Herculano não esteve na vanguarda apenas contra a detratação perpetrada pelos adeptos do Espiritismo. Duelou, em ideias, contra o vetusto e irônico Padre Quevedo, suas homéricas polêmicas, parapsicólogo que se tornou conhecido por tentar ridicularizar a doutrina. Sempre calmo e compenetrado, sem deixar de adotar, por vezes, nos debates, a crítica aguda e o humor, Herculano saiu vitorioso de todos os embates.

Como um Don Quixote da Modernidade, destemido e compromissado com a verdade e a lógica, também enfrentou os “padres mágicos” (que chegavam a inventar experiências televisivas para “provar as fraudes dos espíritas”) e os pastores dedicados a atacar o Espiritismo, sem qualquer atitude de desrespeito ou grosseria (sua marca), somente pela exposição objetiva de fatos e argumentos.

Em seu programa radiofônico “No limiar do amanhã
(Rádio Mulher, aos sábados à noite), descortinou centenas de temas à luz do espiritismo (muitos dos programas foram convertidos no livro de mesmo nome e os originais em áudio estão disponíveis no site da Fundação Maria Virgínia e José Herculano Pires (http://www.fundacaoherculanopires.org.br/acervo/nolimiardoamanha).

Sobre a carinhosa alcunha dada por Emmanuel (que acompanhou os vários anos de amizade sincera entre o professor e Chico Xavier), o “metro que melhor mediu Kardec” segundo Manoel Fernandes Neto, com certeza já esperava que essa "unidade de medida" continuaria prestando auxílio à compreensão aprofundada da Doutrina dos Espíritos, não dogmática, presa às letras, frases e nos discursos exteriores, mas nos ensinos de Jesus, “em Espírito e Verdade”.

A maioria dos espíritas no Brasil é bem verdade aceita o espiritismo como mais uma religião apenas, embora mantenham o discurso do tríplice aspecto. Herculano soube sondar as profundidades da obra de Como Kardec, Herculano entende a Doutrina Espírita como uma verdadeira revolução cultural, a dos Espíritos, dentro de uma proposta pedagógica com ares de ciência nova, filosofia inédita, sem negar seu conteúdo religioso, graças à opção de Kardec (em consórcio com os Espíritos Superiores) em lançar uma obra que explicasse os ditos e feitos do homem Jesus de Nazaré, apresentando este, em sua única e correta tradução da questão 625 de “O Livro dos Espíritos” como um dos guias e modelos para a humanidade e não o único.

Para Milton Medran, Herculano também se vinculou ao chamado “triângulo emanuelino” (a visão tríplice da realidade espírita, como ciência-filosofia-religião), que ele mesmo assim nomeou, mas, ao contrário da porção majoritária dos espíritas brasileiros, o professor via no cristianismo uma ruptura total com os ensinos de Jesus, e antevia a falência definitiva das religiões no mundo pós-moderno. Em “Agonia das religiões”, Pires sentencia: “O materialismo morreu por falta de matéria, como afirmou Einstein, e as religiões agonizam, como podemos ver, por falta de espírito”. Mas propugna um novo conceito de religião, não o adotado pelos espíritas em geral, mas seguindo-se a didática kardequiana (religião no sentido filosófico), já que para o Codificador, “o verdadeiro caráter do Espiritismo é o de uma ciência e não de uma religião”.

Crítico do chamado “movimento espírita” e das instituições espiritistas, não tinha meias palavras para destacar as atitudes contrárias à doutrina e bradar contra o sentimento igrejeiro exacerbado de pessoas e entidades espíritas, que cultivavam dogmas e crendices e a fazer "bocas de siris" às deformações que as ciências e as religiões teimavam em inserir o espiritismo.

A esse respeito, convém resgatar a bela referência feita por Mauro Spinola, de que Herculano jamais se calou diante de práticas espíritas esdrúxulas, que ele condenava (como as aplicações inadequadas da mediunidade) tal como a adoção de conceitos espíritas equivocados (como o da reforma íntima). Daí Herculano ter oportunamente se manifestado no subtítulo de uma de suas obras (“Curso dinâmico de espiritismo”), para dizer que o Espiritismo era “O Grande desconhecido” também dos próprios espíritas.

