Rita Foelker

>    Imagem: a loucura do momento

Artigos, teses e publicações

Compartilhar
Rita Foelker
>    Imagem: a loucura do momento

Uma vida mais espiritualizada pode prevenir possíveis transtornos mentais associados à vida moderna


O texto não é recente, foi postado em 2009, no blog “Beleza Sustentável”, reproduzido em outros blogs, e seu título é “Cirurgia de lipoaspiração?”. Escrita pelo músico e compositor Herbert Vianna, a postagem menciona o excesso de preocupações estéticas dos jovens de nosso tempo, e apresenta a pergunta: “ninguém está percebendo que toda essa busca insana pela estética ideal é muito menos lipo e muito mais piração?”

Passados quase quatro anos, a situação mudou pouco, o que não impede que possa ser analisada sob um novo ângulo.

Recentemente, o psicólogo Frederico Eckschmidt colaborou na edição 10 do Leitura Espírita, de Fevereiro de 2013, com um texto onde observa os efeitos da ausência de uma compreensão espiritual da existência no aumento da incidência de doenças mentais, verificado em estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS). Enquanto isso, a palavra escolhida por Vianna para referir-se ao verdadeiro culto à imagem que temos desenvolvido é reveladora: “piração”. Mas qual seria a cura ou, então, a profilaxia para esse tipo de insanidade?


Como preencher o vazio interno

“Hoje, Deus é a auto-imagem. Religião é dieta. Fé, só na estética. Ritual é malhação. Amor é cafona, sinceridade é careta, pudor é ridículo, sentimento é bobagem. Gordura é pecado mortal. Ruga é contravenção. Roubar pode, envelhecer não. Estria é caso de polícia. Celulite é falta de educação.” – define o cantor. O caso parece mesmo ser de uma “devoção religiosa” pela imagem, o que nos remete ao texto do Fred, no qual ele afirma que, além dos fatores neurológicos e psicológicos e do impacto de viver em áreas urbanas para a saúde mental, devido ao aumento de percepção da desigualdade social, isolamento e dissolução de relações, a ausência de espiritualidade pode também ser causa de doenças, notando-se ainda que, segundo ele escreve, “a vida em sociedades industriais e tecnológicas dificulta essa observação e/ou ocupação dos indivíduos com as práticas espirituais”.

Enquanto isso, em Kundalini: o mestre e o discípulo (Ed. Heresis), Kiu Eckstein nos deixa uma frase de seu mestre que bem resume isto: “A melhor de todas as terapias é voltar-se decididamente para um estilo de vida espiritual”.

De minha parte, estou cada vez mais convencida de que uma vida espiritual (ou espiritualizada) é sinônima de uma vida simples e de uma vida confiante. Uma vida onde se age com consciência, valorizando o que realmente importa, com segurança acerca das prioridades e sem abusos.

Entendo que simplicidade não tem a ver com falta, nem com privação. Não é usar a coisa mais barata que existe, apenas para ser contra os hábitos burgueses. Ou ficar andrajoso, “molambento”. Entendo que há simplicidade em usar aquilo que nos faz bem, de acordo com nossas possibilidades.

Se eu tiver dinheiro e gostar de algo caro, para comer, vestir ou dirigir, creio ser possível manter-se simples e usufruir esse “algo” caro. O ponto-chave da questão é fazer algo pra se sentir bem consigo mesmo e, não, pra ostentar, pra manter uma aparência ou imagem. Também não é crime nem pecado fazer plástica ou outro procedimento indicado para nós. A questão é agir segundo a própria consciência e, não, para preencher expectativas sociais. Há pessoas que se afundam em dívidas apenas para aparentar um nível de vida que não é o seu, para se fazerem magras e sem rugas, apesar de suas enormes frustrações e sofrimentos internos. E isso nada mais é que criar dificuldades para si mesmas, enovelar-se em situações desagradáveis, em lugar de caminhar para um estado mais pleno de felicidade e satisfação.

Da mesma maneira, o mais "em conta" ainda pode ser bem bacana e não precisa ser depreciado.

Ocorre que, para perceber isso, precisamos assentar bem os pés no chão e, para tanto, uma perspectiva espiritual da existência ajuda muito. Perceber quem e o que realmente importa mais pra nós. E continuar olhando para essas pessoas importantes, essas ideias e esses valores, tentando praticá-los. Mas para estarmos bem, é preciso ainda confiar na origem das ideias e valores que abraçamos, para fazê-lo com a necessária segurança que contribui para a paz íntima.

Reconhecemos, desse modo, a legitimidade do desejo ao qual Herbert Vianna se refere ao dizer que “Ok, eu também quero me sentir bem, quero caber nas roupas, quero ficar legal, quero caminhar, correr, viver muito, ter uma aparência legal”. Afinal, nada disso é negação de uma vida espiritualizada, onde existem simplicidade e confiança profunda na dimensão invisível da vida.


Para saber mais:

- Frederico Eckschimidt, Espiritualidade, doenças mentais e a evolução do cérebro humano. Jornal Leitura Espírita, Edição 10, fevereiro de 2013, página 10.
- Herbert Vianna, Cirurgia de lipoaspiração? Disponível em:

http://migre.me/d0JqT

Fonte: http://cienciadoinvisivel.blogspot.com.br/2013/03/imagem-loucura-do-momento.html




topo

Leiam outros artigos de Rita Foelker

Foelker, Rita
-> Aceitar cada criatura como ela é
-> A arte de perguntar
-> Autenticidade e Comprovações
-> Calibrando Medidores Internos
-> Diálogo entre as ciências
-> Diferencial do ensino espírita para crianças
-> Ensino filosófico e ensino religioso
-> Dos conhecimentos como ferramentas
-> Famílias espiritualmente inteligentes
-> Filosofia espírita para crianças: uma proposta pedagógica
-> Livro dos Médiuns
-> O mundo espiritual está além ou aqui?

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual