Rodrigues Ferreira

>   A Ciência e a Doutrina Espírita

Artigos, teses e publicações

Rodrigues Ferreira
   >   A Ciência e a Doutrina Espírita



ASTRONOMIA

Até hoje, tudo o que se sabia sobre a quantidade de estrelas do céu era que havia milhares de galáxias, cada uma com cerca de 200 bilhões de estrelas. Agora, através da colagem de 269 chapas batidas pelo Observatório Siding Springs, na Austrália, foi possível conseguir-se a mais ampla imagem já obtida do Universo com um resultado é espantoso: mostra 3 milhões de galáxias. Fazendo as contas dá 600 quatrilhões de astros como o nosso sol. Este número é tão grande que não somos, normalmente, capazes de atinar com o seu conteúdo. É assombroso! E não é definitivo porque, através de tecnologias que, certamente, chegarão, números maiores ainda serão encontrados. Agora, pense sobre aquela citação de Jesus as muitas moradas na casa do pai. A Doutrina Espírita saiu na frente ao afirmar, com Allan Kardec, que o universo todo é habitado por humanidades que, como a nossa, caminham para perfeição.

BIOLOGIA

A natureza, tendo por trás a Providência Divina, regula o tempo de vida dos seres vivos, inclusive do homem. A luta científica para aumentar-se este tempo tem sido produzida, com grande empenho, em todos os laboratórios do mundo. Conseguiram-se, já, inúmeros resultados satisfatórios, elevando de muito o tempo de sobrevida média das populações. Mas, o sonho de vida longa, na carne, sem a deterioração natural e progressiva do corpo, tem sido meta perseguidíssima. Agora, uma equipe italiana de médicos pesquisadores anunciou a descoberta de um gene que diminui o tempo de vida dos ratos: animais de laboratório, sem ele, vivem 30% mais do que o normal. O tal gene existe no genoma humano mais ainda não foi pesquisado. O pessoal está chegando perto de aumentar o tempo de encarnação, não está? Será que o planejamento das experiências de sofrimento e aprendizado já prevê isto? Vamos pensar...

PALEONTOLOGIA

É fascinante o estudo dos dinossauros, não é? E o pessoal da pesquisa não para nunca de procurar novidades. Agora mesmo o palentólogo Richard Cifelli encontrou em Oklahoma, USA, os fósseis de um que passou a ser tido como o maior animal de todos os tempos, um tal de Sauroposeidon, que pode ser pensado como um Brachiosauro tamanho família, pois tinha 60 toneladas de peso e 18 metros de altura. Há certas pessoas que gostam de pensar em coisas próprias as melhores e maiores do que as dos outros. Usam, como linguagem normal, certas expressões superlativas falando, por exemplo, que este é o maior médium da casa, aquele é o maior orador da cidade, um outro é o maior caridoso de quantos conhece etc. Será que você também faz isso? Afinal que importância tem ser um pouco maior ou um pouco melhor, em termos de virtude? Em que o Sauroposeidon é melhor do que o Brachiosauro? Ainda não perdemos a mania de grandeza, a de querer superar os outros!...

FISIOLOGIA

Notícias bioquímicas da Universidade da Califórnia dão conta de que, em ratos, os neurônios da dor entram em ação quando se goteja água com gás na sua língua. É que o gás carbônico, ao se misturar com a saliva, se transforma em ácido carbônico causando uma pequena irritação, dolorida, na língua. O cérebro, entretanto, interpreta essa pequena dor como cócega, simulando uma sensação de prazer. Daí vem o fascínio que os refrigerantes exercem sobre as pessoas e, não tanto, por seu sabor tido como agradável. Um médico especialista estava me falando que os refrigerantes, tomados sistematicamente, irão causar um grande mal aos ossos depois de 20 ou 30 anos. Isto para não falar do mal que fazem prejudicando a estética da pessoa, através do aumento das gorduras corporais. Temos, aqui, um exemplo de como uma coisa tida como boa pode ser má realmente: um bom papo maledicente, uma censura indiscriminada, uma desaprovação, uma insinceridade e tantas outras.

SAÚDE

A Universidade de Yale descobriu uma bactéria, do grupo das salmonelas, que pode ser um bom remédio na cura do câncer. Os testes, já autorizados para humanos, consistem em injetar o micróbio dentro do tumor que, agora, encontra uma competição desleal para usar a comida que chega, passando a definhar-se. A ciência encontrou mais um jeito de usar um mal para fazer um bem. Em nossa vida particular teremos de descobrir, também, um modo de fazer isso, acelerando nossa reforma íntima. E, depois, ou durante, ensinar ao nosso movimento espírita nacional, a reduzir a competição entre agrupamentos ou, pelo menos, como transformá-la em um bem.

FÍSICA NUCLEAR

A superstição não tem limites, não é mesmo? Muitas pessoas acreditam que os faraós envolviam seus túmulos com maldições para protegê-los de futuros violadores e caçadores de riquezas que, aliás, quando colocadas nas tumbas, sempre foram indicadores do primitivismo religioso daqueles povos. A suposta maldição ficou bem mostrada quando, em 1922, os arqueólogos que abriram o sarcófago de Tutancâmon, morreram imediatamente de males ignorados. Descobriu-se, agora, com a própria Agência de Energia Atômica Egípcia, que as pedras das necrópoles antigas continham urânio em grande quantidade, não passando a maldição de simples envenenamento radioativo. Bem faz a Doutrina Espírita quando combate a ingenuidade e a ignorância contidas nas crendices e superstições. Deus construiu o seu universo usando leis precisas e fáceis de serem conhecidas e aplicadas. Uma delas é a Lei de Causa e Efeito. Assim, nunca existem o maravilhoso e o mágico dentro da natureza, como dizia Allan Kardec.

 

Fonte: Jornal Consciência Espírita

Veículo de Divulgação Doutrinária Espírita originário de S. J. R. Rio Preto e Mirassol - SP



topo

 

 

Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual