Centro de Estudos Espíritas Paulo Apóstolo

>     Assistência espiritual no momento da morte

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Centro de Estudos Espíritas Paulo Apóstolo
>     Assistência espiritual no momento da morte

 


“Quando chegou a sua hora suprema, notei que duas formas espirituais estavam junto dela, uma à direita e outra a esquerda do leito. Não me apercebi de suas entradas no quarto, pois, quando se me tornaram visíveis, já se achavam nos lados da agonizante"

"Sim, onde quer que estiverdes, vosso anjo estará convosco: nos cárceres, nos hospitais, nos antros do vício, na solidão, nada vos separa desse amigo que não podeis ver, mas do qual vossa alma recebe os mais doces impulsos e ouve os mais sábios conselhos."
O Evangelho Segundo o Espiritismo, Livro II, cap. IX, questão 495.


Certa vez, o jornalista Fernando Worm perguntou a Chico Xavier por que, na maioria dos casos, após a morte, a fisionomia dos recém desencarnados adquire uma expressão de serenidade e paz, ao que o médium afirmou:

“A maioria das criaturas, em se desencarnando, de maneira pacífica, isto é, com a paz de consciência, quase sempre reencontram entes queridos que as antecederam na viagem da chamada morte física e deixam no próprio semblante as derradeiras impressões de paz e alegria que o corpo consegue estampar”.

Para ilustrar esse comentário de Chico Xavier, transcrevemos a seguir um interessante relato da sensitiva inglesa, Sra. Joy Snell, de educação e cultura superiores e que revezes da fortuna constrangeram-na a ganhar sua vida exercendo a profissão de enfermeira diplomada.

Sobre esta senhora o respeitado espiritualista professor e reverendo Heraldur Nielson, que a conheceu pessoalmente, informa ter sido ela clarividente desde a infância, sem ter feito profissão de médium. Referindo-se ainda a essa sensitiva, acrescentou: “Se dado me fosse designar, presentemente, duas pessoas que eu consideraria como dignas de serem chamadas apóstolos de Jesus a citaria, assim como ao pastor Vale Owen. Nunca encontrei, em toda a minha vida, tão verdadeiros discípulos do Cristo e jamais estive em contato com vidas tão simples e capazes de amarem todas as coisas.”

 

Relato da enfermeira Sra. Joy Snell sobre os últimos momentos de uma jovem de 17 anos

“Achava-me junto ao leito de morte da Srta. L., graciosa jovem de 17 anos de idade e minha amiga. Sucumbia à tuberculose, sem sofrimento, porém o extremo langor do corpo a tornava tão fatigada moralmente que já desejava entrar no eterno repouso.

“Quando chegou a sua hora suprema, notei que duas formas espirituais estavam junto dela, uma à direita e outra a esquerda do leito. Não me apercebi de suas entradas no quarto, pois, quando se me tornaram visíveis, já se achavam nos lados da agonizante, mas eu as distinguia tão nitidamente como a pessoas vivas.

“Chamo anjos a essas luminosas entidades e daqui por diante sempre as denominarei assim. Logo reconheci nessas visões angélicas duas mocinhas que, durante a sua curta vida, foram as melhores amigas da agonizante, falecidas um ano antes com a sua mesma idade.

“Um momento antes de surgirem, a doente exclamou: ‘Como escureceu de repente! Não vejo mais nada!’, mas, apesar disso, ela viu imediatamente as suas duas amigas, belas como anjos. Supremo sorriso de felicidade iluminou-lhe o rosto e, estendendo as mãos, lhes disse alegremente: ‘Vieram me receber? Como isto me torna tão feliz, porque estou tão fatigada!’

“E, enquanto ela estendia as mãos para as visões angélicas, essas faziam o mesmo: uma tomou-lhe a mão direita e a outra a esquerda. Via-se no rosto delas um sorriso ainda mais doce do que aquele que irradiava dos olhos e dos lábios da enferma, tão feliz por experimentar em breve o repouso a que aspirava. Ela já não falava e por um minuto continuou com os braços estendidos no ar, com suas mãos nas das amigas mortas que ela não deixou sequer um minuto de contemplar com um ar de infinita ventura. Em dado momento, as mãos espirituais deixaram as da agonizante, que tombaram pesadamente sobre a cama. A agonizante suspirou como se fosse adormecer e, após breves momentos, seu espírito evolou para sempre de seu corpo, mas no seu semblante permaneceu impresso esse sorriso tão doce, que o havia iluminado quando ela percebeu a vinda de suas falecidas amigas, as quais se conservaram à cabeceira da morta durante o tempo necessário para que o ‘corpo etéreo’ se reconstituísse acima do cadáver. Isto feito, colocaram o espírito recém-nascido no meio delas, e ele lhes era semelhante, de modo que já não eram dois mas realmente três anjos que eu via agora no quarto. Logo depois, as três formas se elevaram e desapareceram no alto.”


Conclusão

A enfermeira Snell presenciou inúmeros outros desenlaces, aos quais relatou em um livro intitulado “The Ministry of Angels”. Mesmo tendo deixado o hospital para se dedicar à assistência particular “nem um só paciente morreu sem que eu percebesse à sua cabeceira uma ou mais formas angélicas que acorriam para receber o espírito liberto e o conduzir à sua nova morada em uma nova esfera de vida”.

Para essa senhora, em tudo que silenciosamente testemunhou, através de sua clarividência, “a morte, em que o mundo pensa com horror e que todos consideram o mais espantoso mistério, torna-se, ao contrário, bela e benfazeja, assim como a revelação mais demonstrativa do Amor infinito que o Pai Eterno testemunha às suas criaturas...”

_______________

Obras consultadas e recomendadas:

“Fenômenos de Bilocação – Desdobramento”, de Ernesto Bozzano, Edições Correio Fraterno

"A Ponte - Diálogos com Chico Xavier", de Fernando Worm, Porto Alegre Livraria do Globo


Equipe Consciesp
Consciência Espírita - 2006
Centro de Estudos Espíritas Paulo Apóstolo


Consciência Espírita

Fonte: http://www.consciesp.org.br/materias2.php?id=3




topo

 

 

Leiam outros textos do Centro de Estudos Espíritas Paulo Apóstolo

->  Allan Kardec e a educação para a imortalidade
->  Assistência espiritual no momento da morte
->  O chamamento do infinito
->  Conceituação espírita sobre o bem e o mal
->  A diferença entre crer e ter fé
->  Dogmas científicos, filosóficos ou religiosos perdem sentido quando novas evidências falam alto à razão
->  26 maneiras de identificar se uma comunicação provém de um bom espírito
->  O fenômeno das vozes diretas do médium Leslie Flint
->  Filosofar e servir
->  A força da mensagem espírita está em sua delicadeza
->  Mediunidade, o limiar da percepção
->  Mediunidade dos Santos
->  O momento propício para a educação do Espírito
->  Um panorâma espiritual da depressão


topo