Espiritualidade e Sociedade



Gilberto Perez Cardoso

>      Curiosidades sobre os Agêneres

Artigos, teses e publicações

Compartilhar

Gilberto Perez Cardoso
>      Curiosidades sobre os Agêneres

 


Tema muito interessante, para estudo, é a questão dos agêneres.

Agêneres, no dizer do próprio Allan Kardec, quando comenta sobre esse assunto em “O Livro dos Médiuns”, capítulo VII, tópico 125, são criaturas que se apresentam com toda a forma material, mas que não foram biologicamente geradas, segundo o significado das raízes gregas da palavra, “a” e “géine”. Kardec informa que o fenômeno, por mais extraordinário que possa parecer, não seria mais sobrenatural que outros estudados em “O Livro dos Médiuns”. Seria uma espécie de aparição tangível, em que espíritos se revestem de forma física, aparentando uma pessoa encarnada, sendo diferentes dessa apenas pelo fato de não terem sido formados por fusão de espermatozóide e óvulo, como ocorre segundo as leis da Biologia convencional. Em “A Gênese”, capítulo XIV, tópico 36, volta Kardec a falar dos agêneres. Na Revue Spirite, em diversas ocasiões, Kardec discorre sobre eles.

Na verdade, após o advento das materializações e seu estudo minucioso por parte de diversos investigadores, não há dificuldade em se entender o que seria um agênere e mesmo os mecanismos que norteiam a sua aparição.

A questão dos agêneres é muito curiosa para estudos, não só do ponto de vista científico, envolvendo todas as complexas situações que determinam a aglutinação dos fluidos necessários á formação, em pouco tempo, de uma estrutura praticamente idêntica ao corpo físico de um encarnado, como também do ponto de vista histórico, uma vez que aparições de agêneres são descritas pelas escrituras e são objeto de relatos muito interessantes, inseridos na literatura espírita. Podemos relacionar alguns, notáveis, e que merecem registro e estudo.

O “Irmão X”, pela psicografia de Chico Xavier, na obra “Lázaro Redivivo”, no capítulo “A palavra do morto”, nos conta o famoso episódio que se acha registrado no I livro de Samuel, capítulo 28, versículos de 7 a 15. Trata-se do encontro de Saul, rei de Israel, com o profeta Samuel, então desencarnado, às vésperas de importante batalha. “Irmão X” narra que Saul, pressionado pela enorme responsabilidade do futuro confronto, impacienta-se e acaba por recorrer a uma pitonisa (médium) que moraria na localidade de En-Dor e frente à qual chega, disfarçado, com a intenção de ouvir a palavra do grande profeta que lhe fora instrutor na infância. É evidente que se sabia, na ocasião, ser possível a comunicação dos “vivos” com os “mortos” e Saul não desconhecia tal fato. Diante da pitonisa, o disfarce é descoberto e Saul, invocando sua autoridade de rei, ordena que a médium lhe ponha em contato com Samuel. Instantes depois, surge no recinto uma nuvem vaporosa, que dá forma ao profeta Samuel, personificado num esplêndido agênere materializado! Samuel não se apresenta mais, contudo, como imaginava Saul, na arrogância e imponência de outrora, quando ostentava as insígnias do “enviado de Jeová”, mas simples, humilde e pobre, em sua nova situação espiritual. O diálogo que se segue é significativo, quando o profeta tenta convencer Saul a desistir da empreitada, deitar armas e reconciliar-se com os filisteus. Como registra a história, Saul não quis e marchou teimosamente, no dia seguinte, com seus batalhões, rumo às experiências que a morte nos proporciona. Trata-se de um dos mais notáveis casos de materialização de agênere que a Bíblia registra.

Outro caso de agênere na Bíblia que merece nossa atenção é o citado por Kardec no capítulo XXVII, parágrafo 8 de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, e também no capítulo XXV da mesma obra, no parágrafo 5, ao mencionar o agênere (“anjo”) que esteve com Tobias. É importante alertar que nas edições mais populares da Bíblia nada será encontrado sobre Tobias e o anjo, pois nestas não há o “Livro de Tobias”. Porém, a “Bíblia de Jerusalém”, uma das mais completas e que é utilizada comumente como fonte de pesquisa, insere no Velho Testamento “O Livro de Tobias”, narrando em detalhes o interessante episódio envolvendo o agênere. Conta “O Livro de Tobias” as peripécias do “anjo” Rafael que, atendendo aos apelos de Tobias pai, acompanha Tobias filho em sua perigosa viagem, protegendo-o, auxiliando-o em seu casamento, livrando-o e à sua esposa de obsessores, impedindo que fosse devorado por um enorme peixe e trazendo-o de volta, casado, são e salvo, à casa do pai. Ao fim, recebendo ofertas de recompensas, recusa todas, informando que Deus o enviara para ajudá-los em função de merecimento e, pedindo que narrassem o ocorrido para a posteridade, “desapareceu diante deles e eles não o puderam ver mais” (Tobias, XII:21). Surpreendente, não é mesmo, caro leitor, uma materialização que se prolongou durante todo o período que a Espiritualidade julgou necessário para que a família de Tobias pudesse ser atendida nos seus merecimentos, é claro.

