Sérgio Biagi Gregório

>   O Espiritismo no Brasil

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Sérgio Biagi Gregório
>   O Espiritismo no Brasil

 


SUMÁRIO
:

1.Introdução.

2.Cenário Internacional:

2.1. O Fenômeno De Hydesville;
2.2.Mesas Girantes;
2.3. Codificação do Espiritismo por Allan Kardec.

3. Primeiros Passos do Espiritismo no Brasil:

3.1. Publicação na Imprensa da Época;
3.2. 1.ª Sessão Espírita;
3.3. Grupo Confúcio;
3.4 Homeopatia e Passes Magnéticos.

4. Fundação da FEB:

4.1. A Missão de Bezerra de Menezes;
4.2. Unificação do Espiritismo;
4.3. Fundação da FEB.

5. Movimento Espírita na Atualidade.

6. Conclusão.

7. Bibliografia Consultada.

 

 

1. INTRODUÇÃO

O objetivo deste trabalho é buscar as origens do Espiritismo no Brasil e sua trajetória através do tempo. O roteiro para este estudo é o seguinte: cenário internacional, primeiros passos do Espiritismo no Brasil, a fundação da FEB e alguns aspectos do movimento espírita na atualidade.


2. CENÁRIO INTERNACIONAL

2.1. O FENÔMENO DE HYDESVILLE

O livro de Arthur Conan Doyle, The History of Spiritualism, traduzido como A História do Espiritismo, relata a seqüência dos fenômenos mediúnicos ocorridos entre o Século XVIII e meados do Século XX.

Diz-nos que os espíritas tomaram oficialmente a data de 31 de março de 1848 — Fenômeno de Hydesville, em que duas crianças conversaram, através de pancadas, com um Espírito já desencarnado — como começo das coisas psíquicas, porque o movimento foi iniciado naquela data. Entretanto não há época na história do mundo em que não se encontrem traços de interferências preternaturais e o seu tardio reconhecimento pela humanidade" (Doyle, s. d. p., p. 33).

Uma data deve ser fixada para início da narrativa e, talvez, nenhuma melhor que a da história do grande vidente sueco Emmanuel Swedenborg (1688-1772), uma grande autoridade em Física e em Astronomia, autor de importantes trabalhos sobre marés e sobre a determinação das latitudes. Era zoologista e anatomista. Financista e político, antecipou-se às conclusões de Adam Smith. Finalmente, era um profundo estudioso da Bíblia. Dizia que "todas as afirmações em matéria de teologia são, como sempre foram, arraigadas no cérebro e dificilmente podem ser removidas; e enquanto aí estiverem, a verdade genuína não encontrará lugar". (Doyle, s. d. p., cap. I)

A história de Edward Irving (1792-1834), ministro presbiteriano, e sua experiência entre 1830 e 1833, é de grande interesse para a construção do pilar histórico do Espiritismo. Edward Irving, embora pertencesse àquela mais pobre classe de trabalhadores braçais escoceses, pregou carismas e dons miraculosos (curas e línguas estranhas) junto à Igreja à qual pertencia. Fato este que o tornou famoso. (Doyle, s. d. p., cap. II)

Andrew Jacson Davis (1826-1910), profeta da nova revelação, com sua clarividência acurada, antecipou o famoso episódio de Hydesville. (Doyle, s. d. p., cap. III)


2.2. AS MESAS GIRANTES

O fato mediúnico marcante, após o episódio de Hydesville, é o fenômeno das mesas girantes, que assolou os Estados Unidos e a Europa, servindo de brincadeiras de salão, quando as mesas dançavam, escreviam batiam o pé e até falavam. É dentro desse contexto que surge a Doutrina Espírita.


2.3. CODIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO POR ALLAN KARDEC

Das brincadeiras de salão, surge Hypollyte Leon Denizard Rivail — Allan Kardec—, um estudioso do magnetismo e do método teórico experimental em ciência. O magnetismo já vinha sendo estudado há algum tempo. Historicamente, Mesmer descobre, em 1779, o magnetismo animal, Puysegur, em 1787, o sonambulismo e Braid, em 1841, o hipnotismo.

Havendo uma disseminação muito grande dos fenômenos das mesas girantes, Kardec, ainda Hipollyte, foi convidado para assistir a uma dessas sessões, pois o seu amigo Fortier, magnetizador, dissera que além da mesa mover-se ela também falava. É aí que entra o gênio inquiridor do pesquisador teórico experimental. Assim, retruca: só se ela tiver cérebro para pensar e nervos para sentir e que possa tornar-se sonâmbula. A partir daí, começa a freqüentar essas sessões, culminando, mais tarde, com a publicação de O Livro dos Espíritos, em 18/04/1857


3. PRIMEIROS PASSOS DO ESPIRITISMO NO BRASIL

3.1. PUBLICAÇÃO NA IMPRENSA DA ÉPOCA

Zêus Wantuil, em seu livro As Mesas Girantes e o Espiritismo, busca dados na imprensa da época, ou seja, no Jornal do Comércio do Rio de Janeiro, no Diário de Pernambuco e no Cearense relatos sobre os acontecimentos das "mesas girantes" na Europa e no Brasil.

