Espiritualidade e Sociedade



Roberto Valadão Fortes

>      Apartidarismo x Antipartidarismo

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Roberto Valadão Fortes 
>   Apartidarismo x Antipartidarismo.  Uma questão não compreendida dos atuais movimentos que tomaram as ruas do Brasil.

 

Depois de séculos de opressão, humilhações em todos os setores da vida pública, o gigante acordou. E, pelo jeito, parece não querer mais dormir. Diante desse contexto, uma questão surge, merecendo atenta análise. Trata-se da proibição de pessoas levarem bandeiras de partidos políticos ou mesmo de movimentos sociais históricos.

Muitos não tardam de chamar tais proibições de fascistas. Além de demonstrar desconhecimento de teoria política, tais posicionamentos em nada ajudam na compreensão desse fenômeno, até porque oriundo de um movimento sem líderes, articulado nas redes sociais pelos mais variados atores da sociedade brasileira, sem um rosto ou uma ideologia definida.

Em verdade, essas proibições são o ponto alto de um fen??meno há bastante identificado na sociedade brasileira: a perda de legitimidade dos partidos políticos. Isso é grave. A Constituição desta nação foi construída a partir da ideia de que os partidos são a caixa de ressonância dos diversos segmentos integrantes da sociedade brasileira, a própria base da democracia brasileira.

Todavia, a práxis dos partidos políticos brasileiros não tem sido no sentido de refletir as ideologias latentes na sociedade brasileira, a compor o salutar dialética que deve vigorar no processo político de um Estado Democrático Brasileiro. Tem sido, sim, no sentido de satisfazer os interesses imediatistas dos ocupantes dos cargos públicos eletivos.

Independentemente da bandeira, da sigla, o político brasileiro é visto como corrupto, sem qualquer compromisso com o seu discurso, destituído de qualquer senso ético e moral. É eleito porque o voto é obrigatório. É eleito porque a legislação brasileira permite o voto de legenda, que muitas das vezes permite o ingresso no parlamento de pessoas que, muitas das vezes, recebem um número ínfimo de votos.

Com isso, há bastante tempo construiu-se a ideia de que a corrupção é inerente à política, de que os políticos nada valem. Em um primeiro momento, tal postura ideológica fomentou uma inércia popular, uma falta completa de vontade de lutar para mudar a realidade deste País. Contudo, como se pode perceber, gerou um sentimento calado de desprezo pelo político, pelo discurso partidário, pela existência de partidos políticos. E, como consequência, hoje as pessoas se sentem ofendidas ao ver alguém, em um movimento que luta pela ética, levantar uma bandeira de partido político.

O povo não mais vê os partidos políticos como caixas de ressonância da democracia. O povo vê os partidos políticos como organizações criminosas autorizadas por lei. E, como consequência, os partidos políticos estão recebendo o tratamento de organizações criminosas.

E, de fato, esse tratamento é uma conquista da classe política brasileira, independentemente de bandeira partidária, porque muito lutou por isso.

É claro que esse cenário possui um viés tenebroso porquanto pode dar azo a uma série de eventos nocivos à manutenção da democracia. No entanto, é bom destacar que esse viés tenobroso se transformará em uma realidade se os partidos políticos forem incapazes de se reformularem a partir de uma autocrítica.

Não há dúvida. Os partidos políticos brasileiros trabalharam ardorosamente para perderem a sua legitimidade social. E sem legitimidade, qualquer estrutura social tende a ser suplantada pelos ventos da História. É o que se verificou, por exemplo, com a estrutura monárquica que vigorava na França e na Rússia.

Não se pode olvidar que a França revolucionária experimentou momentos tenebrosos com a queda da monarquia. Excessos foram cometidos. Contudo, foram cruciais para a construção da sólida república francesa. Talvez precisemos de momentos tenebrosos para construir uma estrutura política melhor do que vigente neste País. E eles virão se a classe política não se reformular. A questão posta perante à realidade brasileira não mais se refere à manutenção do "status quo" da classe política. Refere-se, sim, à sua sobrevivência.

Neste momento não sei o que a deslegitimação dos partidos políticos brasileiros poderá gerar. Porém, algo acontecerá, ainda que não imaginado pelo gênio humano. Mas certo é que a atual práxis da política brasileira não mais pode subsistir.

De qualquer forma, não há espaço lógico ou mesmo moral para argumentações contrárias à proibição de bandeiras partidárias nos movimentos pátrios que lutam por ética, já que, conforme já dito, os partidos políticos brasileiros, há muito tempo, perderam o viés de caixa de ressonância democrática para se transformarem em quadrilhas institucionalizadas.

O movimento é antipartidário. E assim deve se manter.

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2013.

Roberto Valadão Fortes


topo

Leia outros textos de Roberto Valadão Fortes

-> Apartidarismo x Antipartidarismo. Uma questão não compreendida dos atuais movimentos que tomaram as ruas do Brasil
-> A Doutrina Espírita e o exercício da cidadania

-> Critério Científico da Verificação da validade do Discurso Espírita
-> A Falsa Solução
-> A Homossexualidade na perspectiva da ciência oficial, da sociedade, das religiões tradicionais e do Espiritismo
-> A Relevância moral da homossexualidade na perspectiva espírita
-> O Perispírito e o mecanismo do passe
-> A Segunda Morte


topo