Waldo César

>    Os evangélicos e o poder

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Waldo César
>    Os evangélicos e o poder

 

Como se relacionam religião, política e cidadania no contexto da separação entre Igreja e Estado?
Que valores e estratégias levaram um protestantismo internalizado a ocupar espaços públicos, com destaque na esfera política? Qual o papel e as aspirações das igrejas pentecostais no cenário eleitoral? Como se conjuga linguagem religiosa com discurso político?

Eis algumas das questões que permeiam o oportuno volume Os votos de Deus: evangélicos, política e eleições no Brasil, contribuição valiosa para pesquisas e estudos no terreno cada vez mais intrincado do avanço das religiões no cenário nacional e mundial. Embora o livro se dedique às eleições de 2002, sua atualidade se evidencia na análise sobre as estratégias que as mais influentes igrejas evangélicas têm adotado para expandir sua atuação.

O primeiro capítulo, da professora de teoria política na Universidade de Westminster, Chantal Mouffe, analisa a relação entre religião, democracia liberal e cidadania. Critica as perspectivas que defendem a exclusão de todas as formas religiosas na esfera pública. As demais seis contribuições partem de situações concretas, históricas e contemporâneas, e analisam o jogo político, a competição ou os eventuais acordos entre correntes evangélicas.

São textos apresentados em diversas instâncias, cuja seleção ressalta o recorrente assombro diante do crescimento evangélico no contexto de suas grandes contradições, pluralidade e novidade histórica e geográfica na qual se move. Muitos dados são conhecidos e por vezes se repetem entre os autores, com o mérito de fortalecer os diferentes enfoques e interpretações. E não faltam os escândalos mais recentes, mencionados na apresentação, que não têm poupado nem mesmo paladinos de uma nova ética.

O período abordado pelos ensaios oferece outro fator determinante na escolha dos trabalhos reunidos: o fato de que em outubro e novembro de 2002 o Brasil realizou as maiores eleições gerais de sua história, como destaca a professora titular da Universidade Federal do Ceará Júlia Miranda.

Entre os objetivos do livro acentua-se a busca de maior rigor conceitual das relações entre religião, política, partidos e voto, presentes de muitas formas em Os votos de Deus. As tensões e os desafios dos temas analisados oferecem especial implicância neste outro ano de grande movimentação eleitoral, certamente mais problemática do que em 2002.

A rica diversidade sociológica e cultural enfatiza as relações com a prática política e o sentido dessa busca das igrejas evangélicas (e das religiões em geral) por novos espaços sociais.

Do refúgio das massas nos anos 60 e 70, temos hoje a sua expansão - a expansão das massas e tudo quanto possa significar para o futuro da sociedade brasileira e suas expressões culturais.

Fonte: Jornal do Brasil - 30/09/2006



topo