Carlos Augusto Parchen

>   Plano material, Plano Espiritual, Espírito, Perispírito e relação com o Plano Material
- um pequeno ensaio preliminar

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Carlos Augusto Parchen
>   Plano material, Plano Espiritual, Espírito, Perispírito e relação com o Plano Material - um pequeno ensaio preliminar

 

I - PLANO TRIDIMENSIONAL (MATERIAL) E PLANO ESPIRITUAL

Kardec já colocava que o mundo espiritual é o mundo real, verdadeiro, e que o mundo material (tridimensional) é resultado da ideação mental dos espíritos encarnados e desencarnados, ou seja, sua formatação, a "morfologia" espiritual, social, ambiental e natural é determinada pela ação plasmadora dos pensamentos dos espíritos encarnados e desencarnados de nosso orbe, que conferem (determinam) realidade ao mundo material em que vivemos, existimos e nos inter-relacionamos.

Afirmou ainda Kardec que o mundo material poderia deixar de existir, e que mesmo assim o mundo espiritual continuaria sua existência normal.

O mundo tridimensional e o mundo espiritual não são “gêmeos” ou “duplos”. Não existe um "duplo" ou correspondência simétrica entre mundo material (tridimensional) e mundo espiritual, átomo a átomo, molécula a molécula. O Mundo Tridimensional e o Mundo Espiritual são independentes, e com as leis físicas ou naturais características de cada uma das realidades.

Claro que não conhecemos e ainda não podemos pesquisar essa outra realidade, mas o poderemos fazer, quando a nossa ciência e conhecimento evoluírem ainda mais. Mas é lógico admitir que são realidades em vibrações diferentes, quem sabe dimensões diferentes, talvez pontos diferentes de espaço-tempo.

Em reforço a isso, devemos nos lembrar que os espíritos nos afirmam, categoricamente, que o tempo tem outro significado na dimensão espiritual, não no sentido filosófico, mas no de dimensão específica e transcurso de tempo. Nesse contexto, não há necessidade de duplicidade e ligação dimensional átomo a átomo, quark a quark, etc.

O plano espiritual, sem sombra de dúvida, também é matéria. Que tipo de estruturação a matéria do plano espiritual tem, os espíritos não nos trazem maiores informações, mas afirmam, categoricamente, que a matéria elementar do início do universo é a base sobre a qual se estruturou toda a matéria/energia, e que essa base é a mesma no plano tridimensional e no plano espiritual.

Pelas possibilidades plásticas da matéria no plano espiritual, descrita pelos espíritos, podemos pressupor que não têm a mesma organização atômica que a nossa, que se organizou a partir das fornalhas nucleares do início do Universo, a partir da estruturação do Hidrogênio, do Hélio e de toda a série atômica natural, quando as nossas leis físicas passam a existir, "...átimos de segundos antes do big-bang..." (ação da vontade Divina).

O espírito, na sua parte mental (mente, que contém a inteligência e o livre-arbítrio) não é matéria, mas estrutura seu corpo mental, vai se revestindo da matéria. O espírito associado ao seu corpo mental estrutura, em seqüência, por atração energética e vibratória, o seu perispírito, constituído de matéria "sutil" (estado da matéria que ainda não foi descoberto, mas muitos outros já o foram). Essa matéria sutil é retirada (transformada) a partir da matéria/energia disponível no ambiente vibratório em que o espírito se encontra, de maneira automática, como por exemplo, no caso de encarnados, as nossas trocas respiratórias e calóricas com o ambiente.

Temos que admitir aqui, que a "mente", criação Divina, possui automatismo que determina a estruturação do corpo mental e do perispírito. Se isso não existir, a tese da reencarnação rui, cai por água abaixo. Como a reencarnação ainda é mais plausível que uma só existência, ou aceitamos isso ou aceitamos que a vida é um "acidente" biológico, uma conjunção casual de fatores que resultou no que somos. Aqui não é a ciência possível. É pura filosofia, que nos remete, por dedução lógica, para a fé. Raciocinada, mas fé (crer ou não crer).


II - ESPÍRITO, PERISPÍRITO E INTERAÇÃO COM O PLANO MATERIAL


A mente, que não é material (de nenhuma das dimensões que já discutimos), recebeu de Deus a capacidade (somos "deuses", co-criadores) de estruturar a matéria, de interferir mesmo nas leis físicas ou naturais (crer ou não crer, eis a questão).

