Rodrigo Cunha

>    Jesus: mitológico ou histórico? Sobretudo, literário

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Rodrigo Cunha
>    Jesus: mitológico ou histórico? Sobretudo, literário

 

Apesar de não ter deixado nenhum documento escrito de próprio punho – assim como Sócrates – Jesus Cristo não tem sua existência questionada – diferente do que acontece com o filósofo grego. Trata-se de uma das figuras históricas sobre as quais mais documentos se tem na literatura – seja ela “oficial” ou de ficção. Pelo critério da múltipla confirmação, a partir do relato de sua vida feito por diferentes autores que nunca se viram, ele de fato existiu. Por um lado, é tido como um revolucionário histórico assassinado por se auto-proclamar o Rei dos Judeus dentro dos domínios de um ainda poderoso Império Romano. Por outro, é um semi-deus mitológico cujas glórias foram cantadas por legiões de admiradores, tal como o Ulisses das epopéias gregas. Seja de ficção ou não, literatura sobre ele é o que não falta.

De acordo com a historiadora Eliane Moura Silva, da Unicamp, os fatos da vida de Cristo são relatados de passagem em alguns textos antigos, como a Vida dos Judeus, de Flávio Josefo, que viveu entre os anos 37 d.C. e 103 d.C., porém de forma pontual e não muito extensiva. Segundo ela, há estudos que revelam ser verdadeiras muitas das referências históricas contidas nos Evangelhos do Novo Testamento, que tratam da vida de Cristo, mas que também foram escritos posteriormente. “Trata-se de período conhecido da história do Império Romano, embora a Judéia [onde Jesus viveu] não fosse a principal preocupação nem a província romana mais importante na época”, afirma.

Uma dessas referências históricas é o reinado de Herodes Antibas, durante o qual Jesus nasceu. Como esse reinado acabou quatro anos antes do marco zero do calendário cristão os pesquisadores são praticamente unânimes em afirmar que o nascimento de Jesus se deu, na verdade, entre os anos 6 a.C. e 7 a.C.. Outra unanimidade é que nenhum pesquisador, atualmente, atribui ao Santo Sudário valor histórico para provar a existência de Jesus. Uma pesquisa iniciada pelo brasileiro Carlos Chagas Filho, que foi Decano da Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano, datou o tecido tido como Santo Sudário como sendo do século VII, não podendo ter sido usado para cobrir o rosto de Cristo em sua crucificação.

Luis Carlos Susin, da Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul (RS), também menciona os textos literários como os principais documentos históricos de que os pesquisadores dispõem para o estudo do período em que Cristo viveu. Segundo ele, através do encadeamento de uma literatura secundária – sobre os relatos bíblicos – e estudos de evolução histórica das línguas nas quais foram escritos o Antigo Testamento (hebraico) e o Novo Testamento (grego), é possível ter bases científicas para os fatos em torno de Jesus narrados na Bíblia. “A arqueologia ajuda na confirmação e na contextualização, mas permanece muda, sem documentos literários”, acredita Susin.

Já Israel Finkelstein, diretor do Instituto de Arqueologia da Universidade de Tel Aviv, em Israel, diz que sua área de pesquisa é a única que fornece dados novos em relação ao que já se conhece sobre os fatos relatados na Bíblia. Uma das recentes descobertas arqueológicas foram as ruínas de um antigo local de peregrinação religiosa, cuja datação indicou que ele teria sido construído por volta do século III d.C. Essas ruínas estavam nas margens do rio Jordão, onde Jesus teria sido batizado por João Batista, segundo o relato bíblico. Outros achados arqueológicos são os restos de um barco e de uma casa que teria sido de um dos discípulos de Jesus, em Cafarnaum, uma aldeia de pescadores onde ele começou a pregar.

O historiador André Chevitarese, do Laboratório de História Antiga da UFRJ e do Núcleo de Estudos Estratégicos, da Unicamp, explica que existem dois tipos de pesquisa arqueológica relacionada a fatos bíblicos. Uma é fundada nas religiões judaico-cristãs, com viés religioso, tentando provar a veracidade da Bíblia, e político, tentando provar que as terras da região de Israel sempre pertenceram aos judeus. A outra vertente parte de relatos como os do Velho Testamento para procurar, por exemplo, restos arqueológicos materiais em regiões descritas pelo texto bíblico, sem uma finalidade prévia de comprovar ou refutar a Bíblia.

“Parece existir uma contradição entre a narrativa dos Livros dos Reis, que fala de Salomão, e o que foi encontrado pelos arqueólogos”, exemplifica Chevitarese. Segundo ele, não havia nenhum vestígio de construções suntuosas datadas do século X a.C., época em que teria reinado Salomão. “As grandes construções que os relatos bíblicos atribuem ao período fazem parte de um discurso ideológico para valorizar Salomão em relação a outros reis. Isso significa que devemos ter cautela sobre a literatura da época”, avalia.


