Espiritualidade e Sociedade



Divaldo Pereira Franco

>   Clamor Social: o Clímax e a indiferença dos governantes

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Divaldo Pereira Franco
>   Clamor Social: o Clímax e a indiferença dos governantes

Quando as injustiças sociais atingem o clímax e a indiferença dos governantes pelo povo que estorcega nas amarras das necessidades diárias, sob o açodar dos conflitos íntimos e do sofrimento que se generaliza, nas culturas democráticas, as massas correm às ruas e às praças das cidades para apresentar o seu clamor, para exigir respeito, para que sejam cumpridas as promessas eleitoreiras que lhe foram feitas...

Já não é mais possível amordaçar as pessoas, oprimindo-as e ameaçando-as com os instrumentos da agressividade policial e da indiferença pelas suas dores.

O ser humano da atualidade encontra-se inquieto em toda parte, recorrendo ao direito de ser respeitado e de ter ensejo de viver com o mínimo de dignidade.

Não há mais lugar na cultura moderna, para o absurdo de governos arbitrários, nem da aplicação dos recursos que são arrancados do povo para extravagâncias disfarçadas de necessárias, enquanto a educação, a saúde, o trabalho são escassos ou colocados em plano inferior.

A utilização de estatísticas falsas, adaptadas aos interesses dos administradores, não consegue aplacar a fome, iluminar a ignorância, auxiliar na libertação das doenças, ampliar o leque de trabalho digno em vez do assistencialismo que mascara os sofrimentos e abre espaço para o clamor que hoje explode no País e em diversas cidades do mundo.

É lamentável, porém, que pessoas inescrupulosas, arruaceiras, que vivem a soldo da anarquia e do desrespeito, aproveitem-se desses nobres movimentos e os transformem em festival de destruição.

Que, para esses inconsequentes, sejam aplicadas as corrigendas previstas pelas leis, mas que se preservem os direitos do cidadão para reclamar justiça e apoio nas suas reivindicações.

O povo, quando clama em sofrimento, não silencia sua voz, senão quando atendidas as suas justas reivindicações. Nesse sentido, cabe aos jovens, os cidadãos do futuro, a iniciativa de invectivar contra as infames condutas... porém, em ordem e em paz.

_____________________________

"Neste tempo aqui, não se discute de uma troca parcial de uma renovação limitada a um sítio, a um povo, a uma raça; é um movimento universal que se opera no sentido do progresso moral. Uma nova ordem de coisas tende a se estabelecer, e os homens que o sejam os maiores opositores aí trabalham por seu desconhecimento; a geração futura, desembaraçada das escórias do velho mundo e formada de elementos mais depurados, encontrar-se-á animada de ideias e sentimentos distintos dos que a geração presente que se vai a passos de gigante. O velho mundo estará morto e viverá na História como atualmente os tempos da idade média, com seus costumes bárbaros e suas crenças supersticiosas.

De resto, cada um sabe que a ordem das coisas atuais deixa a desejar; após ter de alguma sorte, esgotado o bem-estar material que é o produto da inteligência, chega-se a compreender que o complemento deste bem-estar só pode estar no desenvolvimento moral. Quanto mais se avança, mais se sente o que falta, sem, entretanto poder ainda defini-lo claramente; é o efeito do trabalho íntimo que se opera pela regeneração; tem-se desejos, aspirações que são como o pressentimento de um estado melhor."
Allan Kardec, in A Gênese, Cap. XVIII, Sinais dos Tempos, item 7.


Fonte: JORNAL A TARDE - Salvador/BA - 20/06/2013

 


topo

Leia também de Divaldo Franco:

->  Apometria, Corrente Magnética e Cromoterapia
->  Apometria não é Espiritismo
->  Clamor Social: o Clímax e a indiferença dos governantes 
->  Cura e Autocura
->  Educação para a Plenitude do Ser
->  Entrevista de Divaldo Franco sobre Homossexualidade
->  Espiritizar
->  Evolução - entrevista
->  Malhar o Judas 
->  Médiuns e mediunidade
->  Normose
->  Perispírito e Pensamento
->  Psiquiatria e Obsessão
->  Sobre os médiuns curadores
->  Tragédias coletivas

Leia também de Divaldo Franco e J. Raul Teixeira:

->  Estudo da mediunidade