Espiritualidade e Sociedade



Humberto Schubert Coelho

>   A Mediunidade na Literatura - Grécia

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Humberto Schubert Coelho
>   A Mediunidade na Literatura - Grécia



Como este texto pretendemos abrir caminho para discussões e exposições de fatos incontestavelmente mediúnicos, seja na exposição de obras da literatura clássica, seja no processo de sua escrita.

É bem conhecida a importância dos poetas e literatos de todas as épocas sobre a religião e a cultura. Muitas vezes são indivíduos positivamente inspirados, além de trazerem grande bagagem de conquistas na área da sensibilidade e da memória, como freqûentemente ocorre entre artistas. A vantagem da literatura está em que este campo da Arte situa-se na fronteira entre a pura Arte, de um lado, e as Ciências Humanas e a Filosofia, de outro. O argumento, portanto, está presente na grande obra literária, a discursividade, a exposição mais ou menos racional dos temas, enfim, elementos que pôem a Literatura em condição privilegiada para a transmissão de uma mensagem, mais do que apenas um sentimento.

Sob o termo literatura também se englobam relatos menos artísticos, ensaios e trabalhos de caráter mais teórico, de modo que os diálogos de Platão (428/427-348/347 a.C.) ou os livros da Bíblia estão perfeitamente inseridos sob este termo.

Uma boa mostra da forte presença da mediunidade entre os gregos, e que nos ajuda a compreender como eles tinham consciência do fenômeno, é a passagem do diálogo platônico Timeu, onde os ministros do Deus Supremo, os deuses menores ou "demônios", deveriam seguir a ordem de criar o corpo humano de modo que ele fosse o mais próximo possível do Deus Supremo. Neste próposito, deram ao homem um órgão (supostamente o fígado) que percebe a inspiração divina, destacando-se que a inspiração não acomete aos homens mais sábios, mas aos mais tolos ou que parecem loucos:

Nenhum homem em sua sobriedade atinge o estado de inspiração divina profética, mas quando ele recebe a palavra profética, ou a sua inteligência é afastada pela dormência, ou ela se torna equívoca pelo estado de posssessão, e aquele que quiser interpretar as palavras divinas, seja obtidas em sonho ou acordado, ou determinar racionalmente o significado das visões de aparições, compreendendo os resultados destes fenômenos para o bem ou o mal dos homens, no passado, presente ou futuro, deve primeiramente recuperar sua sobriedade.

No entanto, continua Platão:

Nem sempre um homem se lembra daquilo que disse em estado profético, de modo que é conveniente haver uma ou mais testemunhas durante a profecia e as visões. Assim, aqueles que estão em seu estado de perfeita sobriedade, podem interpretar melhor a narrativa daqueles que estiverem inspirados.
(http://www.classicallibrary.org/plato/dialogues/17_Timaeus.htm)

Observa-se claramente que Platão não está defendendo um argumento, está meramente descrevendo um fato, tal era a naturalidade com que lidava com fenômenos deste tipo.

Igualmente clara é a conclusão a que ele chega no Íon:

E assim Deus arrebata a mente dos poetas, e os utiliza como seus ministros, assim como também usa adivinhos e os santos profetas, de modo que nós que os escutamos sabemos que a sua fala não provém deles, e eles não pronunciam palavras vazias neste estado de inconsciência, mas é o próprio Deus quem fala, e através deles Ele conversa conosco.
(http://www.classicallibrary.org/plato/dialogues/8_Ion.htm)

Somando-se os dois relatos percebemos que o estado profético ou inspirado, descrito pelo filósofo, tem importantes implicações científicas. Como Kardec, ele (ou talvez seu mestre Sócrates) parece ter avaliado rigorosamente o processo a ponto de formular uma compreensão teórica bastante correta da fenomenologia mediúnica. Estão perfeitamente descritos o estado de passividade do médium e o fato de a comunicação não provir dele, o caráter transcendente da comunicação, o fato de poder se processar no sonho ou no estado de transe, o fato de a mediunidade ser, muitas vezes, uma missão atribuída aos "ministros de Deus".

Platão também dava a entender, nestas e em outras obras, que o estado profético destes inspirados podia ser utilizado por outros para obter informações sobre a realidade maior, para além do mundo dos sentidos. Muitos dos conhecimentos platônicos parecem ter sido obtidos por esta via, conforme ele mesmo admite, embora os historiadores prefiram imaginar que ele os obteve alhures, da Ásia Menor, da Índia, do Egito.

Lembramos também que era costume entre os gregos consultar as pítias (ou pitonisas), seja no famoso oráculo de Delfos, seja em lugares e seitas menos famosos. Os relatos de Heródoto (482-420 a.C) e a literatura grega deixam a entender que as sacerdotisas do templo profetizavam tanto por "encomenda" quanto espontaneamente.