Outro achado importante, que mobilizou arqueólogos, historiadores, filólogos e cientistas da religião, foram os pergaminhos encontrados em vasos de cerâmica nas cavernas de Qumram, próximas ao Mar Morto. Esse material, que pôde ser visto no Brasil em exposições no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, e na Pinacoteca de São Paulo, inclui pedaços de manuscritos originais de textos do Velho Testamento – correspondente à Torá judaica – e textos de reflexão dos essênios, que explicam por que essa comunidade de judeus foi para o deserto viver segundo suas tradições: eles haviam brigado com os sacerdotes do Templo de Jerusalém, que segundo eles, haviam violentado as leis da Torá. Apesar de nada informarem sobre Jesus ou o cristianismo, esses documentos revelam que um judeu celibatário, como Cristo, não era tão incomum assim naquele período.

Para o arqueólogo israelense, os relatos do Antigo Testamento – que narram desde a criação do homem até a longa travessia dos judeus pelo deserto antes de sua chegada à terra prometida de Canaã – são uma mera coleção de mitos e epopéias literárias criados a partir do século VII a.C. E o teólogo James Veitch, diretor do Programa de Estudos Religiosos da Victoria University of Wellington, na Nova Zelândia, diz o mesmo inclusive a respeito dos Evangelhos do Novo Testamento que, segundo ele, seriam histórias orais, em sua origem, nas quais as figuras centrais são seres sobre-humanos ou divinos – como as epopéias gregas que deram origem à literatura ocidental.

“O testemunho transmitido por tradição oral nos primeiros séculos têm um peso decisivo, que não pode ser descartado”, pondera Susin, da PUC-RS. Mas Veitch, em The birth of Jesus: history or myth, afirma que Jesus foi basicamente um bom judeu que fez o melhor de si para apresentar Deus a seus contemporâneos, e teria sido Saulo de Tarso – que ficou conhecido posteriormente como Paulo – o responsável pela disseminação do cristianismo e pela divinização de Jesus. “Foi o grupo que catequizou Paulo que colocou a ressurreição como elemento central da cristandade de Jesus. E Paulo, um judeu helenizado, que falava grego e vivia em cidades, soube dialogar com outras culturas não judaicas, disseminando o cristianismo”, confirma Chevitarese.

A literatura de ficção, a exemplo de alguns teólogos e historiadores, também explora um lado mais humano e menos divino de Jesus. Entre os vários exemplos, estão O evangelho segundo Jesus Cristo, de José Saramago, e A última tentação de Cristo, de Nikos Kazantzakis, este último adaptado para o cinema por Martin Scorsese. Ambos exploram uma relação amorosa que Cristo teria tido com Maria Madalena e que não aparece nos Evangelhos. No recente best-seller O código Da Vinci, de Dan Brown, a protagonista Sophie, neta do diretor do Museu do Louvre, em Paris, descobre ao final da trama, ser uma descendente direta da linhagem iniciada na relação entre Jesus e Madalena.

Sobre essa suposta relação, a historiadora da Unicamp Eliane Moura Silva observa que há muita coisa escrita no gênero romance. Os autores vão desde grupos que repensam esta questão como uma tradição paralela que a Igreja nega ou esconde, para justificar o celibato dos padres, até grupos feministas que querem rever a questão do celibato e da ordenação feminina. “Alguns autores, como Saramago, buscam, nessa relação sensual e amorosa, recuperar o Cristo humano submetido ao comum que é a marca da vida de homens e mulheres. Não há muito que comprove nada disso do ponto de vista de documentação de ‘época’”, diz.

Para Susin, pesquisador da PUC-RS, a leitura preconceituosa da história da cristandade pintando Madalena como uma mulher pecadora não condiz com os textos dos Evangelhos, nos quais ela aparece como uma discípula proeminente. “Mas disso passar a ser a relação íntima de Jesus, é tocar na imaginação, no desejo e na inquietação, o que é uma sacada de mercado”, diz Susin. “O autor consegue incluir um elemento deixado à sombra numa cultura patriarcal: a mulher, a sexualidade no coração da espiritualidade, a relação de gênero”, completa.

Se os historiadores e arqueólogos não podem dizer nada a respeito do grau de intimidade na relação entre Madalena e Jesus, é possível pelo menos fornecer pistas sobre o homem que ele foi. Chevitarese menciona escavações arqueológicas que encontraram restos de um teatro grego datado de 20 d.C. em uma cidade a 6 km de Nazareth, onde Jesus nasceu, chamada Séforis, na qual ele provavelmente trabalhou na mesma profissão de seu pai, como carpinteiro. O pesquisador da UFRJ lembra uma palavra muito usada por Jesus – hipócrita, que em grego significa “ator de teatro” ou “aquele que usa máscara” – para levantar a hipótese de que ele não era um matuto, mas um homem urbano que teve contato com a cultura helênica em Séforis, próxima à sua cidade natal. Mais um aspecto que, de certa forma, permite relacioná-lo com o Ulisses das epopéias literárias.

Fonte: http://www.comciencia.br/reportagens/2005/05/04.shtml



topo