Herculano é também o grande responsável por sepultar a equivocada afirmação de muitos espíritas de que Kardec teria sido mero organizador das ideias espirituais, a título de uma revelação pronta e acabada, expressa pelos Espíritos. É de Rivail, conforme bem acentua o professor a estruturação da filosofia espírita e a introdução de uma metodologia própria de abordagem científica.

Outro traço marcante do filósofo de Avaré, conforme destaca sua aluna, nossa mestra, Dora Incontri, é nunca perder a identidade do pensamento espírita, enxergando os elos deste com outras formas de pensamento para estabelecer que a história das ideias humanas derive da construção coletiva de conhecimento e descoberta da verdade, de modo amplo e aberto e por isso mesmo fiel aos princípios lançados por Kardec. Bem dentro daquilo que Rivail destacou em relação à permanência dos ensinos espíritas no curso dos tempos, marchando lado a lado com a Ciência.

Herculano inaugurou o estilo de observação dos experimentos científicos de todo o mundo, sobretudo pelas notícias vindas das universidades americanas e centros espaciais russos, promovendo notáveis estudos científicos com uma vasta quantidade de informações levantadas, abrindo o Espiritismo para o mundo. Neste particular, promoveu a discussão explícita entre o Espiritismo e os diversos segmentos da pesquisa psíquica, do americano Rhine ao russo Vassiliev, do psicanalista Freud ao engenheiro Bozzano, na esteira da decantada permanência do conteúdo espiritista tão defendida por Kardec. Este estilo foi, depois, seguido por Hermínio Corrêa de Miranda, Hernani Guimarães Andrade e Henrique Rodrigues, entre muitos outros cientistas espíritas. Suas abalizadas pesquisas o levaram a presidir o Instituto Paulista de Parapsicologia.

Ele, sem dúvida, foi o grande construtor de pontes entre o conhecimento espírita e a cultura contemporânea, estruturando um diálogo profundo com os grandes temas de sua época. Quem, depois dele, conseguiu materializar tal intento com tamanha autoridade e excelência?

Voltando à coluna por ele assinada no jornal “Diário de São Paulo”, nela, em outubro de 1968, escreveu premonitoriamente: “Alguns acreditam que a morte súbita é perigosa. Kardec morreu assim, em pleno trabalho. Quando a criatura viveu bem a morte súbita é boa, é uma libertação imediata do espírito. Quando a criatura não soube viver a morte é sempre difícil”. Estava praticamente, ele, a prever a sua própria desencarnação que ocorreria na noite de 09.03.1979, em São Paulo (SP). Tal como Kardec, sua referência, despediu-se da vida física com pouco mais de 64 anos e 5 meses, desencarnado com uma diferença de apenas 14 dias em relação ao tempo de vida do Codificador.

É de Herculano, ainda como Alexandre o poeta português, uma frase que demonstra a progressividade do conhecimento e da evolução, permitindo a cada ser voltar ao início, de si mesmo, e aprender com suas andanças: “Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as minhas opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender”.

Este o grande DNA de Herculano: a sabedoria na humildade e a certeza de que a Imortalidade é a condição que oferece, na palingênese, tantas quantas oportunidades sejam necessárias ao aprendizado constante. Como disse Del Chiaro Filho, “Herculano era a própria prova do que dizia: Deus, a suprema consciência não nos criou do barro da terra, mas da luz das estrelas”.

A ele nossa sentida, sincera, carinhosa e emocionada homenagem, posto que, na nossa trajetória desta vida, após os livros de Kardec, foram nas obras do Professor Herculano Pires, que bebi a sabedoria espírita para todas as atividades que pude realizar até hoje.