Pela descrição em várias obras espíritas, em especial as de André Luiz, pode-se supor que os espíritos conseguem, em determinadas situações, "dobrar campos dimensionais” (estamos dando essa denominação específica para melhor fixar o conceito), aproximando, tangenciando, contactando, temporariamente, a realidade material espiritual da realidade material tridimensional.

Os espíritos mais evoluídos podem fazer isso pela "vontade", pois já manipulam potenciais energéticos muito intensos, suficientes para "dobrar campos dimensionais". Já os não tão evoluídos, precisam contar com a proximidade de um médium, para criarem, em conjunto, uma "atmosfera fluídico-espiritual comum", possibilitada pela expansão e "fusão" dos perispíritos do médium e do espírito desencarnado, de existência temporária e efêmera, que serve de "ponte" entre os dois planos (uma espécie de "mini dobra dimensional"), possibilitando a interação pontual entre os dois planos.

Tanto isso é verdade que um "certo Padre que se diz cientista da paranormalidade" (aliás, um preconceituoso, que só busca denegrir o Espiritismo, um falso cientista), propõe um desafio de "um milhão de reais" para quem produzir um fenômeno paranormal, espiritual ou mediúnico estando a mais de 70 metros do objeto ou local em que se manifestará o fenômeno. Ora, nessa distância não é possível "dobrar" o campo dimensional para agir sobre um objeto, por exemplo. A parapsicologia já testou os limites de distâncias em que um paranormal (médium) pode agir.

Em maior ou menor grau, todos somos médiuns, e podemos ter "insights" de "dobras", por alguns instantes. No sono, nossa mente fica liberta e pode "dobrar" o campo dimensional mais facilmente, ficando acessível, parcialmente, ao plano espiritual.

Um espírito só pode sentir, agir ou se manifestar no plano tridimensional (material) se contar com essa "dobra dimensional", conjunção de espírito e médium. No entanto, é preciso lembrar que a mediunidade está latente em grande número de pessoas, e que existem muitos médiuns naturais, disponibilizando energias para que se estabeleçam, sem saberem, essas "dobras".

O termo ectoplasma refere-se à condensação energética de parte do perispírito do médium, decorrência da dobra de campo dimensional (interação médium-espírito) e é ele que é usado em fenômenos de efeitos físicos, sendo necessário um médium com aptidão específica para tal.

O ectoplasma pode provocar alterações temporárias nas propriedades da matéria, conferindo-lhe novas características. Essa propriedade é utilizada por espíritos para produzirem fenômenos de feitos físicos, como por exemplo, o transporte de objetos ou uma materialização.

Ao saturar determinado objeto ou matéria (por exemplo, o próprio ar) com o ectoplasma, que interpenetra os espaços subatômicos da matéria, a ação da vontade do espírito desencarnado pode modificar a vibração e as propriedades dessa matéria. É preciso lembrar que o objeto transportado ou a manifestação do efeito físico deve estar próximo de onde médium e espírito desencarnado se encontram (faixa de ação da dobra dimensional), pelos motivos já expostos anteriormente.

O ectoplasma deixa de existir quando se rompe a "dobra de campo dimensional". Não existe "ectoplasma" numa comunicação mediúnica via psicografia, por exemplo, ou psicofonia, vidência, audiência, etc.

Na comunicação mediúnica, uma vez estabelecido o "enlace mediúnico" ou dobra de campo dimensional, com a participação de médium e espírito, a comunicação e interação passa a fluir mente a mente, pela proximidade dimensional ocorrida, podendo ser trocadas sensações, impressões, etc.

Lembre-se que isso ocorre de maneira mais freqüente que pensamos, pois todos temos um determinado potencial mediúnico que, em pessoas sem o adequado treino (habilidade e aptidão) é, a mais das vezes, desencadeado de maneira automática, sem que percebamos isso conscientemente. Nossos anjos de guarda ou nossos "daemons" se utilizam disso para nos intuir para o bem. Nossos inimigos desencarnados, para nos intuir para o mal.

Os espíritos nos acham não pelo nosso endereço físico, mas pela emissão do nosso "hálito mental", que é a nossa "assinatura de dobra", nossa "identidade energética". Para isso não precisam "enxergar" nosso mundo, nossa casa. A energia pura, como a do pensamento, pode percorrer todo o universo, visível e invisível. Onde quer que estejamos, somos sempre um ponto a emitir tal tipo de energia. Quem nos "conhece" e afiniza com o padrão por nós emitido, nos localizará, mesmo interdimensionalmente (em diferentes planos).

