Espiritualidade e Sociedade



Marco Milani

>     Universalismo, ecumenismo, espiritualismo e outras coisas

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Marco Milani
>  Universalismo, ecumenismo, espiritualismo e outras coisas

 

Não é de hoje que encontramos alguns entusiastas espiritualistas que pretendem abraçar, ao mesmo tempo, diversas linhas doutrinárias sob o argumento da tolerância e respeito a todas as formas de se pensar. Nesse sentido, essas pessoas supõem estar quebrando preconceitos e posicionamentos exclusivistas para disseminar a harmonia universal, sob a alegação de que a verdade não está encerrada em uma só religião e todas podem levar a Deus. Afirmam, ainda, que querem aproveitar o que cada filosofia ou corrente "tem de bom”.

Mesmo que a união fraterna seja um objetivo entre os homens, alguns aspectos lógicos devem ser destacados para se buscar a verdadeira harmonia e a conduta equilibrada. Primeiramente, devemos reconhecer que a diversidade entre os seres humanos é um fato. Em essência, todos somos semelhantes, porém cada um de nós pode ter uma visão de mundo particular e que se diferencia de inúmeras maneiras das demais pessoas. Até aí, nada de novo.

O problema lógico ocorre quando se acha possível aceitar, simultaneamente, pontos de vista divergentes. Não se conseguirá estabelecer relações de causalidade a partir de premissas antagônicas entre si. Por exemplo, não se pode aceitar e negar a reencarnação. Não se pode aceitar e negar a possibilidade de comunicação com seres desencarnados. Não se pode aceitar e negar a individualidade do espírito. Não se pode aceitar e negar que Jesus é um espírito e não seja Deus. Ou se aceita uma coisa ou se nega a sua existência. A tentativa de considerar tudo válido é uma incoerência epistemológica.

Em segundo lugar, cada doutrina é estruturada sobre princípios determinados e que, necessariamente, se forem alterados desvirtuarão todo o edifício teórico construído. No Espiritismo, por exemplo, se adotam premissas, tais como: a existência de Deus (inteligência suprema e causa primária); a existência de dois elementos no universo: espírito e matéria; o estágio do princípio inteligente em diferentes corpos materiais; a sobrevivência e individualidade da alma após a morte do corpo físico; a comunicação com os espíritos; a evolução espiritual até a plena realização do ser (pureza espiritual); a impossibilidade do espírito retroagir em seu processo evolutivo; Leis naturais imutáveis; reencarnação; diferentes moradas no universo; o progresso do espírito depende de suas obras; Jesus é o espírito de maior envergadura moral que reencarnou neste planeta e nos serve de referência; a inutilidade da adoção de símbolos, paramentos ou palavras sacramentais para se entrar em comunicação com os espíritos ou para se dirigir a Deus; o fato de que os astros não possuem qualquer efeito na conduta do espírito; o amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos como ações fundamentais para a evolução espiritual; e a fé raciocinada. Obviamente esses princípios estão coerentemente inter-relacionados.

O que pensar, então, de um suposto adepto do espiritismo que também aceite outras premissas que colidam com as premissas espíritas? Ele ou ela estará, logicamente, sendo incoerente e não desenvolverá uma argumentação racional para interpretar determinado fenômeno. Ele ou ela estará em confusão conceitual.

Aqueles que se dizem universalistas ou ecumênicos e defendem que o mais importante é o respeito e o amor entre todos apenas manifestam o desejo de participar de vários grupos, mas na prática não participam de nenhum. O verdadeiro espírita conhece os princípios doutrinários e age coerentemente com a cosmovisão espírita, assim como o católico, budista, judeu ou qualquer outro espiritualista deveria fazer com relação ao corpo teórico que considera coerente.

Da mesma forma que não é racional acreditar, ao mesmo tempo, no geocentrismo e no heliocentrismo, devemos ter o bom senso de expressar nossas reais convicções (independentemente de quais sejam elas), desde que de maneira coerente. Isso não significa que desrespeitamos quem não pensa como nós, mas apenas que respeitamos a própria consciência. Não precisamos compartilhar das mesmas convicções dos outros para respeitá-los como irmãos que têm a liberdade de pensar diferente.

Marco Milani é professor universitário e economista, responsável pelo Departamento do Livro, USE Regional, SP.

Fonte:
http://educadorespirita1.blogspot.com.br/2014/03/universalismo-ecumenismo-espiritualismo.html


Vistem o blog de Marco Milani
- http://educadorespirita1.blogspot.com.br

Leiam de Marco Milani:

-> Conhecendo e participando da casa espírita
-> História de um político reencarnado, por J. Raul Teixeira
-> O leitor iniciante sabe discernir o que é um bom livro?
-> Livros, Livrarias e Bibliotecas Espíritas
-> Madame Kardec: a história que o tempo quase apagou
-> A Páscoa na visão de algumas religiões, inclusive na do Espiritismo
-> Perfil da Produção Acadêmica Brasileira com Temática Espírita (1989-2006)
-> O puritanismo impertinente de alguns palestrantes no movimento espírita
-> Responsabilidade social e investimento social privado: Entre o discurso e a evidenciação
-> Um breve diálogo entre um espírita e um descrente a respeito da Reencarnação
-> Universalismo, ecumenismo, espiritualismo e outras coisas
-> Vós sois deuses?
-> Zöllner, o cientista espírita

 





topo