J. Herculano Pires – Bibliografia

Nhô Chico Bananeiro, Contos, Ed. O Porvir, Cerqueira César, SP. 1928.
Cabo velho & Cia, Contos, Ed. O Porvir, Cerqueira César, SP. 1929.
Sonhos Azuis, Tipografia Ipiranga, Cerqueira César, SP. 1930.
O Serenista, Editora A Semana, Cerqueira César, SP. 1930.
Cidades Vivas, Contos, Editora Rio Novo, Avaré, SP. 1930.
Coração, Poemas, Tipografia Ipiranga, Cerqueira César, SP. 1932.
Quando Outono Chegar, Poemas, Dat. Avareense, Avaré, SP. 1932.
Estradas e Ruas, Poemas, Francisco Alves, SP. 1933.
Abandono da Infância, Crônicas, Editora O Porvir, Cerqueira César, SP. 1936.
Orientação Pediátrica, Estudo, Editora A Semana, Cerqueira César, SP. 1936.
Poemas do Tempo e Da Morte, Editora A Semana, Cerqueira César, SP. 1936.
Flores Murchas, Estudo, Editora O Porvir, Cerqueira César, SP. 1937.
Árvores Sagradas, Artigos, Tipografia Central, Avaré, SP. 1937.
Mulher de Pedra, Poemas, Mim. Paulista, SP. 1938.
A Busca da Serenidade, Tipografia Ipiranga, Cerqueira César, SP. 1945.
À Margem da Guerra, Diário Paulista, Marília, SP. 1945.
Conceito Moderno de Poesia, Tipografia Ipiranga, Cerqueira César, SP. 1946.
Espigão, Crônica, Diário Paulista, Marília, SP. 1946.
Argila, Editora Lake, SP. 1946.
O Reino, Editora Lake, SP. 1947.
Atlântida, Poesia e Mito, Editora A Semana, Cerqueira César, SP. 1948.
O Caminho do Meio, Editora Brasiliense, SP. 1948.
Balvatski e Gandhi, Editora Lake, SP. 1949.
Introdução à Psicologia, Curso, Instituto Brasileiro de Filosofia, SP. 1952.
Crítica da Teoria Corpuscular do Espírito, Curso, SP. 1952.
Barrabás, O Enjeitado, Editora Lake, SP. 1954.
Um Deus vigia o Planalto, Romance, DN (folhetim Ilustrado), SP. 1954.
Daga Moriga, Piratininga, SP. 1955.
África, Poema, Tipografia O Minuto, SP. 1955.
Os Filósofos, Cultrix, SP. 1960.
Farias Brito, Revista Filosofia, SP. 1960.
O Ser e a Serenidade, Edicel, SP. 1960.
Tempo de Magnólias, Piratininga, SP. 1961.
Os 3 Caminhos de Hécate, Edicel, SP. 1962.
Arigó, um caso de fenomenologia - Paranormal, Francisco Alves, SP. 1963.
Psicologia do Desenvolvimento Cultural, Curso, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara, Araraquara, SP. 1963.
O Espírito e o Tempo, Edicel, SP. 1964.
Parapsicologia e suas Perspectivas, Edicel, SP. 1964.
Introdução a Filosofia Espírita, MUE, SP. 1965.
Rousseau e a Educação, Cultrix, SP. 1965.
Renan e os Evangelhos, Cultrix, SP. 1965.
Parapsicologia Hoje e Amanhã, Edicel, SP. 1966.
Murais, Poemas, Editora Palma, SP. 1968.
Um Deus Vigia o Planalto, livro, Francisco Alves, SP. 1968.
Educação Espírita, Edicel, SP. 1970.
O Verbo e a Carne, Editora Cairbar, SP. 1972.
Chico Xavier pede Licença, Crônicas, Editora GEEM, SP. 1972.
A Pedra e o Joio, Editora Cairbar, SP. 1973.
Na Era do Espírito, Editora GEEM, SP. 1973.
Cânticos, Dat. Avareense, Avaré, SP. 1973.
Parapsicologia e suas Perspectivas, edição atualizada, Edicel, SP. 1974.
Diálogo dos Vivos, Editora GEEM, SP. 1974.
Lázaro, Romance, Edicel, SP. 1975.
Agonia das Religiões, Editora Paidéia, SP. 1976.
Arigó, Vida e Mediunidade, Edicel, SP. 1976.
Mensagens, Poemas, Tipografia Paulista, SP. 1976.
A Viagem, Editora Beira, Porto Alegre, RS. 1976.
Revisão do Cristianismo, Editora Paidéia, SP. 1977.
Psicologia da Liderança, Editora Paidéia, SP. 1977.
Adão e Eva, Editora Paidéia, SP. 1977.
O Menino e o Anjo, Editora Paidéia, SP. 1977.
Na Hora do Testemunho, Editora Paidéia, SP. 1977.
Madalena, Romance, Edicel, SP. 1978.
Os Sonhos Nascem na Areia, Editora Paidéia, SP. 1978.
Jamurana e as Águas Selvagens, Editora Paidéia, SP. 1978
Para uma Poética da Era Cósmica, Editora Paidéia, SP. 1978.
O Túnel das Almas, Editora Paidéia, SP. 1978.
Metrô para o Outro Mundo, Editora Paidéia, SP. 1978.
Ciência Espírita, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1979.
Curso Dinâmico do Espiritismo, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1979.
Obsessão, o Passe a Doutrinação, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1979.
Vampirismo, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1980.
O Centro Espírita, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1980.
Concepção Existencial de Deus, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1981.
O Mistério do Ser Ante a Dor e a Morte, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1981.
Pedagogia Espírita, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1982.
Pesquisa sobre o Amor, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1983.
O Infinito e o Finito, Editora Correio Fraterno, (póstumo), SP. 1983.
O Homem Novo, Editora Correio Fraterno, (póstumo), SP. 1983.
Educação para a Morte, Editora Correio Fraterno, (póstumo), SP. 1984.
Mediunidade, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 1986.
Poesias (união dos livros Murais e Argila), Editora Paidéia, (póstumo), SP. 2004.
Sonhos de Liberdade, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 2005.
A Evolução Espiritual do Homem, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 2005.
O Sentido da Vida, Editora Paidéia, (póstumo), SP. 2005.