Notável, também, é o episódio envolvendo Jan Huss, o líder religioso tcheco, considerado precursor da Reforma, movimento que pretendeu revigorar o cristianismo em seus princípios originais. Quando Huss se achava preso e já próximo de perecer numa fogueira, na cidade de Constança, em 1415, aconteceu o interessante episódio com um agênere. Quem nos narra esse comovente encontro é o consagrado J.W. Rochester, na obra “Os Luminares Tchecos”, romance histórico em torno das figuras de Jan Huss e Jerônimo de Praga. Huss, para nós, espíritas, tem grande significado, pois presume-se que tenha reencarnado, mais adiante, como, nem mais, nem menos, Allan Kardec. O prefácio da obra descreve, com muita propriedade, os argumentos e informações que respaldam a tese, bastante coerente, de que Huss retornou como Kardec. Aliás, vai além, quando revela uma outra personalidade que teria sido animada pelo Espírito que viria a ser Kardec, o do centurião romano Quirílius, que chegou a oferecer fuga a Jesus, quando este se encontrava preso, proposta gentilmente recusada pelo Mestre, ao revelar-lhe que “iria ainda ter a oportunidade de morrer por Ele, porém no futuro...” O centurião mais tarde converteu-se ao cristianismo e passou a ser o “pai João”, retratado por Rochester na obra “Herculanum”.

Huss, em sua cela, próximo da execução, ora fervorosamente e recebe uma graça do Alto. Conforme descreve magistralmente Rochester, surge à sua frente uma nuvem esbranquiçada, crepitando em faíscas, iluminando a cela em tons levemente azulados, dando forma, materializada, à figura alta de um homem em trajes clericais bizantinos, trazendo nas mãos uma cruz e um evangelho. Huss indaga de quem se trata e o agênere informa ser “aquele que primeiro trouxe a luz divina do Evangelho à sua pátria ( República Tcheca) e cujos restos descansam em Velegrad.” Em seguida, o agênere recomenda a Huss muita firmeza perante a morte próxima, prometendo ajuda permanente e as recompensas da vida espiritual. Na verdade, o agênere materializado referiu-se à cidade de Velehrad, situada na Moravia, atual República Tcheca, que guarda o túmulo daquele que chamou-se Metódio. Metódio e Cirilo, seu irmão, são hoje considerados patronos, ao lado de Bento, da Europa. Conta-se que o cristianismo penetrou na Europa Central no século VIII, mas desenvolveu-se mesmo com a ida à região, em 863, de dois irmãos religiosos provenientes da cidade greco-bizantina de Tessalônica: Cirilo e Metódio. Tiveram ampla atuação na evangelização das populações locais. Cirilo teria criado o alfabeto cirílico. Cirilo, contudo, antes denominado Constantino, veio a falecer em Roma, em 869 e seus despojos carnais descansam na igreja de São Clemente, nessa cidade. Metódio retornou à Morávia no mesmo ano e atuou intensamente, até desencarnar em 6 de abril de 885, estando seus restos mortais sepultados em Velegrad ou, mais exatamente, Velehrad. O agênere que se manifestou a Huss na cadeia foi, portanto, Metódio. Por causa de sua origem, trajava vestes clericais bizantinas, de onde se originava.

Por último, não podemos deixar de registrar o provável encontro com um agênere ocorrido com o nosso conhecido Bezerra de Menezes e destacado por seus biógrafos. Os anos de estudo no Rio de Janeiro, na Faculdade de Medicina (atual UFRJ) foram muito difíceis para Bezerra, que freqüentemente recorria ao expediente de dar aulas para ajudar nas despesas. Numa ocasião, Bezerra não sabia mais o que fazer perante o problema do pagamento de taxas da Faculdade e despesas com a pensão onde morava, estando em risco de ser despejado. Desesperado, orou fervorosamente e apelou para Deus. Não demorou muito e um jovem bateu-lhe à porta. Desejava tratar aulas de matemática. A princípio Bezerra, a contragosto, tentou recusar, pois matemática não era disciplina muito de seu gosto. O candidato insistiu, pois estava muito necessitado e Bezerra, lembrando-se então de sua situação periclitante, resolveu dar as aulas, pedindo um tempo para se preparar. Surpreendentemente, o aluno ofereceu pagar tudo adiantado, alegando que, assim, corria menos risco de esbanjar os recursos, provenientes de mesada. Com muita relutância, Bezerra acabou concordando, acertando dia e horário de início das aulas. Com a quantia, Bezerra pagou as taxas da Faculdade e quitou o aluguel. Depois, embrenhou-se na biblioteca, preparando-se para as aulas de matemática.... que nunca aconteceram, pois o estudante não mais apareceu... Era, provavelmente, um agênere, de quem Bezerra recebeu providencial auxílio.


Fonte: Revista Espírita de Campos nº 96

 


topo