Não devemos nos espantar do que é colocado em alguns livros espíritas quanto aos espíritos desencarnados conviverem normalmente conosco no plano material. Muitos são mal escritos, muitos são romances, não obras científicas, e muitos são mal interpretados, por estabelecerem apenas uma base, um alicerce, e não o edifício todo. Vejamos toda a obra de Kardec. Em nenhum momento ele afirma que os espíritos desencarnados "vivem" em nosso plano, mas sim que "interferem" nele, "atuam nele", "interagem com ele", o que é completamente diferente.

Quando Emmanuel fala da quantidade de espíritos desencarnados que "habitam" a orbe terrestre, refere-se ao padrão vibratório que corresponde à nossa terra (orbe), onde se estabelecem duas realidades, uma do plano tridimensional e outra do plano espiritual. Não afirma que "habitam o plano físico Terra", mas sim na vibração evolucional do orbe terrestre. O mundo espiritual (vamos chamá-lo assim) do nosso orbe tem a sua existência real, mas na sua dimensão ou vibração específica.

Quanto ao Livro dos Espíritos, é uma questão de interpretação. Temos que nos lembrar da linguagem utilizada na época e do conhecimento disponível, que não permitia o detalhamento de certos assuntos. Mas a base ali apresentada está correta.


III - PERISPÍRITO, PERCEPÇÕES E REENCARNAÇÃO

No que se refere ao perispírito dos espíritos desencarnados, afirmar que estes têm olhos e ouvidos, por exemplo, é uma pobre imagem das capacidades reais do perispírito. Essa é mais uma imagem externa (máscara, roupagem, ou se quiser, parábola, signo), pois nos faltaria compreensão (pelo menos para a maioria) para entendermos que o perispírito é um receptor total, ao contrário dos receptores parciais humanos. A interação da natureza (incluído aí as leis físicas) com o perispírito é na sua totalidade, e não processada em órgãos específicos.

Não que o perispírito não tenha órgãos ou sistemas, ele os têm, em grande complexidade, mas estes são destinados a processar as energias (e matéria) do plano espiritual.

A mente define o corpo mental. A interação mente e corpo mental estrutura o perispírito, que é o reflexo do grau evolutivo do espírito associado às vibrações energéticas do ambiente onde se encontra.

Lembremo-nos que o processamento das informações é da mente, e não do órgão receptor. Isso é válido até para os encarnados. Não enxergamos com os olhos, mas sim com o cérebro, que decodifica, analisa e processa as informações, convertendo-as em imagem e significado.

Quando do processo da reencarnação, existe uma forte interação entre o campo perispiritual e o potencial genético. O perispírito desencadeia potenciais genéticos na célula-ôvo, mas a determinação gênica também molda o perispírito do encarnado, adaptando-o à realidade de um corpo físico, seus órgãos e sistemas.

É preciso lembrar que os espíritos nos informam que a "...forma humanóide é a básica dos espíritos no universo...", o que não é a mesma coisa que "forma humana". Também é lógico concluir-se que os espíritos desencarnados que estão relacionados à vibração do orbe terrestre, por ainda estarem sujeitos à reencarnação e ao contato gênico, têm uma estruturação externa (morfológica) semelhante à humana.

Como é a mente que processa as informações, é normal que os espíritos menos evoluídos acreditem "enxergar com olhos", "ouvir com ouvidos", "cheirar com nariz", "sentir com a pele". Os mais evoluídos até se utilizam dessa imagem, pois facilita o entendimento e a comunicação.

Espero estar contribuindo com este ensaio. É fruto de síntese pessoal, resultante de muita leitura e pesquisa. Procurei transpor para uma linguagem que possa ser entendida por quem conheça Espiritismo e tenha certa bagagem de conhecimento científico. Acredito no que coloquei, por adquirir convicção, mas admito que existem outras visões, e que talvez, elas possam estar certas. Só não conseguiram me convencer ainda. Mas estou aberto para fazê-lo, se passar pela minha análise pessoal de lógica, razão, bom senso e coerência com o conhecimento científico e com a base doutrinária.

Fonte: www.carlosparchen.net




topo