No dia 14/06/1853 é publicado, na seção exterior do Jornal do Comercio do Rio de Janeiro, notícias sobre as "mesas girantes", fatos que estão empolgando principalmente os Estados Unidos e Europa. (1957, p.125)

No dia 02/07/1853, o Diário de Pernambuco, em sua seção "Exterior", de notícia procedente de Paris, e datada de 20 de maio, contava o correspondente que "não se pode por o pé em um salão, sem ver toda a sociedade em torno de uma mesa redonda, tendo cada um o dedo mínimo apoiado no do vizinho, e esperando todos em silêncio que a tábula queira voltear". (1957, p.127)

No dia 15/07/1853, o jornal O Cearense transcreve a primeira notícia sobre as mesas girantes, nos seguintes termos: "Apareceu agora em França um fato que despertou sumamente a curiosidade pública: quero falar-lhes das tábulas volteantes (tables tornantes) que embora tenham sido inventadas na América inglesa, os franceses deram carta de naturalização..." (1957, p. 134).

3.2. 1.ª SESSÃO ESPÍRITA

Em 17/09/1865 —Salvador, Bahia —, é instalado o "Grupo Familiar do Espiritismo", o primeiro Centro Espírita do Brasil e, às 20h30min, Luís Olímpio Teles de Menezes preside a uma sessão mediúnica, onde se recebe a primeira página psicografada e assinada por "Anjo Brasil".

Em julho de 1869, para melhor defender e propagar o Espiritismo, duramente atacado pelo clero e imprensa de Salvador, Luís Olímpio Teles de Menezes publica "O Echo D’Além-Tumulo" — Monitor Do Espiritismo no Brasil, o primeiro jornal espírita do Brasil. (Barbosa, 1987, p. 70 e 71)

3.3. GRUPO CONFÚCIO

Funda-se em 02/08/1873, por inspiração do Espírito Ismael, a "Sociedade de Estudos Espíritas — Grupo Confúcio", que pelo seu regulamento deveria seguir os princípios e as formalidades expostas em O Livro dos Espíritos e em O Livro dos Médiuns. Sua divisa era: "Sem caridade não há salvação; sem caridade não há verdadeiro espírita". Extingue-se em 1876.

Composto de neo-espiritualistas, este grupo tinha a incumbência de:

1 - traduzir as obras de Allan Kardec;

2 - divulgar a homeopatia;

3 - escolher o protetor espiritual do Brasil.

Joaquim Carlos Travassos faz parte desse grupo. Traduz O Livro dos Espíritos para o português e passa-o a Adolfo Bezerra de Menezes, que lendo-o pela primeira vez, pareceu-lhe que já lhe era familiar o conteúdo deste livro. (Barbosa, 1987, p.73 e 74)

3.4 HOMEOPATIA E PASSES MAGNÉTICOS

Por volta de 1840, ao influxo das falanges de Ismael, chegavam dois médicos humanitários ao Brasil. Eram Bento Mure e Vicente Martins, que fariam da medicina homeopática verdadeiro apostolado. Muito antes da codificação kardeciana, conheciam ambos os transes mediúnicos e o elevado alcance da aplicação do magnetismo espiritual. (Xavier, 1977)

Por que essa relação entre Homeopatia e Espiritismo?

A ligação entre a Homeopatia e o Espiritismo pode ser vista da seguinte forma: na Homeopatia a ação dos medicamentos não é de natureza material, química, mas sim de ordem dinâmica, fluídica; no Espiritismo consideramos a trindade universal – Deus, Espírito e Matéria – e acrescentamos o períspirito, transformação do fluido universal, a fim de se poder unir o Espírito à matéria. Como o Perispírito está ligado átomo a átomo, célula a célula ao corpo físico, tudo o que passa num, repercute imediatamente no outro. Nesse sentido, o equilíbrio funcional do perispírito pode ser perturbado por agentes fluídicos, da mesma natureza portanto que ele, e essa perturbação, repercutindo no corpo físico, torna-o também enfermo. Do mesmo modo, pela ação de elementos também fluídicos, porém, salutares, pode normalizar-se o perispírito e, consequentemente, o organismo material, intimamente ligado a ele, volve ao seu normal funcionamento. (Thiago, 1983, p. 11 a 13)


4. FUNDAÇÃO DA FEB

4.1. A MISSÃO DE BEZERRA DE MENEZES

Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti (1831-1900) nasceu na Freguesia do Riacho do Sangue – Ceará – com a missão precípua de unificar o Espiritismo nas terras do Cruzeiro.

Para tanto, torna-se presidente da FEB por duas gestões: 1889 e 1895 a 1900.