Também não nos perderemos na imensidão dos relatos mitológicos, que entre uma fantasia e outra sugerem fenômenos de vista mediúnica, incorporação, previsões, etc.; nem na evidência direta da inspiração através das "musas". Atentamos tão somente, a título de exemplo, à obra madura de Homero (c.850 a.C), a Odisséia, onde ele dá importantes indícios de que as práticas mediúnicas lhe eram comuns.

No Canto XI, quando Odisseu (ou Ulisses) tem de descer ao Hades, ele encontra a sombra de sua mãe. Após as apresentações e explicações necessárias o herói tenta abraçá-la três vzes, e não a podia tocar, percebendo que ela se desvanecia como uma sombra ou como se fora "feita de sonho". Indignado, ele pergunta à mãe o que ocorre, e ela lhe responde:

(...) Está é a condição de todo homem mortal quando morre, pois os nervos já não unem mais carne e ossos:
A potente energia do fogo o consome todo quando toda a vida abandona a branca ossada e o princípio vital se nos torna o mesmo que um sonho.
Mas procura volver o quanto antes à luz, e recorda de tudo isto, de modo que possa contá-lo à tua esposa.
Homero, Odisea. Buenos Aires: Planeta, 2007. p. 195


Percebem-se diversas características interessantes neste encontro. A primeira é o modo com que ambas as personagens se expressam sobre a substância da mãe, que "parece um sonho", sugerindo claramente que a viagem de Odisseu ao Hades não foi feita em sonho, mas que ele estava desperto diante dos mortos e podia constatar serem eles formados de outra substância.

A segunda informação importante é a recomendação da mãe de que ele deveria recordar do que se passou, recomendação importante, considerando-se que o próprio Platão já havia dito em sua análise da mediunidade que "[...] ou a sua inteligência é afastada pela dormência, ou ela se torna equívoca pelo estado de possessão [...]". Homero, muito antes de Platão, apresenta a mesma idéia , sugerindo a necessidade de um esforço posterior ao contato com os mortos, no sentido de se recordar do ocorrido.

Por fim, não é menos importante, embora sutil, a recomendação da mãe de Odisseu para que ele "conte à esposa" o que se passou. É o caráter prático da comunicação, e denota o interesse caritativo do Espírito em instruir e alertar os encarnados. Em toda a literatura, seja a mais artística ou mais ensaística, os relatos mediúnicos geralmente recomendam a divulgação ou a transmissão da informação a outros. Só em raríssimos casos, quando a informação envolve riscos para alguém, há recomendações para que se mantenha o segredo.

A obra de Homero tem duas grandes vantagens: a de ser uma obra de formação da própria cultura helênica, estabelecendo paradigmas da própria religião a partir daí, e a de expressar um virtuosismo literário até hoje admirável, dando idéia de quão impressionante deve ter sido para a Grécia num momento em que ela sequer havia estabelecido a sua civilização.

A viagem de Odisseu ao Tártaro também se tornou um paradigma na literatura ocidental. Virgílio (c. 70-19 a.C.) faz o seu Enéias descer ao mundo dos mortos, cerca de oito séculos depois de Homero, e depois Dante (1265-1321 d.C.) descreve na Divina Comédia uma viagem ao Inferno, passando pelo Purgatório, ao Céu, tomando a sombra de Virgílio como guia nesta inusitada peregrinação, mais de mil anos depois de seu conterrâneo da Roma Antiga.

Por este motivo, a Odisséia tem a prerrogativa de haver despertado as intuições latentes de inúmeros outros pensadores e artistas, os quais a partir de então estariam sempre mais próximos de semelhante viagem ao mundo dos mortos.

 


topo


Vejam outros textos de Humberto Schubert Coelho

- visitem o blog do autor - http://filosofiaespiritismo.blogspot.com

-> Ciência sistemática e histórica da Religião
-> O Deus "Cristão" de Hegel; a estrutura das preleções sobre Filosofia da Religão e a reação e elas
-> Diogo Feijó, o pai espiritual do Brasil
-> Espiritismo e filosofia alemã
-> Espiritismo no Islã
-> O Espiritismo na literatura clássica - Roma
-> O espiritualismo de Aristóteles
-> É o Espiritismo um Panenteísmo?
-> Filosofias da Índia
-> A insuficiência do sujeito na metafísica da subjetividade
-> A Mediunidade na Literatura - Grécia
-> Método e epistemologia de Platão
-> Mistificação e esoterismo: Os riscos do espiritualismo
-> Momento de ânimo
-> O ponto de vista
-> A virtude dos estóicos

 


topo


Acessem os Artigos, teses e publicações: ordem pelo sobrenome dos autores :
- A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O
- P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - Allan Kardec
* lembrete - obras psicografadas entram pelo nome do autor espiritual