topo

 

Leiam outros textos de Marcelo Henrique Pereira

>   30 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
>   35 Anos de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita

>   60 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem
>   152 anos de "O Livro dos Espíritos"
>   Ação Espírita contra a prostituição infantil
>   Amor genuíno - Doar órgãos é conceder nova chance de vida com qualidade ao semelhante
>   Apreciações Espíritas Sobre o Carnaval
>   Ataques contra o espiritismo: o remédio jurídico
>   Carnevale
>   Cataratas do Iguaçu: o sinal visível da devastação da Natureza e da poluição humana sobre a Terra
>   Catástrofes e Desencarnes em Massa
>   Cidadania e Meio-Ambiente : a questão do lixo
>   A Codificação não é tudo!
>   Comunicação e alteridade
>   Crianças e Mediunidade : comentários sobre a matéria de capa da revista IstoÉ, de janeiro de 2007
>   Dezenove anos de integração comunicativa
>   Dia Internacional da Imprensa Espírita
>   Do Metro ao Cento: uma Biografia para o Centenário: Herculano Pires
>   A Doutrina Espírita e a Santidade de Frei Galvão
>   Duas ou Mais Verdades
>   E se Kardec estivesse à frente do movimento espírita?
>   Elegia ao Livro Primeiro - Em homenagem a 18 de abril – Resgatando o “Espírito do Espiritismo”
>   Espiritismo, o grande desconhecido (dos Espíritas)
>   Espiritismo não é Curandeirismo!
>   Evangelizar ou Comunicar o Espiritismo?
>   A fábula de Jian Um
>   Francisco de Roma e do Brasil, entre os muitos Franciscos
>   Globalização e Massificação: Os prós e os contras
>   Herculano Pires: 30 anos de saudade!
>   Kardec, Viga-Mestre do Espiritismo (O homem, a vida, o meio, a missão)
>   Laboratório Mediúnico, a proposta
>   Máquinas de Crer?
>   Mente e Espírito
>   O Método de Kardec para dialogar (Conversar) com os Espíritos
>   Morte de crianças e jovens em acidentes: a orientação espírita
>   A música espiritual dos Beatles
>   A necessidade de estudo
>   Ombudsman da Imprensa Espírita
>   Oportunizando talentos
>   Ora, que melhora!
>   Participação dos Espíritas na Sociedade
>   Pesquisa Científica ou Intransigência Religiosa?
>   Projeto genoma: confrontando as descobertas científicas com as informações espíritas
>   Próximos e distantes
>   Que seja Segundo o Espiritismo
>   Quem escreveu o livro?
>   Quem tem medo da morte?
>   O rebaixamento do Limbo e o destino das crianças após a morte
>   Tragédias aéreas: O medo que nos “acostumemos” com isso!
>   Transformando a fé em certeza
>   A SEDE do Espírito?
>   Um Guia de Ética Espírita
>   A união entre os espíritas
>   Unidos contra o “Apartheid” Espírita
>   Vida com dignidade
>   Violência contra o idoso
>   Vôo 1907: Acaso

 


topo