A sua missão é relatada pelo Espírito Humberto de Campos em Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho nos seguintes termos: "Descerás às lutas terrestres com o objetivo de concentrar as nossas energias no país do Cruzeiro, dirigindo-as para o alvo sagrado dos nossos esforços. Arregimentarás todos os elementos dispersos, com as dedicações do teu espírito, a fim de que possamos criar o nosso núcleo de atividades espirituais, dentro dos elevados propósitos de reforma e regeneração". (Xavier, 1977, p.179)

4.2. UNIFICAÇÃO DO ESPIRITISMO

Depois que o Grupo Confúcio foi extinto, em 1876, o movimento espírita entrou numa fase de muita dissidência, pois cada dirigente queria dar ênfase a um único aspecto da Doutrina Espírita. Assim, uns defendiam exclusivamente o estudo do Evangelho, outros diziam-se Roustanguistas; uns arvoraram-se em científicos, outros diziam-se puros. Como conseqüência, a separação, a desunião, a luta. Foi justamente nesse estado de coisas que surgiu Bezerra de Menezes, a fim de equilibrar o movimento espírita, tornando-o forte, coeso e seguro, no sentido de criar condições para que o Brasil pudesse cumprir a sua missão de fornecedora do Evangelho ao mundo.

4.3. FUNDAÇÃO DA FEB

Para congregar tantas forças dispersas, o Sr. Elias da Silva reuniu em sua casa um grupo de dirigentes e fundou, no dia 1º de janeiro de 1884, a Federação Espírita Brasileira, tendo como primeiro presidente o Sr. Ewerton Quadros, e como órgão oficial a revista O Reformador ("órgão evolucionista"), fundada também pelo Sr. Elias da Silva, no dia 21 de janeiro de 1883. Mesmo assim não foi fácil o trabalho de unificação. Adolfo Bezerra de Menezes, que começou a sua atuação nestes anos, teve muita dificuldade para entender os espíritas. (Barbosa, 1987, p. 79 a 82)


5. MOVIMENTO ESPÍRITA NA ATUALIDADE

Cairbar Schutel (1868-1938), cognominado de bandeirante do Espiritismo, sendo um homem de fibra e de coragem, é colocado como um dos baluartes do Espiritismo. Dizia que sua tarefa estava limitada à divulgação da missão kardecista. Assim, inspirado na figura de Paulo de Tarso, empreendeu uma luta contra os dogmas da Igreja.

Eurípedes Barsanulfo (1880-1918), famoso pelos seus desdobramentos, contribuiu eficazmente para a causa espírita. Não mediu esforços para a divulgação do Espiritismo, inclusive com ameaça de morte por parte de seus adversários.

Francisco Cândido Xavier é, talvez, o mais eminente divulgador da Doutrina Espírita. Nasceu, no dia 02 de abril de 1910, na cidade de Pedro Leopoldo, em Minas Gerais. Aos 5 anos de idade, já conversava com o Espírito de sua mãe (desencarnada). Com mais de 400 livros psicografados (muitos dos quais, hoje, traduzidos e editados em várias línguas), presume-se que o autor tenha ficado mais de 11 anos em transe mediúnico. O Espírito Emmanuel (que já reencarnou como Públio Lêntulus, senador romano da antigüidade, e como Padre Manoel da Nóbrega), é o seu guia protetor.

Além desses nomes podemos citar J. H. Pires, Yvone A. Pereira, Divaldo Pereira Franco e outros.


6. CONCLUSÃO

Estamos mundialmente entrelaçados: o que acontece num país, o outro fica logo sabendo. Muitas vezes descobre-se algo num país, mas é em outro que vemos o seu desenvolvimento. O Espiritismo é um exemplo prático. Nascido em França, teve o seu florescimento em nossa pátria. Hoje, não são poucos os adeptos brasileiros desta doutrina esclarecedora do mundo invisível.


7. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

BARBOSA, P. F. Espiritismo Básico. 3. ed., Rio de Janeiro, FEB, 1987.

DOYLE, A. C. História do Espiritismo. São Paulo, Pensamento, s. d. p.

THIAGO, L. S. Homeopatia e Espiritismo. 2. ed., Rio de Janeiro, FEB, 1983.

WANTUIL, Z. As Mesas Girantes e o Espiritismo. Rio de Janeiro, FEB, 1957.

XAVIER, F. C. Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho. 11. ed., Rio de Janeiro, FEB, 1977.

 

 

Artigo veiculado originariamente na página do Centro Espírita Ismael

Fonte: http://www.ceismael.com.br/artigo/artigo002.htm

 

Leiam de Sérgio Biagi Gregório

>   Ciência e Espiritismo

>   Druidismo e Espiritismo
>   O Espiritismo no Brasil
>   Etimologia e Semântica
>   Evolução da Idéia Espírita
>   A Importância do Ensino no Centro Espírita
>   A Importância dos Livros da Codificação
>   Meio Ambiente e Espiritismo
>   Reflexos Condicionados

 



topo

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual